Você, por um acaso, já foi parar em alguma conversa completamente sem noção onde as pessoas ficam fritando o cérebro em previsões sobre o futuro? Eu tenho certeza que sim.  

Nessas rodas você encontra todo tipo de perfil: os otimistas, os pessimistas, os paranoicos, os conspiracionistas, os cinéfilos (aqueles que usam exemplos de filmes hollywoodianos para defender sua visão de futuro) e os que simplesmente não se importam (o que muitos julgam ser o melhor tipo dessa lista. Por mim tudo bem). 

Mas o plot twist da vez é o fato de que existe a possibilidade do cinéfilo estar correto. É isso mesmo que você leu: o universo fantasioso do cinema parece estar se tornando parte da realidade. Estaríamos nós vivendo na Matrix?  

Você, caro leitor, já assistiu ao filme “Sem Limites”? Caso não tenha visto, é basicamente sobre um cara que começa a tomar uma pílula que faz o cérebro performar com 100% da sua capacidade. A partir disso, ele fica focado e produtivo como ninguém, ultra criativo, faz cálculos impossíveis, aprende outros idiomas com uma facilidade absurda, escreve muito rapidamente, e outras coisas impressionantes.  

Isso parecia absurdo até outro dia. Mas uma palavrinha da moda está fazendo com que NOS PERMITAMOS SONHAR: já ouviu falar de Biohacking

Biohacking: medo ou esperança no futuro?

Já que os hackers estão na moda, fica mais fácil explicar esse conceito: é quase o mesmo princípio do que eles fazem com computadores, mas aqui o nosso corpo que é hackeado. E ao invés de nos roubarem dados, são incluídas substâncias ou abordagens não interventivas, como cromoterapia, que trazem melhorias para o seu corpo. 

A diferença desse novo método levemente assustador é que ele aborda nosso corpo pelo ponto de vista biológico, enquanto outros métodos usam técnicas como metas curtas, cronômetros para tempo de foco. Ou seja: o Biohacking utiliza implantes, suplementos ou alimentos para potencializar suas qualidades.  

Existem dois tipos de abordagens dessa técnica:  

  • Interventiva – você melhora seu próprio corpo com o uso de implantes que potencializam sua capacidade. Por exemplo, com chips implantados no braço que liberam suplementos periodicamente. Tem até gente que até implanta uma substância no olho para enxergar no escuro. O tipo da coisa que é meio bizarra, mas o jovem vai adorar. 
  • Não interventiva – aqui são usados apenas elementos externos. Desde áudios para melhorar a concentração até a cromoterapia para dormir melhor.  

O que os dois casos tem em comum é o fato de usarem da biologia para melhorarem seus corpos.  

E disso surge a expressão que vai confundir a cabeça de muitos distraídos por aí: o transhumanismo. Essa expressão não tem nenhuma relação com gênero. Ela apenas define a crença de que é possível melhorarmos nossos corpos, nossa condição como seres humanos, com a tecnologia. Seria o “super homem” previsto por Nietszche? Bom, na verdade esse “super homem” do famoso filósofo é muito mais complexo que isso, mas eu queria colocar uma referência inteligente no texto.  

Mas o Biohacking não se limita apenas a melhorar sua performance em exercícios ou fazê-lo enxergar melhor. Ele já faz coisas que fazem você pensar que está em um filme futurista do Steven Spielberg (lembra que os cinéfilos tinham razão?)  

Por exemplo, uma pessoa que se tornou famosa por produzir diversas coisas através do Biohacking chama-se Dave Asprey: ele produziu um café com manteiga que aumenta muito sua energia, um óculos com lentes alaranjada que melhora a qualidade do sono e audição de sons binaurais para aumentar o foco.  

Mas ele é super tranquilinho comparado com alguns outros que não tem muito medo de experiências intensas. Alguns implantam chips para conseguir abrir fechaduras eletrônicas, outros implantam imãs para sentir campos eletromagnéticos, e outros que não conseguem enxergar cores e passam a conseguir, através de um sistema que capta a frequência da vibração de cada cor e transforma em sons que permitem que o cérebro identifique essas cores.  

É claro que tudo isso é muito além e muitos desses experimentos são perigosos. Mas estamos abordando, aqui, o fato de que a tecnologia está seguindo um caminho que pode nos livrar de diversos problemas que tanto nos perseguem durante os séculos.  

Existem coisas que fazem parte do Biohacking que você nem sabia: diversas pessoas utilizam marca-passo para regular os batimentos do coração, mulheres que implantam chips que liberam anticoncepcionais, aparelhos auditivos, etc. Tudo isso são invenções humanas que melhoram características do nosso corpo.  

E mais: um exemplo de Biohacking não interventivo que está completamente ao nosso alcance é a alimentação. Quando controlamos o que ingerimos escolhendo cuidadosamente o que vamos consumir pensando única e exclusivamente nos benefícios que esses alimentos podem trazer, estamos tentando melhorar nossa disposição, nosso foco e nossa produtividade. Tudo com base científica. Nada é mais importante para controlar o nosso corpo quanto a alimentação.  

Para dormir é o mesmo princípio: o Biohacking aborda métodos como exposição a luzes específicas e apps para livrar o ambiente da radiação. E todas as dicas que já demos aqui como estar em um lugar completamente escuro, não tomar cafeína depois das 18h, evitar luzes brancas e refeições pesadas.  

Mas o resumo de tudo é o seguinte, crianças: pelo amor, não tentem DO NADA montar um laboratório em seu quarto e ficar implantando chips em seus braços pra fazer coisas que nós já sabemos fazer naturalmente, como abrir portas. Mas seguir dicas seguras como melhorar a alimentação e o sono podem ser uma ótima porta de entrada para entender como funciona o mundo da busca por uma melhor performance física e mental. Mas é muito importante sabermos para onde o mundo está caminhando, pois só assim podemos ter uma noção de onde podemos chegar.  

Eu só sei que não quero entrar na Matrix.  

Assinatura Desinchá

Então o prato do dia é uma redatora falando sobre palavras? Sim, isso mesmo! Porque no mundo da saúde e exercícios existem uma série de palavras mal interpretadas que precisam de uma boa revisão PRA ONTEM. Sem mais nhe-nhe-nhe, vamos a elas:

5 palavras para atualizar no seu dicionário saudável

 

#1 Dieta

Em algum momento da nossa história (falando assim até parece um grande acontecimento, né?), começamos a usar “dieta” como sinônimo de privação. “Dieta” é comer aquela saladinha sem graça com peito de frango sem gosto que a nutri passa para a gente no almoço e no jantar, UHH.  
 
#SQN, Brasil. “Dieta” é um termo genérico para descrever os hábitos alimentares de uma pessoa ou de um grupo. Quaisquer hábitos. Então você pode ter “uma dieta rica em alimentos processados” que não vão fazer nada bem para esse incrível sistema biológico chamado “seu corpo”. 
 

#2 Exercícios físicos

Polêmica! Polêmica! (*gritou ela como se estivesse distribuindo o jornal de hoje*) Exercícios físicos NÃO SÃO o mesmo que atividades ou recreação física. Rá! Exercícios têm uma relação de causa e efeito na modificação corporal. É quase como se fosse uma prescrição: faça XYZ para conseguir braços torneados e um abdômen tanquinho.  
 
Nas atividades / recreação física, por outro lado, existe uma série de variáveis que deixam muito difícil estabelecer essa relação de causa e efeito. Por isso sim, correr com o seu cachorro é ótimo, mas não se enquadra na categoria de exercícios, ok? 
 

#3 Alimentação saudável

Porque isso é muito abstrato. De uma forma geral, você pode entender “alimentação saudável” como comer comida de verdade – e se livrar dos ultra-industrializados. Mas tá bom, depois daí, para onde a gente vai? Tipo, pode comer feijão ou não pode? Por que as frutas parecem ter virado vilãs de uma hora para a outra? Qual o problema do leite? E as quantidades em cada porção?? 
 
O importante a saber aqui é que você pode direcionar sua alimentação para o seu OBJETIVO de saúde / corpo / vida. Então uma dieta (olha ela aqui!) para aumentar sua fertilidade vai ser diferente de uma para queimar gordura, desenvolver os músculos, viver 100 anos (longevidade), treinar para uma maratona, virar fisiculturista…  
 
Não existe nada “ideal” até você responder essa pergunta: “ideal PARA QUÊ?” 
 

#4 Celulite

 Na verdade, essa é uma palavra para DELETAR do nosso dicionário. Porque na #real #oficial, celulite é uma condição inventada pela indústria para nos vender produtos, garoooutas. “Esses furinhos na sua bunda / coxas são horríveis. Aqui, temos o creme perfeito para te ajudar!” Em 4 Horas para o Corpo, Tim Ferris diz que essa palavra apareceu impressa pela primeira vez numa edição da revista Vogue de 1968.  
 
E claro, de lá para cá, nós aprendemos a odiar essa particularidade do nosso corpo. Mas talvez a gente precise fazer um esforcinho para mudar isso. Porque no fim das contas, ter celulite é um efeito colateral de ser mulher. Isso tem a ver com a forma como nossa gordura é armazenada (em colunas verticais) em contraste com a gordura nos homens (com linhas entrelaçadas). Já reparou que, mesmo com bastante sobrepeso, é difícil encontrar um homem com celulite? Enquanto isso, mesmo mulheres super magrinhas sofrem com essa alucinação. Pois é. Antes de inventarem a celulite, ela era chamada simplesmente de PELE. 
 

#5 Tonificar

Eu te imagino como uma pessoa prática, sem mimimi, que vai direto ao ponto (se estiver enganada, pode me corrigir nos comentários, taokei?). Então deixa eu te contar que a magia da transformação corporal é mais simples do que muita gente tenta nos convencer. 
 
Um músculo cresce ou diminui. 
A gordura corporal aumenta ou diminui. 
 
Uma pessoa com um físico “tonificado” é alguém com pouca gordura, de um jeito que os músculos fiquem aparentes, porém sem uma musculatura super desenvolvida (estilo fisiculturista). É o que algumas pessoas chamam de físico atlético (o que é uma grande besteira, porque tanto uma ginasta pequena, quanto uma jogadora de vôlei longilínea, quanto uma levantadora de peso grande SÃO ATLETAS). 
 
Já uma mulher com os músculos desenvolvidos como a moça “tonificada”, mas que tenha mais percentual de gordura no corpo, vai se parecer mais com aquele modelo mulherão curvilínea.  
 
Se a gente voltar duas casas nesse jogo, vai entender que a mecânica por trás é mais simples do que tentam nos vender. 
 
E a Desinchá surgiu exatamente com esse mote de que ei! Saúde é simples (e pode ser bem gostosa também). 🙂 

Assinatura Desinchá

Tratar diversos tipos de dores com a inserção de agulhas muito finas através da pele de uma pessoa em pontos específicos do corpo pode soar estranho. E assim muitos pensam desse lado do mundo. Mas para os povos orientais, principalmente os chineses, essa é uma prática medicinal antiga, respeitada e muito difundida. Hoje, nós ocidentais, já estamos familiarizados com a ideia de que pequenas agulhas podem nos ajudar no enfrentamento dos mais diversos tipos de dores. Como a acupuntura funciona cientificamente não é um consenso: com muitas pesquisas sendo realizadas a cada ano, algumas pessoas afirmam que a acupuntura funciona por equilibrar a energia vital, enquanto outros acreditam que tenha algum efeito neurológico envolvido.

