Loja Oscar Freire

Loja Shopping Iguatemi

Lojas parceiras

Desinblog

Desinchef

E-books

Cursos

Quem somos

Trabalhe Conosco

0800 580 3055

Benefícios de uma boa alimentação na gravidez

Que devemos ter uma boa alimentação durante os dias, nos exercitar e estar com os exames em dia nós já sabemos. Mas e quando você deve cuidar de você e mais um? Na gestação a responsabilidade aumenta e elas tem um papel importantíssimo na nutrição do bebê, e isso começa com a própria boa alimentação e nutrição. Você não precisa estar grávida para saber disso (mas se estiver, melhor): entenda agora as importâncias da boa alimentação na gravidez e como isso pode trazer benefícios futuros. 

Durante a gestação, o corpo da mulher passa por inúmeras mudanças fisiológicas e metabólicas: aumento do volume sanguíneo (afinal, tem um bebê precisando também), aumento da função renal e cardíaca e redução do movimento gastrointestinal. Para que a mulher se adapte a todas essas mudanças, ela precisa ter uma atenção maior à sua alimentação, desde à preconcepção até o período de lactação. Vale lembrar que em quadros de desnutrição, sobrepeso ou obesidade há uma necessidade de mais cuidados. 

A perda ou o excesso de peso na fase de gestação pode trazer prejuízos tanto para a saúde do bebê quanto para a da mãe, como por exemplo o desenvolvimento da diabetes gestacional. Nesse período é muito importante que a mulher adote uma alimentação equilibrada a fim de ganhar somente o peso necessário para o aumento dos tecidos maternos no desenvolvimento do bebê. 

Benefícios de uma boa alimentação na gravidez

Afinal, qual a importância da boa alimentação na gravidez? 

Uma boa alimentação na gravidez contribui para a prevenção de uma série de problemas, assegura reservas biológicas ao parto e pós-parto, garante que a lactação seja adequada, além de garantir o ganho de peso ideal para que o bebê nasça saudável.  

 

Como deve ser o ganho de peso na gravidez? 

Com certeza não é a época para fazer dietas restritivas nem pensar na perda de peso. Mas também não quer dizer que a gestante deve ter o pensamento de “comer por dois”, porque sim, você está nutrindo outro corpinho, mas não significa comer tudo em excesso. 

É possível qual deve ser o ganho de peso por trimestre a partir do seu Índice de Massa Corporal (IMC), que nada mais é do que seu peso dividido pela sua altura ao quadrado, levando em conta o seu peso antes da gravidez: 

Ganho de peso ideal na gravidez

 

Quais as consequências de uma má nutrição na gravidez? 

No caso de um ganho de peso insuficiente da mãe, a criança pode nascer pequena para a sua idade gestacional, podendo apresentar doenças crônicas como: hipertensão, obesidade, distúrbios de concentração e aprendizado, problemas comportamentais e doenças cardiovasculares. 

E quando o ganho de peso é excessivo durante a gravidez? Além de terem uma tendência maior para não conseguir recuperar a forma no pós-parto, há grandes chances de manterem o IMC entre sobrepeso ou obesidade pelo resto da vida e de desenvolverem hipertensão ou diabetes gestacional. Estudos indicam que 40% das mulheres que ganharam muito peso na gestação, ficaram em média com 8-10kg a mais do que o peso durante a gravidez.  

Vamos tomar cuidado, certo?  

 

Existem fatores de risco?

Claro! Aqui estão alguns dos fatores de risco gestacional: Consumo de bebidas alcoólicas, estresse oxidativo, obesidade, deficiência de algumas vitaminas e minerais (B12, D, A K, B9, cobre, ferro e zinco), idade, problemas com gestações anteriores (ex.: aborto espontâneo), doenças maternas preexistentes, entre outros. 

Perceba que os primeiros citados são fatores que podemos mudar com uma boa alimentação na gravidez. 😉 

 

Agora, vamos falar um pouco de “nutricionês”?   

Os nove meses de gestação, como eu gosto de reforçar, exigem uma alimentação equilibrada. Mas o que eu quero dizer com isso? Todos os grupos alimentares devem ser incluídos (carboidratos, proteínas e gorduras boas) e em especial os nutrientes devem ter uma atenção maior. Vamos repassar por cada trimestre cada nutriente que é importante para ser incluído na dieta da gestante: 

 

Primeiro trimestre 

VITAMINA B9 OU ÁCIDO FÓLICO: é o nutriente mais utilizados pelas grávidas e indicado por médicos e nutricionistas. Por quê? Nessa fase, a necessidade desta vitamina aumenta em 50%. Sua ingestão previne defeitos na formação do feto. A recomendação de gestante de 19-50 anos é de 1000 mcg por dia, isto é, 600 mcg + suplementação que é feita neste primeiro trimestre. 

Onde encontramos? Fígado, espinafre, brócolis, mamão, feijão, ervilha, lentilha etc. 

 

VITAMINA B12: essencial para a absorção do ácido fólico. A recomendação para gestantes é de 3,5mcg por dia, com 100g de salmão você já consegue bater essa recomendação. 

Onde encontramos: fontes de produto de origem animal. Vegetarianas devem suplementar com 2mcg por dia. 

 

SEGUNDO TRIMESTRE 

FERRO: Evita que a mãe ou o bebê tenham anemia. Recomendação de 27 mg por dia e é baseado em uma dieta rica em ferro + suplementação a partir da 20º semana. É importante evitar substâncias inibidoras do ferro como o cálcio.

Onde encontramos? fígado, ostras, gema de ovo, carne de vaca, atum, sardinha etc. 

 

TERCEIRO TRIMESTRE 

CÁLCIO: ajuda na formação dos ossos do bebê. Recomendação de 1000 mg por dia, o que é mais ou menos essa combinação: 2 copos de leite + 30g de queijo + 150g de iogurte. 

Onde encontramos? além dos produtos lácteos: soja, laranja, verduras escuras, gergelim, chia, feijão branco etc. 

 

Além destes micronutrientes, a gestante deve ter uma atenção também para: Iodo, zinco, vitamina A, vitamina D e Vitamina K.

 

Fora esse acompanhamento de nutrientes trimestral, não podemos esquecer dos macronutrientes que devem ser inclusos durante todos os nove meses de gravidez: 

Carboidratos: fornecem energia para a mulher e ajudam no desenvolvimento do bebê. Deve ser priorizados os carboidratos complexos como pães e cerais integrais, batata doce, leguminosas, que tem uma absorção mais lenta no organismo. 

Proteínas: uma mulher não grávida tem a recomendação de 0,8g/kg de peso por dia de proteínas. Na gestação armazenamento de 925g de proteínas, sendo que 60% são depositados no feto e placenta e 40% em tecidos maternos. A recomendação das gestantes é de 1,3/kg/peso 

Lipídeos (gorduras): ajudam na absorção das vitaminas A, D, E e K e contém ácidos graxos essenciais para a formação do sistema nervoso do feto. 

 

Ufa! Muita informação para processar? Calma, o acompanhamento com médico, e nutricionista nesta fase é importantíssimo e vai orientar sobre os cuidados que se deve ter na gravidez.  

Creio que depois deste post você já consegue dar algumas dicas nutricionais para sua amiga grávida. 😉 

 

Desinchá

POR VITÓRIA CAMPOS – NUTRI

Comente aqui

avatar