Acupuntura: Sabedoria milenar apoiada pela ciência

A acupuntura remonta a pelo menos 100 A.C., quando um sistema de diagnóstico e tratamento usando agulhas foi registrado por escrito pela primeira vez na China. No entanto, a prática provavelmente precede esta história. De acordo com a medicina tradicional chinesa, a saúde é o resultado de um equilíbrio harmonioso de dois extremos de nossa força vital: o “Yin” e o “Yang”. Portanto a doença seria a consequência de um desequilíbrio dessas forças. Essa força vital, chamada pelos chineses de QI (normalmente se pronuncia “chi”), flui através de caminhos no corpo humano e estes fluxos de energia são acessíveis através de 350 pontos de acupuntura espalhados pelo corpo. Inserir agulhas nesses pontos, com as combinações apropriadas, traz o fluxo de energia de volta para o equilíbrio adequado. Mas a prática moderna da acupuntura mudou consideravelmente desde que foi introduzida inicialmente na China; no século XVIII, a acupuntura já se mostrava muito diferente das práticas descritas nos textos chineses antigos, e no início do século 20, os alunos da academia médica imperial chinesa já não estudavam mais a acupuntura.  

Alguns especialistas usaram neurociência para explicar a acupuntura; os pontos onde são inseridas as agulhas são vistos como lugares onde os nervos, músculos e tecido conjuntivo podem ser estimulados. A estimulação aumenta o fluxo sanguíneo, ao mesmo tempo desencadeando a atividade dos analgésicos naturais do corpo humano. 

Mas realmente funciona? Desenvolvida há milênios na China, numerosos estudos recentes conduzidos por cientistas na Europa e nos Estados Unidos demonstram que a acupuntura é, no mínimo, moderadamente eficaz no tratamento de alguns problemas de saúde. Segundo a Organização Mundial de Saúde a acupuntura provou-se eficaz em relação a muitas condições do corpo, principalmente no tratamento de dores crônicas e efeitos colaterais indesejados oriundos de tratamentos de algumas doenças como a quimioterapia, além da eficácia comprovada por estudos no tratamento de cefaleia e enxaqueca, bem como dores de garganta, no ombro, cotovelo e incômodos causados por osteoartrite.  

A Organização Mundial de Saúde (OMS) listou, em 2003, uma série de condições em que a acupuntura tem eficácia comprovada, dentre elas dor facial ou de dente, pressão arterial elevada ou baixa, rinite alérgica, entorses, artrite reumatoide, até mesmo algumas condições gástricas e para reduzir o risco de acidente vascular cerebral (AVC). A OMS também lista algumas enfermidades nas quais a acupuntura pode ter efeitos positivos, porém mais evidências são necessárias para comprovar o seu benefício, como a fibromialgia, neuralgia, convalescença pós-operatória, dor na coluna vertebral, torcicolo, tosse compulsiva ou coqueluche e síndrome de Tourette. Há um crescente número de pesquisas estudando se a acupuntura também pode ser usada para tratar a depressão, distúrbios do sono e dependência de drogas. Em geral, no entanto, a acupuntura é considerada complementar aos tratamentos convencionais, e é provavelmente mais eficaz quando implementado junto com um estilo de vida e hábitos saudáveis. 

A acupuntura pode ser uma grande aliada no tratamento de algumas doenças e de muitas dores, crônicas ou não, e durante todo o período de existência dessa técnica fomentou discussões e fez com que médicos de todo o mundo pesquisassem exaustivamente seus princípios e resultados. Se há um consenso sobre o assunto é de que a acupuntura tem se mostrado muito útil se vinculada a tratamentos médicos convencionais. Normalmente, quando as pessoas estão mais conscientes de sua saúde, elas prestam mais atenção a respeito de suas dietas, elas se exercitam mais e pensam em uma abordagem corpo-mente para diminuir o stress, ao invés de usar a acupuntura para tratar tudo. Portanto informe-se e se cuide para manter sua saúde em dia, e conte com a sabedoria milenar chinesa como uma grande ajuda para manter o equilíbrio da saúde de seu corpo e mente. 

 Assinatura Desinchá

Pode procurar no seu navegador: “drenagem linfática”. A busca vai retornar uma longa lista de clínicas que oferecem esse tratamento e todas falando dos resultados incríveis que uma sessão por semana pode fazer no seu corpo. Mas será que é tudo isso mesmo? Dá pra confiar? 
 
Sim. A drenagem linfática dá resultados. Mas antes de você sair correndo para marcar sua hora, tem muitas outras coisas que precisa saber sobre esse procedimento, desde o profissional habilitado a fazer até as contraindicações. Pois elas existem, viu! 

Como funciona a drenagem linfática?

Esse tipo de massagem, que só pode ser aplicado por fisioterapeutas ou massoterapeutas, atua no sistema linfático, que é uma rede complexa de vasos pelo corpo por onde se move a linfa, líquido rico em proteínas, glóbulos brancos, microrganismo, células mortas, células sanguíneas e pode também carregar bactérias e toxinas. Seu aspecto é viscoso e amarelado. A linfa, assim como o sangue, realiza trocas metabólicas com as células e em seguida é recolhida pelos vasos do sistema linfático, retornando aos gânglios.  

O objetivo da drenagem linfática, ou drenagem para os mais íntimos, é retirar a linfa acumulada entre as células e devolvê-la a circulação para que seja filtrada pelos gânglios linfáticos (ou linfonodos). Esses gânglios fazem parte do sistema imunológico e sua função é ajudar o corpo a reconhecer e combater germes, infecções e outras substâncias estranhas. Então, após esse processo, os nutrientes são absorvidos pelo organismo e o que não presta é eliminado. 

Para cada parte do corpo existem movimentos adequados, mas eles sempre devem ser feitos no trajeto dos vasos e no sentido do linfonodo correto. Por exemplo, a drenagem nas penas e barriga devem seguir em direção a virilha, nos braços e tórax os movimentos vão em direção a axila.  

A técnica mais utilizada e eficiente é a manual, mas a drenagem também pode ser feita com aparelhos da endermologia, que possuem mecanismos de vácuo e rolamento. A desvantagem é que o profissional não consegue ver nem sentir a área massageada e trabalhar com ênfase nos pontos mais necessitadas. 

O resultado mais desejado é a diminuição do inchaço e, consequentemente, das celulites e medidas. Aliás, esses são os principais motivos pelo qual a drenagem ganhou tanta popularidade. Mas existem outros benefícios:  

– Ajuda a melhorar sintomas da tensão pré-menstrual, já que, além de auxiliar na eliminação de líquidos e combate o inchaço, ajuda a controlar a ansiedade, pois tem efeito relaxante. 

– É eficaz em pós-operatórios, pois regenera tecidos para reduzir cicatrizes em locais de incisão cirúrgica, reduz o inchaço, desintoxica o corpo, ajuda a circular os glóbulos brancos para melhorar o processo de cicatrização, além de melhorar o bem estar e promover o relaxamento. Ela não deve ser feita logo após a cirurgia. O adequado é esperar pelo menos 6 semanas antes de receber uma, ou até que um médico libere o paciente para a massagem. 

– Aumenta a taxa metabólica porque livra seu corpo de produtos de resíduos através de seus gânglios linfáticos. Um sistema linfático saudável contribui para uma taxa metabólica saudável. Quanto maior sua taxa metabólica, mais gordura seu corpo queima por minuto (mesmo quando você está inativo ou simplesmente sentado). 

Uma grande polêmica sobre a drenagem é se ela pode ser aplicada em mulheres grávidas. E sim, não só pode como ajuda muito! Nessa fase, a mulher retém muito liquido, especialmente no 3º trimestre da gestação, e quando este líquido passa do limite que o organismo consegue processar e eliminar, as impureza e toxinas ficam acumuladas causando uma série de problemas. Mas é importante saber que o profissional deve ser especialista em gestantes! 

Existem casos em que a drenagem é contraindicada: tumores malignos não controlados, tuberculose, processos infecciosos e inflamatórios agudos, insuficiência renal aguda, erisipela em fase aguda, entre outras. Se você sofre de alguma doença, converse com seu médico antes de passar pelo procedimento. 

A drenagem linfática não faz milagre, não emagrece e seus resultados estão diretamente associados ao seu estilo de vida, então não adianta cobrar do profissional a mesma perda de medidas de algum amigo seu.  

E uma última dica importante: pesquise muito bem o profissional antes de marcar sua sessão. Busque referências e indicações e não só o preço mais barato. A drenagem não pode deixar hematomas, então se você passou por uma sessão que te deixou marcas no corpo, não volte mais lá! Ok? 

Assinatura Desinchá

A gente ouve falar em diabetes desde que nos entendemos por gente, seja dentro de casa por ter algum caso na família ou nos noticiários médicos, mas pra mim essa doença sempre foi muito confusa. Achava que isso era causado só em pessoas que consumiam muito açúcar e que já tinham atingido sua cota na vida . Mas este blog me deu a missão de trazer informações a vocês e me obrigou a desfazer as confusões mentais sobre o tema (obrigada, Desinchá). Então agora é hora de ensinar um pouco do que aprendi sobre essa doença que atinge entre 13 e 15 MILHÕES de pessoas somente no Brasil.   

Tudo começa no pâncreas. A gente desmerece essa glândula (exato, não é um órgão!) por não saber quão importante ela é para o organismo. Falando especificamente do nosso tema, ele é responsável por produzir insulina que, por sua vez, metaboliza a glicose (açúcar do sangue) para transformá-la em gordura, músculos, proteínas, etc. Porém, em algumas pessoas a insulina não é produzida ou a existente não absorve a glicose de forma correta. E assim é causada a diabetes.  

Existem alguns tipos: os dois mais comuns são o Tipo 1 e Tipo 2 e em qualquer um deles o sangue fica com excesso de açúcar, o que acarreta uma série de problemas que, em casos extremos, podem causar cegueira, amputação de membros, coma e até a morte. 

O diagnóstico inicial é feito de forma simples, com o aparelho medidor de glicose. Basta uma gota de sangue para saber se a glicemia está no nível normal. Os parâmetros usados – para medição em jejum de 8 horas – são: normal – inferior a 99 mg/dlpré-diabetes – entre 100 e 125 mg/dldiabetes – superior a 126 mg/dl em dois dias diferentes. 

Diabetes: Descubra o quanto antes!

Tipo 1 

Normalmente diagnosticado na infância ou adolescência, o Tipo 1 se caracteriza pela destruição autoimune das células produtoras de insulina (células beta). Ou seja, o próprio organismo produz anticorpos que exterminam as células beta.   

Os sintomas aparecem rapidamente, às vezes até em dias, e os mais característicos são: sede, xixi e fome excessivos, emagrecimento, cansaço e fraqueza. Assim que isso for notado, o tratamento deve iniciar imediatamente pois, caso demore, os sintomas podem evoluir para desidratação severa, sonolência, vômitos, dificuldades respiratórias e coma. Esse quadro mais grave é conhecido como Cetoacidose Diabética e necessita de internação para tratamento. 

  

Tipo 2 

Esse tipo é responsável por cerca de 90% dos casos de diabetes. Nesses pacientes, a insulina é produzida pelas células beta pancreáticas, mas elas não trabalham como deveriam e não absorvem a glicose corretamente. Para compensar esse mau funcionamento, o pâncreas produz ainda mais insulina para tentar manter a glicose em níveis normais. Quando isso não é mais possível, surge o diabetes. 

No tipo 2, os sintomas demoram mais para aparecer, até anos, mas eles chegam: sede, aumento da diurese, dores nas pernas, alterações visuais e outros. Por isso é tão importante fazer exames de rotina: se não tratada a tempo, também pode evoluir para um quadro grave de desidratação e coma. 

  

Diabetes Gestacional 

Na maioria das vezes ela é detectada no 3º trimestre da gravidez, através de um teste de sobrecarga de glicose. As grávidas que tiverem histórico de diabetes gestacional, aborto espontâneo, más formações fetais, hipertensão arterial, obesidade ou histórico familiar de diabetes não devem esperar para fazerem os exames, já que a chance de desenvolver a doença é maior. 

Para tratar qualquer tipo de diabetes é necessário acompanhamento de uma equipe multidisciplinar, que pode variar de acordo com as necessidades de cada paciente, mas o nutricionista e endocrinologista estarão sempre presentes. 

Para que o nível de glicose fique dentro do normal, mais uma vez, ter hábitos saudáveis é fundamental. A prática de atividades físicas e alimentação balanceada precisam ser levadas tão a sério quanto os horários dos remédios, que compreendem aplicação de insulina (principalmente para diabetes Tipo 1) e medicação via oral, normalmente utilizada para casos de Tipo 2 que, dependendo do princípio ativo, tem o papel de diminuir a resistência à insulina ou de estimular o pâncreas a produzir mais desse hormônio. 

O diabetes pode ser uma doença silenciosa e a visita regular ao médico, assim como atenção aos possíveis sintomas, são de extrema importância. Ela requer muito cuidado e seu tratamento deve ser seguido de forma séria e rigorosa, mas se o paciente fizer tudo direitinho, com certeza vai ter uma vida normal e saudável. 

Assinatura Desinchá

A gente sempre trata todos os temas aqui do blog com bom humor e descontração, mas alguns assuntos são mais delicados. Hoje vamos falar sobre um problema que atinge cerca de 6 milhões de mulheres brasileiras em idade reprodutiva: ENDOMETRIOSE. 

Endometriose: Uma doença que afeta mais de 6 milhões de brasileiras

O QUE É? 

Durante o período fértil o endométrio, que é a mucosa que reveste a camada interna do útero, fica mais espesso para receber um óvulo fecundado. Porém, quando isso não acontece, ele se descama e suas células são expelidas pela menstruação. Isso explica as cólicas menstruais que todas as mulheres já sentiram pelo menos algumas vezes na vida. 

A endometriose ocorre quando as células do endométrio não são expelidas durante a menstruação e caem nos ovários ou cavidade abdominal. As mulheres estão sujeitas a esse risco desde a primeira até a última menstruação, mas seu diagnóstico costuma acontecer em torno dos 30 anos. A medicina ainda não foi capaz de explicar a causa exata da doença, mas as hipóteses mais plausíveis são: fator genético, possíveis deficiências no sistema imunológico e refluxo do sangue menstrual através das trompas para outros órgãos. 

 

SINTOMAS 

De acordo com a Associação Brasileira de Endometriose, entre 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva (13 a 45 anos) podem desenvolvê-la e há 30% de chance de que fiquem estéreis. Além das chances de infertilidade e dificuldade para engravidar, dores fortes também fazem parte do conjunto de sintomas. Elas podem vir como cólicas menstruais intensas, dores pré-menstruais, dor durante a relação sexual, dor crônica na região pélvica, fadiga e exaustão, alteração no intestino e/ou urinária durante a menstruação e fluxo menstrual acima do normal. Esses sintomas podem se manifestar de forma isolada ou vários juntos. 

 

DIAGNÓSTICO 

Para que se faça um diagnóstico correto, é necessário passar por exames físico (toque), imagem, como visualização das lesões via ultrassom endovaginal, ressonância magnética e um exame de sangue chamado marcador tumoral CA-125, que se altera nos casos mais avançados da doença. Mas para ter 100% de certeza é comum que os médicos peçam também uma biópsia. 

 

TRATAMENTO 

Uma vez que o diagnóstico é feito, é hora de ir para o tratamento, que pode ser a base de medicamentos, cirúrgico ou os dois juntos combinados. A decisão de qual é o melhor cabe ao médico ginecologista de acordo com cada caso. A endometriose não tem cura e os tratamentos existentes são para aliviar e amenizar os sintomas, especialmente a fertilidade. 

Em caso de cirurgia, normalmente a endometriose é removida através de uma laparoscopia. Durante o procedimento, são retirados seus focos ou complicações, como cistos. Porém, quando o caso é mais grave, pode ser preciso retirar o órgão afetado. 

Mas caso o médico decida pelo tratamento medicamentoso, antes de começar a tomar os remédios, a paciente é aconselhada e encaminhada a um centro de reprodução humana para fazer o congelamento de óvulos, pois a melhor alternativa para a mulher que possui endometriose e deseja ter filhos é a fertilização in vitro. As medicações indicadas são os analgésicos, anti-inflamatórios e análogos de GNRh (que podem causar uma série de efeitos colaterais). Como a doença está diretamente ligada ao hormônio feminino, mulheres jovens podem optar por tomar anticoncepcionais de forma contínua, sem pausa. Isso significa também que a endometriose regride espontaneamente com a menopausa. 

 

PREVENÇÃO 

Como não existem fatores determinantes comprovados para a causa da doença, a melhor prevenção é fazer consultas e exames periódicos e manter hábitos saudáveis. Existem teorias que relacionam o consumo de álcool e cafeína ao desenvolvimento da endometriose, enquanto outras dizem que a prática de atividades físicas diminui as chances de ter a doença. Mas, acima de tudo, conte tudo para o seu médico, até aquilo que você julgar sem importância, pois só ele pode decidir o que é comum ou não. Quanto antes for feito o diagnóstico, mais qualidade de vida você vai ter! 

 

Assinatura Desinchá

Hoje o papo é sério: você provavelmente ouvia, quando criança, que alguma pessoa próxima estava com anemia que isso se dava por falta de ferro. Mas você realmente saberia identificar se estivesse com essa doença, ou se alguém próximo estivesse?  

Vamos direto ao ponto. Anemia é uma doença caracterizada pela deficiência na concentração da hemoglobina ou na produção de hemácias. Os principais sintomas são: cansaço, falta de memória, tonturas e fraqueza. 

Anemia não é só falta de ferro, ok?

Mas anemia é, na verdade, um nome genérico para determinadas condições que são caracterizadas pela deficiência na concentração da hemoglobina (elemento do sangue com a função de transportar oxigênio dos pulmões para nutrir todas as células do organismo) ou na produção de hemácias (também conhecidas por glóbulos vermelhos).  

A anemia é um sinal de alguma doença provocada por alguma alteração sanguínea. Mas esse problema pode ser agudo, crônico, adquirido ou hereditário. Alguns exemplos:  

Aguda:  

Esse estado se dá quando a pessoa perde muito sangue rapidamente, o que pode ocorrer em cirurgias, acidentes, sangramentos gastrintestinais, etc.  

Crônica:  

É aqui que a doença pode ser adquirida ou hereditária. No caso das adquiridas, pode ser por deficiência nutricional, na gestação, por deficiência de ferro (anemia ferropriva, a mais comum), por carência da vitamina B12 ou de ácido fólico. 

 

Importante saber: no caso da anemia aguda, os sintomas mais importantes são provocados pela redução do sangue que circula pelo corpo. O que mais ocorre, com isso, é a queda da pressão arterial.  

Já na anemia crônica, como dito no começo desse texto, causa palidez cutânea e nas mucosas, cansaço, falta de memória, tonturas, fraqueza, dores musculares, sonolência, falta de ar, taquicardia (já que o coração precisa bater mais rápido para levar oxigênio para todo o corpo). E esses sintomas se potencializam ao praticar alguma atividade física.  

Para saber quais são as recomendações para cada tipo de sintoma relacionado com a anemia, consultei o blog do nosso sempre carismático Dr. Drauzio Varella, que diz:  

  • Em caso de palidez, gengivas esbranquiçadas, unhas descoloridas: procure um médico para diagnóstico e tratamento;  
  • Opte por uma alimentação saudável e variada. Isso é indispensável para prevenir a ocorrência de anemias causadas por carência nutricional; 
  • O risco de adquirir essa doença aumenta na gestação e durante o aleitamento materno, nos primeiros anos de vida das crianças e nos idosos. 

 

Ou seja, queridos desinchamigos: anemia não é só deficiência de ferro. Ela é ampla e traz vários tipos de complicações.  

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 30% da população do planeta (cerca de 2,2 bilhões de pessoas) sofrem de algum tipo dessa doença. Seja em países desenvolvidos ou subdesenvolvidos, a anemia é tratada como um problema de saúde pública.  

Então lembre-se sempre, caro leitor: 

  • Anemia não é apenas sinal de má alimentação. Outros fatores, como infecção ou gastrite, podem levar à doença.  
  • Existe uma história de que a anemia, caso não tratada, evolui para leucemia. E isso não é verdade. O que ocorre é apenas o contrário: a leucemia pode causar anemia  
  • Não é toda anemia que tem origem genética, pelo contrário: a maioria delas é adquirida.  
  • Diabetes também pode causar essa doença, pois prejudica os rins. 

Hoje não tem texto pra finalizar, amigos. Apenas se cuidem, por favor. Anemia é coisa séria.  

Assinatura Desinchá

Pró-idade: um manifesto

Tenho uma notícia para você: a menos que a gente morra jovem, todos nós vamos envelhecer. Sim, é óbvio… Porém essa parece uma daquelas verdades inconvenientes que preferimos negar.

Nós observamos de perto a indústria de saúde e bem estar, e não é de hoje que começou uma certa tendência anti-idade. Creminhos, séruns, suplementos, tratamentos, etcetc, etc. A indústria parece ter abraçado esse conceito o mais apertado que conseguiu. Talvez até a gente tenha deslizado nos nossos conteúdos, mas é algo no qual queremos prestar atenção. 

Porque existe por aí um mito de que a juventude é a vida inteira, não apenas uma fase. E para mudar a forma como encaramos o processo de envelhecer, primeiro é preciso mudar a forma como falamos sobre ele.

Óbvio que queremos envelhecer com saúde, cuidando do nosso corpo e da nossa mente do melhor jeito possível, combatendo a oxidação dos nossos tecidos, e levando uma rotina ativa. Mas isso não significa que estamos escondendo a nossa idade ou desafiando a passagem do tempo. Quer dizer que estamos buscando celebrar a vida, independente da fase pela qual estamos passando.

Anti” traz a ideia de que algo deve ser combatido. É só pensar em antidepressivos, anti-vírus, anti-inflamatórios… E nossa idade não é para ser combatida. É para ser aproveitada! 

Idoso andando de skate

Nosso tempo na Terra é limitado e precioso. É uma oportunidade para fazer cada dia valer à pena.

A linguagem que usamos é importante. Ela define nossa visão de mundo e influencia o jeito como pensamos sobre as coisas. 

Então que tal se nós decidíssemos ser PRÓ?   

Pró-experiência.
Pró-saúde.
Pró-qualidade-de-vida-independente-da-idade.
Putz… Pró-idade!  

E se, ao elogiar uma mulher mais velha, não usássemos qualificadores como: “ela é bem bonita… para a idade dela”? E se a gente só falasse: “ela é bem bonita, ponto.”? 

Idosa usando óculos escuros

Aqui acreditamos DEMAIS no poder de microrrevoluções. Por isso batemos tanto na tecla de que tirar 5 minutinhos pra preparar e degustar um Desinchá como um ato de autocuidado. E por isso pequenas atitudes – ex. mudar a forma como falamos sobre envelhecer, ser pró-idade – pode ser um primeiro passo para celebrar uma vida longa e saudável. 

Assinatura Desinchá

Às vezes eu acho que as pessoas que acompanham esse blog devem pensar que alguns temas estão muito parecidos. Bom, é compreensível. Mas o que estou tentando, na verdade, é explorar o máximo possível de alguns assuntos específicos. Por exemplo, as proteínas: elas estão em alguns títulos desse blog, porém, um fala sobre o whey protein; o outro, sobre quais tipos de proteínas existem e como elas agem no corpo.   

Hoje vou seguir mais ou menos por esse caminho e levantar de novo um assunto recorrente por aqui: emagrecimento.  

Mas dessa vez vou tentar ser mais específico e falar sobre emagrecer com saúde.  

Emagrecer não é sinônimo de saúde. Existem regras!

É importante ressaltar o “com saúde”, pois isso significa que mostrarei hábitos ou pequenas adaptações na sua vida para você conseguir emagrecer sem restrições torturantes, sem passar fome e sem tomar remédios ou consumir produtos que sejam prejudiciais. Ou seja: sem sofrimento, emagrecendo levando uma vida saudável.  

E, para isso, vamos começar com uma info que você provavelmente já sabe bem: não existe uma dieta que sirva para todos. Idade, sexo, tipo de corpo, histórico médico, genética e nível de atividade física são muito importantes para a perda de peso. E isso tudo é muito singular.  

E é aí que entra o diferencial desse texto: apesar de cada ser humano ser um universo muito particular e único, existem algumas atitudes comuns que beneficiam todos!  

Nisso, posso citar o post anterior, sobre pirâmide alimentar, para dar a primeira dica de emagrecimento saudável: entenda os seus alimentos

É importante registrar tudo o que você come, inclusive as quantidades exatas de cada alimento. Também veja quantas vezes você come em casa e quantas vezes come fora. Isso é necessário pois as refeições caseiras costumam ser mais saudáveis, já que você controla todo o preparo. Tente sempre encontrar maneiras de facilitar a sua rotina para poder cozinhar com tranquilidade.  

  • Procure um profissional  

Isso aqui é bom falar sempre, pois a galera esquece: um nutricionista sempre irá avaliar suas necessidades nutricionais e dar a dieta mais adequada para o seu corpo.  

  • Controle as porções 

Não é nenhuma novidade você ter que prestar atenção em pratos mais calóricos, tipo frituras e doces, certo? Caso você coma muito fora ou tenha o olho muito grande mesmo na hora de cozinhar em casa, é bom ficar atento com as porções. Por exemplo, um filé não precisa ser maior que a palma da sua mão (sei que é uma medida estranha, mas funciona). Já os carboidratos, como arroz e batatas, podem ser do tamanho daqueles colherões de servir, sabe? Já as verduras e os legumes, pode comer à vontade!  

  • NÃO FIQUE SEM COMER!  

Caro leitor em busca de uma vida saudável, por favor, coma sempre. Fracionar suas refeições em pequenas porções durante o dia faz com que você sinta menos fome durante as refeições principais. Existem os adeptos do jejum intermitente, mas esse é o tipo de coisa que só o seu médico pode te indicar.

  • Faça exercícios sempre 

Escolha a atividade física que mais te agrada para que você consiga praticar regularmente, sem sacrifícios. Nada melhor do que boa alimentação e exercícios regulares para conseguir ter um corpo saudável.  

  • Durma de 7 a 8 horas por dia 

É fundamental uma boa noite de sono para a plena recuperação do seu corpo, com metabolismo equilibrado. A perda de peso depende diretamente da recuperação do corpo durante o sono.  

  • Não elimine todas as gorduras da sua dieta  

Existem gorduras que são necessárias até para emagrecer. As gorduras são as responsáveis por transportar as vitaminas A, D, E e K, e pelo funcionamento das membranas celulares, da defesa imune e da coordenação das funções cerebrais. Ou seja: diminuir drasticamente o consumo de gorduras saudáveis significa desequilibrar funções essenciais ao funcionamento do organismo. Por isso, nada de tirar da alimentação as gorduras, por exemplo, do coco, castanhas, gergelim, azeite de oliva, linhaça, nozes etc. 

  • Diminua o consumo de sal e açúcar 

sal é a principal fonte de sódio, mineral que, quando ingerido em excesso no organismo, aumenta o risco de hipertensão e a retenção de líquido. Já o açúcar consumido em excesso se transforma em acúmulo de gordura, principalmente na famigerada região da barriga. Então não preciso dizer mais nada, né?  

  • Entenda os sinais de que sua dieta não está saudável  

Existem alguns sinais que mostram que a sua tentativa de emagrecimento pode não estar assim tão boa: queda de cabelo, unhas fracas e quebradiças, desânimo, fraquezaindisposição, tontura, flacidez e constipação intestinal

  • Beba pelo menos 2 litros de água por dia 

Consumir bons líquidos ajuda demais a emagrecer de maneira saudável.  

  • Prefira alimentos integrais  

Pão, massa, farinha, arroz… Tudo isso você pode substituir pelo mesmo produto, só que integral. Eles contêm mais nutrientes e fibras, que como já sabemos, fazem muito bem para o seu organismo. 

 

E querido leitor, vamos lá: essas mudanças, por mais que não sejam restritivas, exigem uma certa dedicação. Esse período de adaptação pede esforço e atenção. Então lembre-se sempre de que provavelmente isso não foi fácil pra ninguém e não funcionou em uma semana. Leva tempo, paciência e um certo controle de ansiedade. Indo aos poucos, você chega lá facinho, facinho. 🙂  

Assinatura Desinchá

Quando eu era criança, minha família tinha apartamento na praia e desde os 6 meses de vida minhas viagens favoritas são as que tem mar, areia e sol. Num outro post aqui do blog, sobre Vitamina D, eu já declarei meu amor pelos raios solares (confere lá que tem muito a ver com esse tema aqui). Lembro bem da alegria que era acordar nas férias com o caminhão da Ultragaz tocando aquela musiquinha passando na porta do prédio, do desespero em acordar todo mundo pra ir até a praia (como se ela fosse um avião que pudesse ir embora sem a gente) e da agonia que era ter que passar protetor solar…

Minha mãe sempre me falou da importância de proteger a pele e me tirava do mar pra passar mais uma camada do creminho. Eu odiava porque ficava com o corpo cheio de areia e sal e aquele esfrega-esfrega, “pra não deixar nada branco, senão mancha”, como ela dizia, parecia mais uma esfoliação. Aprendi a espalhar bem o protetor e continuo odiando ter que passá-lo.  

Claro que esses anos de expertise não superaram minha teimosia. E graças a ela, perdi as contas dos dias de sol que deixei de pegar porque estava ardendo ou com insolação. Em compensação, aprendi a lição e me preocupo muito mais com as consequências da exposição solar. 

Pra deixar as informações mais diretas, vou expor as dúvidas que eu tinha e fazer valer a máxima dos professores: sua dúvida pode ser a mesma do seu colega. 

Protetor Solar: para você não lembrar dele só na praia

Como o protetor (ou filtro) solar age? 

Ele protege a pele dos raios UVA e UVB. UV é a sigla para Ultravioletas e as letras A e B são suas classificações. Os UVBs podem causar queimaduras pois, sem a proteção adequada, atingem a epiderme, camada que vem logo abaixo da pele. Mas os mais perigosos são os UVAs. Esses raios vão direto para a derme e hipoderme (camadas mais profundas) e, com o tempo, causam envelhecimento precoce da pele, surgimento de manchas e pode levar ao câncer.  

Para ser eficaz e combater esses riscos, a composição química do protetor solar contém moléculas aromáticas conjugadas com grupos carbonila. Quando atingem a pele, os raios UVs são absorvidos por essa combinação. Após a absorção, as moléculas se agitam e voltam ao seu estado normal em seguida. Todo esse processo faz com que a pele receba uma quantidade menos agressiva da energia solar e reflita o restante.    

 

O que é FPS? 

FPS = Fator de Proteção Solar. Os mais comuns encontrados no mercado vão de 4 a 60 e diferente ao que muita gente pensa, ele não está relacionado à potência de proteção, mas sim ao tempo que a pessoa pode ficar exposta ao sol antes que a pele comece a apresentar vermelhidão ou ardor. Ou seja, se sem proteção você consegue ficar 10 minutos no sol sem arder, utilizando um protetor com FPS 15, você ficará protegido por 150 minutos (tempo x FPS). 

  

Se eu usar protetor não vou me bronzear? 

Sim, o bronzeamento ocorre, porém da forma correta. O uso do protetor faz com que os raios mais agressivos sejam absorvidos de forma saudável. Então sua pele vai ficar bronzeada e não torrada. O bronzeado de quem usa protetor também é mais duradouro, já que o risco de descascar é bem menor. 

 

Qual a diferença entre protetor e bloqueador solar? 

O protetor solar, como já explicado, transforma os raios UV e os deixam inofensivos para a pele. O bloqueador, como o nome já diz, impede qualquer absorção da radiação solar, refletindo-os quando atingem a pele. Sua fórmula normalmente contém óxido de zinco ou dióxido de titânio e quando aplicado deixa a pele opaca e esbranquiçada, impedindo o bronzeamento.  

 

Tem que usar protetor mesmo quando não estamos no verão? 

SIM!!!!!!!!!! No verão, a incidência de radiação UVB é maior, mas os raios UVAs estão presentes durante o ano todo, independente da estação ou clima. E com a destruição da camada de ozônio, eles incidem de forma ainda mais agressiva. 

Bom, acho que ficou bem explicado que protetor solar é um item indispensável, não importa a ocasião. E se você tem alguma alergia a eles ou problemas com o sol, vá ao dermatologista! Só um profissional capacitado vai te ajudar a ficar tranquilo e protegido o ano todo.   

Assinatura Desinchá

 

FONTES 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Filtro_solar#Mecanismo_de_a%C3%A7%C3%A3o  

https://novaescola.org.br/conteudo/1140/como-funciona-o-protetor-solar 

https://super.abril.com.br/comportamento/o-que-sao-os-numeros-fps-no-protetor-solar/ 

https://www.uai.com.br/app/noticia/saude/2015/01/27/noticias-saude,188193/qual-e-a-diferenca-entre-protetor-e-bloqueador-roupa-com-protecao-sol.shtml 

Você já esteve com muitas pessoas que reclamaram estar com gastrite?  

Pelo menos comigo, sempre foi muito comum ver pessoas próximas dizendo que estão com esse problema, pelos mais diversos motivos. E hoje você vai descobrir que boa parte desses motivos não caracteriza gastrite, amiguinho. O que não muda o fato que se tá doendo, tem alguma coisa aí. 

Gastrite tem solução!

Mas então o que seria gastrite?

Explico: a gastrite é uma inflamação da mucosa interna do estômago que provoca dor intensa, azia, queimação, perda de apetite náuseas e até vômito. Ela pode ser aguda (ou seja: surgir de repente) ou crônica, quando ela vem crescendo devagar no estômago e o tratamento demora muito. A erosiva, que lesiona a parede do órgão e perda da mucosa estomacal, provoca até úlceras e sangramento.

Depois desse breve resumo, vamos para as novidades: nervosismo, estresse e ansiedade não causam gastrite. Na pior das hipóteses, eles provocam alguns sintomas semelhantes, mas sem que haja os danos típicos no estômago. Isso recebe o nome de dispepsia funcional.

Mas o que raios pode causar algo que, lendo assim, parece tão grave?

São coisas que, no dia a dia, nunca paramos para pensar que são tão graves assim. Como por exemplo:

  • Usar ácido acetilsalicílico e de anti-inflamatórios por muito tempo;

  • Consumir bebidas alcoólicas com frequência alta;

  • Gastrite autoimune – a doença ocorre quando o sistema imune produz anticorpos que agridem e destroem as células gástricas do próprio organismo;

  • Tabagismo;

  • Infecção pela bactéria Helicobacter pylori.

Os sintomas são simples de identificar, mas podem te dar um susto: sabe a boca do estômago? Então, é lá que dói. Até aí ok, mas daí pode vir o que vai te assustar. Essa dor pode se espalhar por outras partes próximas do corpo, confundindo algumas pessoas com a dor de um infarto. Mas tá tudo bem.

Essa dor ainda pode vir acompanhada por azia e queimação, assim como dizem os comerciais de remédios efervescentes, sabe? E isso piora se você comer coisas pesadas e gordurosas, mas acho que você já sabe disso.

Mas existem sintomas que são piores, como: perda do apetite, náuseas, vômitos, presença de sangue nas fezes e no vômito.

Para evitar que tragédias como essa aconteçam, maravilhoso leitor, é só seguir alguns passinhos fáceis:

  • O horário de refeição é SAGRADO. Ter um momento tranquilo para o café da manhã, almoço e jantar é questão de saúde, e não apenas luxo;

  • Fazer pequenas refeições durante o dia é muito melhor para o seu corpo do que comer muito de uma vez só após um período em jejum;

  • Mastigue BEM os alimentos, a digestão começa antes do estômago;

  • Fique BEM LONGE do cigarro;

  • Coma frutas menos ácidas, verduras e carnes magras;

  • Evite analgésicos e bebidas alcoólicas.

 

Mas é bom saber exatamente o que comer caso esteja com o problema. Então segue a lista:

  • Legumes e verduras cozidos:

Uma alimentação equilibrada e saudável é essencial para controlar a gastrite. Alimentos cozidos facilitam a mastigação e a digestão, reduzindo o trabalho do estômago.

  • Maçã: 

Essa já é conhecida por aliviar os desconfortos gástricos, graças ao seu efeito antiácido. Ela é perfeita para comer no intervalo entre uma refeição e outra, como disse mais acima sobre comer pouco e várias vezes durante o dia.

  • Sardinha: 

SIM, SARDINHA. E a explicação é simples: peixes, principalmente os de água fria, possuem ômega-3, que ajuda a reduzir a inflamação no estômago. Também impede o crescimento da bactéria Helicobacter pylori, já citada nesse texto. Mas importante: opte por peixes selvagens, nunca os de cativeiro.

  • Frutas Vermelhas:

Os flavonoides, compostos antioxidantes presentes em Morango, amora, mirtilo e framboesa, por exemplo, possuem flavonoides, compostos antioxidantes conhecidos pelo poder anti-inflamatório e cicatrizante.

Moradores de cidade grande como eu adotaram (muitas vezes sem opção) um estilo de vida e costumes muito nocivos para a nossa mente e corpo. O importante de falarmos de uma maneira simples sobre problemas como a gastrite nos ajuda a ficar em alerta com relação ao que estamos fazendo de errado no nosso dia a dia.

E você não precisa cortar TODAS as bebidas e ficar só na água, não. O Desinchá também pode e é ótimo! 😉

Assinatura Desinchá

Não sei você, mas eu adoro ficar no sol. Seja na praia ou na piscina o dia todo pra pegar uma cor ou fazendo a “fotossíntese” na varanda do escritório sempre que é possível, mesmo que só por 5 minutinhos. Para muitos (inclusive pra mim) o astro rei é sinônimo de vida e renovação das energias, mas muita gente detesta ficar derretendo debaixo dele. Independente de gostar ou não, tomar sol é necessário para a saúde, pois ajuda na produção de Vitamina D.

Vitamina D – A vitamina do sol

Mas antes de aprofundar o tema, é preciso entender o que é vitamina D e para o que serve. Ela é um micronutriente essencial, solúvel em gordura, que fica armazenada em grande quantidade, principalmente no fígado. Essa vitamina tem duas variações:

– Vitamina D2: de origem vegetal, obtida através da ingestão de alimentos e também conhecida como ergocalciferol

– Vitamina D3: chamada de colecalficerol, é obtida pela exposição ao sol, após ser sintetizada pela pele. Também pode ser encontrada em praticamente todos os suplementos vitamínicos.

A vitamina D atua de tantas formas e é tão importante para o nosso corpo, que ainda não existem pesquisas sobre os níveis ideais para cada órgão e sistema. Normalmente ela é muito associada aos ossos, rins e intestino, pois sua ação mais clássica é a de regular o fornecimento de cálcio e fósforo para o organismo. Porém já foram observadas que níveis baixos dessa vitamina potencializam o surgimento de doenças crônicas como problemas cardiovasculares, tumores e enfermidades imunológicas e infecciosas.

Então já deu pra entender porque as capsulas e suplementos de vitamina D são sucesso de vendas, né! E isso também pode se tornar um problema sério. A superdosagem também pode causar danos graves à saúde, podendo, inclusive, levar a óbito. 😮

A falta de estudos dedicados e comprovados sobre os níveis corretos da vitamina faz com que muitos profissionais da área de saúde prescrevam doses altas a seus pacientes, então ele “conserta uma coisa e quebra outra”. Outro perigo é a facilidade e oferta do suplemento junto com a automedicação. Portanto, não saia comprando tudo o que alguém te recomendou (pode ser mãe, pai ou personal trainer!). No final você pode criar uma doença que não existia antes. Medicação ou suplementos, sejam quais forem, só com recomendação e/ou receita após realização dos exames necessários.

Mulher pegando sol

Ao invés de gastar uma fortuna comprando sabe-se lá o que (sim, muitos fabricantes colocam qualquer informação no rótulo só para ganhar seu suado dinheirinho), tome sol! Essa é a forma mais eficaz e segura de conseguir vitamina D. Isso porque os raios UV absorvidos pela pele causam uma reação que estimula a produção natural de vitamina D. E não precisa ficar muito tempo, alguns minutos por dia já é suficiente.

Em regiões do hemisfério norte onde os dias são mais curtos sempre ou em determinadas estações, ou que são muito frios (obrigando as pessoas a ficarem muito cobertas e dentro de lugares fechados), é normal que a população sofra com a deficiência de vitamina D, pois a exposição solar oferece cerca de 90% da quantidade de vitamina que precisamos. Porém, mesmo no Brasil, que é um País tropical e abençoado por Deus, estima-se que mais da metade das pessoas tenham níveis abaixo dos recomendados. Como a rotina da maioria faz com que fiquemos em escritórios e salas fechadas a maior parte do dia, isso afeta diretamente a produção do nutriente.

O restante é obtido através da comida, mas a não ser que você só coloque na boca alimentos com níveis mais altos de D2, não vai conseguir equilibrar as necessidades do organismo.

Antigamente, (no século XIX), era comum as mães darem óleo de fígado de bacalhau aos filhos. Ele era vendido como tônico e prometia curar uma imensa variedade de doenças. Num anuncio de 1890 do jornal O Estado de São Paulo, um fabricante descreve os benefícios do seu produto da seguinte forma: “Nenhum medicamento até hoje descoberto cura as moléstias de peito e vias respiratórias ou restabelece os débeis, os anêmicos e os escrofulosos (tuberculosos) com tanta rapidez”. E essa maravilha realmente mostrava bons resultados, mas até então, não se sabia o motivo. Anos mais tarde, por volta de 1920, estudos foram feitos e descobriram que os benefícios não vinham do bacalhau em si, mas do órgão em questão.

Então você pode escolher entre ficar um tempinho no sol ou tomar óleo de fígado de bacalhau. Não é uma escolha muito difícil, né!

Mas fique atento: sol em excesso também é prejudicial. Com tantos buracos na camada de ozônio, não existe mais a filtragem necessária e os raios solares chegam direto até nós. Use protetor solar diariamente, mesmo que seja pra ir daqui até ali.

Fontes:

https://saude.abril.com.br/blog/alimente-se-com-ciencia/nem-muito-nem-pouco-o-papel-da-vitamina-d/

https://vivabem.uol.com.br/noticias/redacao/2019/01/30/preciso-mesmo-suplementar-vitamina-d-entenda-tudo-sobre-ela.htm

https://saude.abril.com.br/bem-estar/conheca-os-poderes-da-vitamina-d-para-a-sua-saude/

https://drauziovarella.uol.com.br/drauzio/vitamina-d/

 

Assinatura Desinchá

Olá, querido leitor.  Hoje venho até esse espaço para falar de um assunto INSUPORTÁVEL: enxaqueca.

E é papo sério mesmo. Você sofre com crises de enxaqueca? Se não sofre, sorte a sua. Cerca de 11% da população mundial passa por esse maldito distúrbio neurovascular crônico. Eu, que tenho a enxaqueca como uma grande parceira, posso escrever uma coisa ou outra sobre esse problema.

É MUITO difícil conviver com a enxaqueca. Muito. É um período que pode durar até 72 horas de sofrimento constante. Luz dói, som dói, se mover dói. Não conseguir ficar de olho aberto, ter uma sensação de náusea constante e sentir uma dor (no meu caso, atrás dos olhos) insuportável são algumas das sensações que passo constantemente.

Enxaqueca tem solução?

Os principais sintomas da enxaqueca, caso você não seja familiarizado com esse monstro que habita dentro da cabeça de muitas pessoas, são:

  • Dor latejante e pulsátil de intensidade moderada ou forte;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Hipersensibilidade à luz (fotofobia), aos sons (fonofobia) e a certos odores (osmofobia), que podem durar de 4 a 72 horas e piora com o movimento;
  • Irritabilidade;
  • Depressão;
  • Agitação.

Talvez o maior problema seja o fato de que a enxaqueca é muito ampla. Parece até que ninguém sabe ao certo o que é a enxaqueca. Uma centena de coisas podem fazê-la surgir e ela pode atingir pessoas de qualquer idade, apesar de ser mais comum em adolescentes e jovens adultos, e mulheres são mais afetadas do que os homens.

E mais: a Organização Mundial de Saúde considera a enxaqueca como a quarta doença crônica mais incapacitante, atrás apenas da quadriplegia, psicose e demência. Pois é, fiquei chocado quando descobri.

Mas e aí, como descobrir o que fazer para tratar a enxaqueca? Bom, você provavelmente não vai saber nem se for ao médico. Sério. O melhor que um profissional pode fazer é tratar tanto com abordagens farmacológicas quanto não farmacológicas. Ou seja: prevenção e medicamentos.

O diagnóstico é feito pelo médico baseado no seu histórico familiar e nas queixas do paciente. Se ele apresentar 3 ou 4 sintomas como os descritos mais em cima nesse post, já é constatada a enxaqueca.

Você pode ter enxaqueca por comer chocolate (sim, é triste demais); ficar muito tempo sem comer; se estressar; ingerir muito açúcar; consumir fermentados; álcool; ficar muito exposto ao calor e mais uma infinidade de coisas. Então a melhor maneira é mudar o estilo de vida evitando tudo que engatilha a dor. A conclusão que se chega é que o cérebro da pessoa com enxaqueca não suporta muito bem os altos e baixos dessa vida (e tá tudo bem).

Já o tratamento com medicação serve tanto para aliviar os sintomas quanto para evitar que eles se repitam. É recomendado para quem tem pelo menos 2 crises por mês. MAS LEMBRE-SE: sempre procure um médico, pois esses remédios podem ter efeitos colaterais indesejáveis.

A dica boa que salva muita gente de uma crise insuportável é: tome o medicamento indicado pelo seu médico assim que você sentir a enxaqueca chegando, a chamada “aura”. Se você esperar suas dores ficarem mais fortes, o tempo será muito maior até se recuperar.

É importante que as doses sejam adequadas para proporcionar alívio. O Doutor Drauzio Varella diz em seu site que essas doses devem ser:

  • 900mg de Aspirina
  • 500 a 1000mg de Naproxeno
  • 1000mg de Acetaminofeno
  • 400 a 800mg de Ibuprofeno

Por experiência própria e de outros familiares, a enxaqueca faz com que a pessoa praticamente perca 1 dia de vida se debatendo na cama com a mão apertando a testa. Então, por favor, caso você sofra com enxaqueca, tenha sempre o remédio com você.

Masssssss como desgraça pouca é bobagem, remédios em excesso também podem te trazer alguns probleminhas. Repetir demais o uso desses remédios, abusar dos analgésicos e aumentar as doses para alívio da dor podem acabar agravando os sintomas com o tempo.

Agora, meu amigo, você pode ter desenvolvido uma enxaqueca só de ler esse texto. Afinal, estou escrevendo tudo isso apenas para dizer que não existe uma solução definitiva (**rindo de nervoso**). Bom, é isso mesmo. Não existe uma solução definitiva. Mas é importante sabermos tudo sobre esse problema, pois ele pode causar até depressão. Não encontrar meios de aliviar uma dor tão insuportável pode ser aterrorizante.

Então vamos trabalhar com redução de danos. Mudanças no estilo de vida, comprovadamente, ajudam a diminuir muito as dores. Por exemplo:

  • Alimentação equilibrada:
    Não pule refeições. Ficar muito tempo sem comer é uma das coisas que mais faz disparar uma crise.
  • Sono regular:
    Tenha horários fixos para dormir e para acordar. Seja rígido quanto a isso.
  • Prática de exercícios físicos:
    Faça isso regularmente. Exercícios são muito eficientes contra a enxaqueca.
  • Redução do consumo diário de cafeína:
    E não só a cafeína. Evite alimentos e bebidas que possam te fazer mal. No meu caso, a cerveja (e qualquer outra bebida fermentada).
  • Controle dos níveis de estresse:
    Tenha sempre um tempinho reservado para o lazer. Precisamos relaxar, sempre!

 

Já que não existe uma fórmula mágica para curar essa dor, vale um pouco de tudo (com responsabilidade, por favor). Então, veja só: até sexo pode ser ótimo para combater a enxaqueca, de acordo com pesquisadores da Universidade de Münster, na Alemanha.

Segundo essa pesquisa, durante o sexo nós liberamos muito mais endorfina do que o normal. E a ação da endorfina no sistema nervoso consegue reduzir ou eliminar a enxaqueca, pois uma das funções dessa substância é exatamente combater qualquer tipo de dor.

De vez em quando eu tenho a impressão de que a enxaqueca precisa ser mais discutida. Vejo muitas pessoas no trabalho, na faculdade (quando eu fazia) ou em qualquer lugar sofrendo com essa dor em algum momento. Pesquisando na internet você até encontra conteúdos bons sobre o tema, mas vejo pouco debate e nenhum tipo de campanha de conscientização. Nem sei se era caso pra isso, mas vejo muitos colegas perderem um dia inteiro, várias vezes, por não conseguirem se mover ou até mesmo abrir os olhos de tanto que a cabeça dói.

Em resumo: procure diversos meios para evitar e combater a enxaqueca. E qualquer que seja o seu método, faça isso bebendo muita água, por favor. E, claro, tentando sempre levar uma vida saudável.

E por hoje é só. Abraços!

Assinatura Desinchá

O universo feminino é super complexo. Nós mulheres somos cíclicas e, por causa do nosso ciclo menstrual, nosso corpo tem fases, que são complementares umas das outras. Isso pode fazer com que nós nos sentimos de maneiras diferentes durante o mês, permitindo que fiquemos em certos períodos mais quietinhas ou extrovertidas. Por isso, hoje vamos falar sobre como o ciclo menstrual influencia na nossa vida.

Já ouviu alguém chamando nosso ciclo menstrual de Lua? Por que essa comparação? Assim como nosso ciclo menstrual, a Lua tem 4 fases e leva 28 dias para dar uma volta ao redor da Terra. Fofo né? Existe uma crença de que há muito tempo atrás as mulheres se reuniam durante a menstruação delas nas tendas lunares (elas não usavam anticoncepcional, e a menstruação muitas vezes se regulava entre elas e de acordo com a lua). Esse era um momento sagrado, onde elas se retiravam “da sociedade”, e as mais velhas passavam conhecimentos para as mais novas.

E ainda nessa conexão com a lua, nosso ciclo pode ser dividido em 4 fases principais:

 

Para entender o ciclo menstrual e como ele nos afeta

 

Começando pela fase da menstruação, quando as emoções estão se preparando para um novo ciclo, e o corpo pede um pouquinho de recolhimento. Bate aquela vontade de ficar na sua e refletir sobre o ciclo que passou (ou vendo aquele filminho no sofá de casa). Essa fase é chamada de Lua Nova porque é um momento de planejamento e de renovação, assim como a Lua Nova. Trata-se de um momento de conexão com a nova fase que vai começar, e é um momento ótimo para fazer um balanço do último ciclo. Outras pessoas apelidam esse momento de inverno, já que no frio a gente fica mais na nossa, né?

Como se adaptar a essa fase?

Comer: Alimentos ricos em água e com baixo índice glicêmico. É importante remineralizar o corpo e investir em alimentos ricos em ferro e zinco. Uma boa dica é cozinhar usando sal marinho. Valorize grãos como feijão e lentilhas. Couve, cogumelos e sushis envolvidos em alga nori também são boas pedidas. Além disso, frutas como melão, morango e amora.

Exercícios: O corpo está passando por um processo de finalização, por isso as  melhores atividades são as mais tranquilas – como caminhada e alongamento.

Atividades profissionais favorecidas: Intuição e capacidade reflexiva em alta. Esse é um bom momento para avaliar o último ciclo e corrigir o curso. Como tem sido seu relacionamento com os colegas de trabalho? Você está trabalhando nos projetos certos? Quais são as grandes mudanças que mais vão impactar seu trabalho e carreira?

 

Depois da menstruação, nós mulheres entramos na fase folicular (ou Lua Crescente) em que após esse momento de recolhimento, a Lua bota em prática toda essa energia crescente.  Nessa fase, ficamos mais abertas para mudanças e para novidades. Dá aquela vontade de ousar no look ou cortar o cabelo de um jeitinho diferente, sabe? Ficamos com maior poder de realização, e isso favorece planejar e iniciar novos projetos. Mas por que chama primavera? Assim como nessa estação, estamos florescendo para as novidades e mudanças que podem acontecer.

Como se adaptar a essa fase?

Comer: Alimentos leves e frescos que não vão pesar na sua disposição. Conservas e fermentados, vegetais grelhados, saladas, sementes, frutas cítricas, molhos à base de vinagre, abacate.

Exercícios: Atividades dinâmicas e de alto impacto: zumba, por exemplo.

Atividades profissionais favorecidas: Habilidades criativas em alta. Esse é um bom momento para planejar novas empreitadas, fazer brainstorming e iniciar projetos.

 

 

A terceira fase do ciclo menstrual é a da ovulação (período fértil). Essa é a data que nossa pele fica boa, o cabelo esvoaçante e simpatia vai laaá em cima! Estamos no auge da beleza e da agilidade também, afinal, estamos prontinhas para gerar uma nova vida. Ficamos igual à Lua Cheia: poderosas e maravilhosas. 🙂 No meio disso tudo, nosso lado criativo fica mais livre, a libido está mais alta, é um momento de prazer. Por isso mesmo essa fase também é chamada de verão (literalmente a temperatura do corpo sobe). É um momento ótimo para atividades sociais, reuniões no trabalho, networking e atividades afins.

Como se adaptar a essa fase?

Comer: Alimentos leves e ricos em fibras. Como você está naturalmente mais enérgica, maneire nos carboidratos. Dê preferência a vegetais crus ou levemente cozidos, grãos como quinoa, amaranto e milho. Semenste de girassol, coco, frutas vermelhas, espinafre, salsão, limão, gengibre.

Exercícios: Você pode combinar musculação com atividades aeróbicas.

Atividades profissionais favorecidas: Habilidades de comunicação em alta. Esse é um bom momento para fazer networking, reuniões, negociar e discutir questões importantes.

 

 

A fase lútea também é chamada de Lua Minguante ou de Outono. É uma fase de ficar mais quietinha, é um momento de queda de energia e de disposição, e é preciso respeitar nossas vontades (por isso o nome de Outono, as flores caem que nem nossas energias). Essa é a hora em que a tão conhecida TPM chega, rola aquela variação de humor, um chorinho fácil e uma vontade de atacar um chocolate. De uma coisa eu sei: quanto mais resistência aos sintomas, mais dolorosa a TPM fica. É preciso respeitar a queda hormonal e se dar de presente um momento de autocuidado, fazendo coisas que são agradáveis e dão mais prazer, como, por exemplo, passar um creme bem cheiroso no corpo, fazer um carinho no pet ou tomar uma xícara de Desinchá acompanhada de uma dessas receitinhas aqui.

Como se adaptar a essa fase?

Comer: Alimentos ricos em vitaminas do complexo B, cálcio e magnésio, além de fibras, vão ajudar a combater o desejo por açúcar. Carboidratos complexos previnem oscilações bruscas de humor. Valorize vegetais assados – couve-flor, cebola, alho, cenoura, batata doce. Frutas como maçãs, pêssego e pêra. Menta, espirulina e hortelã vão bem em chás e shakes.

Exercícios: Exercícios com menor impacto – como yoga e pilates.

Atividades profissionais favorecidas: Habilidades de execução em alta. Esse é um bom momento para riscar todas aquelas tarefas da sua to-do list, focar nos detalhes e finalizar projetos. É a fase mais longa de um ciclo menstrual.

 

Todas essas fases afetam o dia-a-dia das mulheres, mudando nossas energias criativas e nosso humor. Em alguns períodos nos sentimos mais criativas, com pensamentos mais abstratos e em outros nós sentimos mais objetivas, parecendo outra pessoa. Por isso, é importante estar em contato com nosso ciclo menstrual para ter mais autoconhecimento, amor próprio e autoconfiança.

Um jeitinho legal de acompanhar seu próprio ciclo é utilizando aplicativos criados especialmente para nos ajudar a ter mais conhecimento do nosso ciclo, como o “Sai Cólica” e o “Clue”.

Fica a dica =)

Assinatura Desinchá

Você já parou para pensar no que acontece se você ficar sem dormir durante vários dias?

O brasileiro passa em média 23 anos, 9 meses e 7 dias de sua vida dormindo. Isso considerando 8 horas de sono por noite, quantidade ideal para os adultos.

O que acontece se você ficar sem dormir

Eu poderia passar horas (e váááários parágrafos) falando sobre a importância disso tudo, com muito “cientifiquês”, mas isso não faz meu estilo. Você SABE como é tentar agir como um ser humano funcional quando está privado de sono… parece que seu corpo e a sua mente tiraram umas férias, e você só está ali ocupando espaço (mas bem longe de estar verdadeiramente presente).

Será que você se reconhece em alguma dessas situações?

# 1 – Você quase vira a Dory de tão ruim que fica sua memória

Dory: Eu não consigo me lembrar

#2 – De repente é como se o interior da sua cabeça estivesse em obras…

Bebê cansado

 

#3 – Você sente vontade de comer massas, pães e doces porque o corpo pede energia URGENTE

Patrick comendo

 

#4 – A sua imunidade pode cair, e a chance de pegar aquela gripe pode aumentar…

Phoebe tossindo

 

Todo esse cenário parece assustador? EU SEI. Mas não vim aqui só falar de problemas, ok?

Qualidade do sono - O que acontece se você ficar sem dormir

Afinal, como é possível melhorar a qualidade do seu sono?

 

#1 – Transformando seu quarto em um ambiente indutor do sono.

Você pode deixá-lo mais confortável, escuro e silencioso para ser um ambiente mais agradável e propício ao sono

 

#2 – Reduzindo o consumo de álcool, cafeína, nicotina e outros químicos que interferem com o sono

A saúde melhora bastante. Beber menos vai diminuir seu peso, melhorar o funcionamento do seu aparelho digestório e te deixar com a pele mais bonita;

 

#3 – Criando uma rotina bonitinha, com hora para deitar e acordar

Além de diminuir as chances de você ficar sem dormir, você também fica mais produtivo e melhor bem-humorado 🙂

 

#4 – Dando preferência a alimentos leves logo antes de deitar

O que melhora seu sistema imunológico e equilibra o peso

 

#5 – Treinando pela manhã ou até três horas antes da hora de ir dormir. Assim, o efeito de energia após o exercício não vai te atrapalhar.

Para mim, dormir bem é essencial. Toda noite eu faço minha rotina, vou lá na minha caminha e me preparo para uma maratona de sono super completa.

 

Mas agora adicionei outro ritual maravilhoso nessa minha rotina:

Sempre, antes de deitar, faço um Desinchá Noite. Aquele chazinho antes de capotar é bom demais, né?

Desinchá Noite

Já estamos fazendo a pré-venda. Corre lá!

 

Espero que goste das dicas e da novidade, e que você nunca mais tenha que sofrer as consequências de ficar sem dormir!

Beijos!

Escrito por: Mariana Messina
#EquipeDesinchá 💚

Veja as nossas 26 dicas para te ajudar a ter uma vida saudável.

O Guia de A a Z para levar uma vida saudável

A: Autocuidado

Para todos meus migues e mores que vivem tentando agradar o resto do mundo, se desgastando horrores no processo. Porque autocuidado não é só uma palavra “da moda”. Tirar um tempo para cuidar da gente é algo poderoso.

B: Bom Humor deixa tudo mais leve

Somos suspeitos para falar, já que isso está no coração da comunicação da Desinchá, e isso é porque acreditamos mesmo que rir é o melhor remédio.

C: Corte tudo aquilo que não te serve mais

Quem nunca guardou objetos que não usava mais? Quem nunca nutriu relacionamentos que não acrescentavam mais nada à própria vida? Talvez você seja uma pessoa mais evoluída do que eu, mas vejo o tempo inteiro pessoas se apegando a coisas, pessoas e situações para as quais já deveriam ter dito CHEGA há muuuito tempo.

D: Desinchá pra começar o dia com seu primeiro hábito saudável

Se a minha bola de cristal estiver certa, você já estava esperando por isso, não? As primeiras horas depois de acordar dão o tom do nosso dia, e começar curtindo um momento você + Desinchá = sucesso.

E: Porque seus níveis de Energia funcionam como sua conta no banco, bebê

Ninguém pode gastar um dinheiro que não tem, e o mesmo funciona com a sua energia. Inclusive você rende muuuuuito (tipo anos luz!) mais quando está descansado e disposto (ao invés de sonolento e mezzo morto).

F: Flexibilidade (e isso não é para fazer umas posições estranhas à la Kama Sutra)

Flexibilidade para se adaptar ao que a vida atirar na nossa direção. Jogo de cintura. Se formos rígidos demais, a gente quebra facinho, facinho. Acredite quando digo isso: fui uma adolescente bem nerd e, naquela época, pesquisei sobre o processo de forja de espadas. SIM! O segredo para uma espada não quebrar era misturar um metal mais duro com outro mais flexível. (Viu, Melina do passado?? Esse conhecimento foi útil de alguma forma!)

G: Gratidão

As pessoas que têm o hábito de agradecer focam no positivo e tendem a se sentirem mais felizes no dia a dia. E quem não quer isso, né?

H: Um salve pra Nossa Senhora dos Hormônios!

Eles influenciam TU-DO no nosso corpo e, para nós, mulheres, isso fica ainda mais evidente em alguns períodos do mês. Os hormônios influenciam nosso humor, facilitam o ganho ou perda de peso, regulam nosso metabolismo e basicamente tudo o que acontece conosquinho.

I: Intuição

O negócio é o seguinte, mah babe… Quando você sabe que alguma coisa não está certa, mas depois pensa “não, devo estar exagerando” — é assustador quantas vezes duvidar de nós mesmxs se mostra um erro! Nosso inconsciente é mais esperto do que damos crédito, e nosso corpo guarda memória das nossas respostas emocionais. Então talvez, taaaalvez você esteja certa desde o começo.

J: Juntxs vamos mais longe, queridxs

Às vezes odiamos admitir que precisamos de outras pessoas, mas a colaboração é um dos grandes segredos que possibilitou o sucesso da nossa espécie. Isso era verdade quando andávamos peladxs e caçávamos em bando. Isso é verdade agora, pra mim e pra você também.

K: É para dizer que um Kebab (com batata frita dentro) de vez em quando cai bem

Isso quer dizer que, mesmo buscando um estilo de vida saudável, podemos nos permitir algumas indulgências. Uma jacadinha não vai estragar a boa alimentação que você segue 80-90% do tempo. Qualquer coisa que você fizer precisa ser sustentável, e os kebabs com fritas fazem parte.

L: Limites, meu bem, limites…

Quase sempre que escuto alguém reclamar que não tem tempo e/ou está sobrecarregadx, isso demonstra uma falta de habilidade de estabelecer limites. Onde começa o seu espaço e termina o meu. Limites são importantes porque se deixarmos outras pessoas definirem o que fazemos com o nosso tempo, quais são as nossas prioridades e até onde devemos ir, vamos entregar nossa vida nas mãos delas.

M: Movimentar-se é preciso!

Alerta lição de biologia: nossos cérebros se desenvolveram enquanto nós (da espécie humana) povoávamos os diversos continentes da Terra. Isso quer dizer que nossos antepassados caminhavam MUITO, todos os dias, e essa atividade oxigenava o sangue e o cérebro. Inclusive uma vida ativa é, possivelmente, o principal previsor de uma velhice saudável (tanto quando o assunto é doenças físicas quanto doenças mentais).

N: Nutrir o corpo e a mente

Comida é informação química que diz às nossas células como elas devem agir. Os alimentos certos vão nos nutrir de verdade, e não apenas injetar hormônios de prazer que rapidamente se dissipam na corrente sanguínea. Uma boa alimentação tem o poder de deixar a gente se sentindo dispostx e com a energia lá em cima durante todo o dia.

O: Off-line

É impressionante quantas pessoas andam por aí distraídas, presas à tela do celular, sem conseguir se desconectar e focar no mundo ao redor delas. Não é à toa que práticas de mindfulness e meditação estão tão na moda. A gente ganha MUITO quando se permite ficar off-line e voltar para o presente.

P: É para lembrar de fazer Progresso naquilo que mais importa pra gente

Porque vezes demais as pessoas chegam ao topo apenas para perceber que a ladeira que elas escalaram estava encostada na parede errada.

Q: Quando parece que o mundo vai desabar e você não tem tempo pra nada…

… é quando mais você precisa parar, respirar fundo, e agir com a cabeça no lugar.

R: Resiliência

Vale lembrar que somos mais fortes do que imaginamos e, se a gente cair, podemos nos levantar.

S: Sabedoria

Levar uma vida saudável vai muito além de cultivar o corpo. Isso também tem a ver com aprender com nossas experiências de vida. Conhecimento que não é aplicado morre de inanição, e ação sem reflexão nos leva a cometer sempre os mesmos erros.

T: Todos os sentimentos são válidos e podem te ensinar alguma coisa

A gente é quem julga os sentimentos como bons ou ruins (e podemos até perseguir a alegria a qualquer custo, evitando o resto da paleta emocional), mas todos eles têm algo para nos ensinar. Se sentimos inveja, por exemplo, vale se questionar: o que o alvo da minha inveja tem que eu não tenho? Como posso incluir mais disso na minha vida?

U: Um passo de cada vez, e você pode ir longe

Aqui na Desinchá somos fãs das microrrevoluções. Pequenos atos podem fazer uma diferença enorme. Claro que nem todo primeiro passo vai terminar com uma longa jornada, mas isso é possível se a gente não parar de caminhar.

V: Você, você, você (quer?)

Já falamos um pouco sobre isso no Autocuidado, mas vamos reforçar aqui porque é fácil se deixar levar pela ansiedade de atender ao que a Carol quer, e o Marquinhos, e o chihuahua da sua prima que você está alimentando e levando pra passear enquanto ela não volta de viagem…

Isso não quer dizer que vamos dar as costas aos outros e que as necessidades deles não importam, mas tem UMA PESSOA que costumamos negligenciar com frequência, e que não merece isso de jeito nenhum. Na verdade, você deveria mimá-la com alguma dessas sobremesas saudáveis e viagens para lugares incríveis (mesmo que isso aconteça através de um bom livro). Essa pessoa é VOCÊ. Você, você, você, você. O que significa cuidar de você agora? Do que você precisa? O que te faria feliz?

W: Woo hoo!

Lembre de se divertir. Lembre de aproveitar. Lembre que, se você estiver construindo QUALQUER hábito novo, não basta performar a atividade… Cada comportamento tem um gatilho e uma RECOMPENSA. Gente demais esquece disso.

X: Em sinal de protesto: menos Xanax e mais mindfulness

Para levar uma vida saudável de verdade, é preciso treinar nossa mente tanto quanto nosso corpo.

Y: Yin-yang

Eu sei, eu sei… Também gostaria de me dar um super HI(GH)-FIVE por ter pensado nessa palavra, que na verdade é um jeito de falar em equilíbrio.

Z: ZZZ

E para finalizar, eis aqui minha dica preferida para uma vida saudável, que nada mais é do que a qualidade do seu sono. Pode bancar a princesa e transformar seu quarto no santuário ideal – onde nem uma ervilha debaixo do colchão vai perturbar esse ZZZ, coração.

Assinatura Desinchá

Talvez seja uma pergunta estranha, mas qual é a sua familiaridade com as pedras de quartzo?

Existem muitos registros que dizem que essas pedras são usadas pelas mais diversas sociedades desde a antiguidade.

Cada tipo de quartzo era usado para uma finalidade, principalmente na Europa e Oriente Médio.

Bem, nos dias de hoje ouvimos dizer muitas coisas sobre eles: que transformam, energizam, equilibram e até mesmo elevam a chamada “frequência energética” dos seres e elementos.

Quartzo faz bem pra saúde. Mas como usar essa pedra?

Ou seja: estamos falando de uma terapia alternativa. A água, junto com o cristal, atuando no corpo, na mente e até no espírito. Assim como as águas saborizadas (que são feitas através da infusão do líquido com frutas, ervas e plantas), o quartzo transmite a vibração dos seus minerais para a água, e cada tipo cristal traz um benefício diferente para o corpo.

Mas veja bem, querido leitor: muitas dessas pedras contém toxinas que são nocivas para nós, mortais (algumas até dissolvem quando entram em contato com a água).

Então, fique atento para quais pedras são as indicadas:

  • Ametista
  • Quartzo Rosa
  • Quartzo Incolor

A crença é de que esses cristais trazem benefícios como calmante, alívio em dores de cabeça e tensões, melhora o sistema circulatório, mantém a saúde do organismo e até mesmo filtram energias negativas.

Inclusive, por fazerem esse filtro, é recomendado que você limpe esses cristais enterrando-os em um vaso com terra.

 

Assinatura Desinchá

Talvez você já tenha ouvido falar que o intestino funciona como um “segundo cérebro”… Isso porque nós temos no nosso sistema digestivo aproximadamente 500 milhões de neurônios (5x mais do que a espinha dorsal!), o que rendeu a esse sistema independente o nome de “Sistema nervoso entérico” (SNE).

O seu Sistema Nervoso Central usa o nervo vago para se comunicar com diversas partes do corpo (como os seus pulmões, olhos, cordas vocais…), mas os cientistas observaram que 80-90% dos sinais de comunicação vinham DO intestino PARA o cérebro.

O SNE não consegue ter pensamentos conscientes, mas ele desempenha um papel essencial no processamento das emoções. Do ponto de vista da evolução, antes de termos criado as tabelas nutricionais, uma das escolhas mais importantes da nossa vida girava em torno da alimentação: “isso vai me fazer mal? vai me energizar?”

E o intestino tinha que ser capaz de aprender sozinho, guardar memórias e se autorregular.

Muito além do caminho dos alimentos

Tudo isso fica ainda mais interessante quando a gente pensa que as bactérias no nosso intestino produzem mais ou menos 50% da dopamina do nosso corpo e 90% da serotonina – dois neurotransmissores super importantes para nos trazer a sensação de bem estar. O papel dos neurônios no nosso sistema digestivo, então, envia esses sinais para o “cérebro de cima”.

Isso mostra que o SNE faz MUITO MAIS do que simplesmente extrair a energia dos alimentos e evacuar os restos.

Descobertas recentes sugerem, inclusive, que as bactérias do estômago e do intestino podem influenciar até a estrutura física do cérebro.

Um estudo da Universidade da Califórnia tem usado ressonância magnética para estudar os cérebros de milhares de voluntários e depois comparar as estruturas cerebrais com as bactérias vivendo nos intestinos dessas pessoas.

Os resultados ainda são preliminares, mas eles indicam uma relação entre as conexões neurais entre diferentes regiões do cérebro e as principais espécies da nossa microbiota intestinal.

Pesquisas com ratos estão mais avançadas, e já identificaram mudanças químicas e comportamentais. Por exemplo: uma delas trocou as bactérias de ratos ansiosos e ratos mais deboístas.

O que aconteceu foi que os ratos ansiosos, com sua nova flora intestinal, ficaram mais relaxados e sociáveis… Enquanto os ratos deboístas ficaram mais afobados.

Ratinho ansioso

Bactérias podem influenciar seus níveis de disposição

Outro estudo dividiu ratinhos de laboratório em dois grupos: um deles foi alimentado com um iogurte enriquecido com bactérias da espécie Lactobacillus rhamnosus, enquanto o segundo grupo recebeu uma alimentação padrão.

Os ratinhos que comeram a bactéria tiveram bem mais disposição para atravessar labirintos e nadar (chegando a passar até dobro de tempo nessa atividade).

Um exame de sangue mostrou ainda que esses ratinhos dispostos tinham menos hormônios do stress e mais neurotransmissores que ajudam a regular a ansiedade.

Um estudo com seres humanos, da Universidade da Califórnia, também dividiu voluntárias em 3 grupos: o primeiro tomou iogurte “turbinado” (com bifidobacterium, streptococcus, lactococcus e lactobacillus), o outro tomou uma bebida láctea com aparência de iogurte, e o terceiro manteve a dieta normal (não tomou iogurte nenhum).
As mulheres que tomaram o iogurte turbinado demonstraram alterações em áreas que regulam fome, os cinco sentidos, controle da dor e raciocínio lógico.

Bactérias podem influenciar seu sistema imune

Um dos principais indicativos de que a saúde do nosso intestino é essencial para nossa saúde de uma forma geral vem do fato de que 70% das células do nosso sistema imunológico vivem ADIVINHA ONDE.

Quer dizer que, se você tem problemas intestinais, fica mais suscetível até às doenças mais simples – como um resfriado.

Chris resfriado

Bactérias podem influenciar seus níveis de stress e ansiedade

Existem indícios de que pessoas com uma microbiota saudável e variada (olá, prato colorido!) têm menos chances de sofrer com depressão e ansiedade, dois grandes vilões contemporâneos. Isso também pode influenciar nossas resposta ao stress (com índices mais baixos de cortisol em quem “alimentava” várias espécies bacterianas).

Como exatamente isso acontece, ainda é cedo para dizer. As pesquisas são relativamente recentes, mas estamos encontrando muitas correlações importantes e, somadas, elas sugerem uma série de benefícios.

É só você pensar que no nosso intestino vivem trilhões de bactérias, e cada espécie gosta de certos tipos de alimentos (e não de outros). Sua microbiota intestinal depende de quem você alimenta.

É difícil determinar quais bactérias são “boas” ou “ruins”

Quando uma população de micróbios foge do controle, é quase certo que problemas vão acontecer. Mas isso não quer dizer, necessariamente, que é preciso matar to-dos os exemplares.

Um exemplo disso é o do médico Barry Marshall. Depois de estudar a microbiota de pacientes com úlcera gástrica, ele concluiu que a doença era causada pelo aumento do número de Helicobacter pylori.

Para provar seu ponto, ele colocou essa bactéria no próprio intestino e, como previsto, desenvolveu úlcera. A doença pôde então ser tratada com um simples antibiótico…

PORÉM, depois descobriram que a Helicobacter pylori desempenha um papel importante de para regular a fome (e a saciedade). Matar essas bactérias faz com que o intestino tenha dificuldade de avisar ao “cérebro de cima” que hey! já comemos o suficiente.

Seu intestino é seu segundo cérebro. Entenda por quê

Os sentimentos do intestino

Em inglês existe uma expressão chamada “gut feeling” (que faz referência aos nossos instintos, e pode ser traduzida ao pé da letra como “sentimento do intestino”)

Isso se baseia na ideia de que nosso corpo processa diversas informações que não passam para o cérebro consciente. Essas informações são sentimentos e impressões que – segundo os indícios – estão intimamente relacionados com o nosso sistema digestivo.

Então às vezes a gente pode ter “um sentimento ruim” sobre determinada situação, mas porque já estivemos num contexto parecido e algo não deu muito certo…

Além de racionalizar tudo o que acontece, é legal saber que nosso “cérebro de baixo” pode identificar quando existe uma ameaça e você precisa EVACUAR O PRÉDIO.

Novos horizontes para a saúde e o bem estar

Também é cedo para dizer, mas todas essas pesquisas sobre as bactérias no nosso intestino podem indicar um novo tempo para a saúde e bem estar. Um tempo onde a gente invista mais em probióticos e prebióticos do que em antibióticos.

Um tempo também em que cuidar da microbiota vivendo no seu intestino seja tão importante quanto cuidar do seu sistema nervoso central.

Assinatura Desinchá

Referências:

    1. Rob Stein. (2013, Novembro 18). Gut Bacteria Might Guide The Workings Of Our Minds. Disponível em: https://www.npr.org/sections/health-shots/2013/11/18/244526773/gut-bacteria-might-guide-the-workings-of-our-minds?ft=1&f=1128.
    2. Stephen M Collins, Zain Kassam e Premysl Bercik. (2013, Junho). The adoptive transfer of behavioral phenotype via the intestinal microbiota: experimental evidence and clinical implications. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1369527413000787.
    3. Javier A. Bravo, Paul Forsythe, Marianne V. Chew, Emily Escaravage, Hélène M. Savignac, Timothy G. Dinan, John Bienenstock, and John F. Cryan. (2011, Julho 27). Ingestion of Lactobacillus strain regulates emotional behavior and central GABA receptor expression in a mouse via the vagus nerve. Disponível em: https://www.pnas.org/content/108/38/16050.
    4. Tillisch K, Labus J, Kilpatrick L, Jiang Z, Stains J, Ebrat B, Guyonnet D, Legrain-Raspaud S, Trotin B, Naliboff B, Mayer EA. (2013, Junho). Consumption of fermented milk product with probiotic modulates brain activity. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23474283.
    5. Kristin Schmidt, Philip J. Cowen, Catherine J. Harmer, George Tzortzis, Steven Errington, and Philip W. J. Burnet. (2014, Dezembro 13). Prebiotic intake reduces the waking cortisol response and alters emotional bias in healthy volunteers. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4410136.
    6. Debbie Young. (2014, Abril 04). The Paradox of H. Pylori. Disponível em: https://www.richardcyoung.com/essential-news/paradox-h-pylori/.

 

 

 

Você tem ideia de como parar de comer açúcar faz diferença para o seu organismo?

Ele pode roubar sua energia, provoca resistência à insulina, aumenta o risco de diabetes, acelera o envelhecimento das células e contribui (muito) para o ganho de peso.

Como parar de comer açúcar?

Sim, nós sabemos: a vontade de comer açúcar às vezes é incontrolável.

De duas, uma: 1) essa é uma resposta emocional do seu corpo (em busca de uma dose rápida de prazer), ou 2) esse é o ciclo vicioso do açúcar no sangue.

Comer alimentos ricos em açúcar gera picos e quedas de insulina e, a cada queda, sentimos vontade de comer mais.

Só que depois de aprender como parar de comer açúcar, pouco a pouco seu corpo vai funcionar numa outra lógica:

  • Você sente menos fome
  • Diminui as chances de desenvolver doenças
  • Menos gordura no corpo
  • Acelera seu metabolismo
  • Sua pele fica mais jovem e saudável

Mas se você, assim como a maioria das pessoas, não sabe como parar de comer açúcar, a indústria de alimentos juntamente com o Ministério da Saúde vai te ajudar.

Eles assinaram um acordo no fim de 2018 para reduzir em até 144 MIL TONELADAS (!) o consumo de açúcar até 2022 (e se isso parece longe, pensa que a indústria de alimentos é tipo, gigante).

Isso representa, por exemplo, uma redução de até 62,4% do açúcar presente hoje em biscoitos (ou bolachas, vai saber).

Maçã ou donut?

E a meta é reduzir o teor de açúcar em cinco categorias de produtos industrializados:

  1. Bebidas adoçadas
  2. Biscoitos
  3. Achocolatados em pó
  4. Bolos e misturas para bolos
  5. Produtos lácteos

A verdade é que o brasileiro consome, em média, 80 gramas de açúcar por dia, o que é 50% acima do recomendado pela OMS (Organização Mundial de Saúde). Tem noção de que isso dá mais ou menos 8 colheres de sopa cheias de açúcar por dia? Então imagina você mergulhando a colher no açucareiro e enfiando na boca. Oito vezes!

O monitoramento da redução de açúcar dos alimentos vai ser feito a cada dois anos pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). E a primeira análise acontece no final de 2020.

Já é alguma coisa, né? Só não vale achar que tá tudo uma maravilha. Ainda tem muito açúcar para você cortar da sua vida.

Duvida? Então clica aqui para baixar a lista dos açúcares mais utilizados pela indústria de alimentos (e que ficam mascarados nos rótulos, mesmo de produtos que se dizem “sem açúcar”).

Assinatura Desinchá

Aposto que você já ouviu isso.
O tema vida saudável surge em alguma rodinha de conversa.

Comecei na academia.
Estou de dieta.
Não como mais batata frita.

E alguém logo dispensa o assunto dizendo: “Prefiro ser feliz!”

Aí você fica com cara de Mas o que uma coisa tem a ver com a outra?? Se for saudável quer dizer que você vai ser infeliz?

Ser saudável não precisa ser um sacrifício

Então você para pra pensar e percebe que a parte fisiológica de ser saudável é simples.

O difícil é quando a gente fica constantemente questionando nossas escolhas. Quando nossa própria mente sabota nossos melhores esforços. Quando a história que contamos a nós mesmos sobre o que significa ser saudável fala sobre restrição e sofrimento, não sobre variedade e satisfação.

Quando pensamos em “passar fome / privação” ao invés de NUTRIR o corpo (e a mente).

Em ter energia de uma forma consistente.

Em fazer e acontecer. Se mexer. Se superar.

Felicidade por acaso é comer batata frita e assistir Netflix? Pode até ser às vezes, mas não só. Bem longe!

Então esse é um convite aberto – um desafio, na verdade – para cada um de nós.

Como podemos contar uma história diferente sobre o que significa levar um estilo de vida saudável?

Porque a gente pode ter as melhores táticas do mundo, mas se a nossa mente não estiver alinhada com isso, é provável que a gente se frustre.

Porque muitas vezes, por trás de um “Prefiro ser feliz” se esconde um “Estou confortável.” Ou até um “Estou confortável sendo infeliz.”

E se a gente não estiver feliz de verdade com a  história que estamos vivendo, temos que contar uma história nova.

A maioria das pessoas vai ler isso e não vai mudar nada.

Mas algumas vão.

É por essas que a gente insiste em falar.


PS: Que história você tem contado sobre levar uma vida saudável? Me conte nos comentários! Vou ler todas as mensagens que chegarem por aqui. 😊

Assinatura Desinchá