Esse é mais um daqueles textos com palavras difíceis de pronunciar. Sabe aquelas que só de olhar a gente desiste de fazer o que quer que fosse? Mas calma! Você não precisa desistir de ler por esse motivo, afinal, meu trabalho é justamente facilitar as coisas para você. E é por isso que eu vim falar sobre algo difícil, porém de uma forma easy, easy. O assunto hoje é sobre o “Hormônio da felicidade”, ou melhor, os hormônios da felicidade. 

Você já ouviu falar nesse termo antes? Ele normalmente é usado para retratar a fórmula para ser feliz. 

Ao longo dos séculos, pesquisadores se dedicaram a estudar a felicidade como um processo biológico, para descobrir o que desencadeava nossos sentimentos no ponto de vista físico. 

Nesse contexto, descobriram que nós temos substâncias químicas no nosso corpo que são conhecidas como “quarteto da felicidade”. 

A pesquisadora Loretta Breuning, autora do livro “Habits of a happy brain, explica que “quando o seu cérebro emite uma dessas químicas, você se sente bem”. 

Esse quarteto da felicidade é dividido em: Dopamina, Oxitocina, Serotonina e Endorfina. Cada substância da felicidade tem um trabalho diferente no nosso cérebro. Quando liberadas, elas podem nos trazer aquela sensação gostosa de felicidade. 

Esses hormônios estão sempre ativos no nosso organismo. Se eles não estão em equilíbrio, nosso corpo pode reagir negativamente através da insônia, estresse, ganho de peso e mau humor. Também podem te desmotivar e fazer com que você não sinta vontade de cumprir suas tarefas e compromissos. E, em casos mais graves de baixa desses neurotransmissores, as pessoas podem até desenvolver depressão. 

É por isso mesmo que eu trouxe uma série de coisas que você pode fazer para ativar cada um desses neurotransmissores. Elevar seu bem-estar pessoal e permitir que a “química da felicidade” nos ajude a desenvolver o hábito de estarmos felizes. 

Criança feliz

 O assunto hoje é sobre o “Hormônio da felicidade”, ou melhor, os hormônios da felicidade. 

Você já ouviu falar nesse termo antes? Ele normalmente é usado para retratar a fórmula para ser feliz. 

Ao longo dos séculos, pesquisadores se dedicaram a estudar a felicidade como um processo biológico, para descobrir o que desencadeava nossos sentimentos no ponto de vista físico. 

Nesse contexto, descobriram que nós temos substâncias químicas no nosso corpo que são conhecidas como “quarteto da felicidade”. 

A pesquisadora Loretta Breuning, autora do livro “Habits of a happy brain, explica que “quando o seu cérebro emite uma dessas químicas, você se sente bem”. 

COMO ATIVAR A ENDORFINA 

A endorfina é uma substância natural (neuro-hormonais) produzida pelo cérebro (glândula hipófise). Sua denominação se origina das palavras endo (interno) e morfina (analgésico). Ela é o primeiro elemento da química da felicidade, e é considerada a morfina do nosso corpo, pois age como se fosse um anestésico natural. 

Segundo Breuning, a endorfina é uma “breve euforia que tem a capacidade de mascarar a dor física”. É por isso que consumir alimentos apimentados é uma das maneiras de liberar esse opiáceo natural (morfina natural), pois ele pode induzir uma sensação de felicidade e nos dar mais resistência a dores. 

Mas essa não é a única forma de obtermos uma “injeção” de endorfina. O processo de produção e liberação dela pela glândula hipófise acontece durante e depois de uma atividade física.    

Há pessoas (assim como eu) que não curtem muito fazer exercícios, mas gostam daquela sensação de bem-estar que sentem após fazê-los. Sendo assim, a liberação de endorfina faz com que nos sintamos bem.  

Mas a ativação delas depende muito do tipo de atividade que você está praticando. Como se trata de um mecanismo provocado pela adaptação do corpo ao exercício, ela vai sendo liberada gradualmente desde o início da atividade.  

Algumas pesquisas afirmam que os efeitos da endorfina podem ser sentidos até uma ou duas horas após a sua liberação. Outros estudos observaram aumento das dosagens desse hormônio da felicidade até 72 horas após o exercício. 

Alguns exercícios que são ótimos para liberar grandes quantidades de endorfinas são: 

  • Corrida: Você pode fazer em casa, na rua, no parque. Onde você quiser. É só escolher um bom par de tênis. 
  • Treino funcional 
  • Aulões em grupo 

E você pode encontrar aulas e exercícios deste tipo na nossa plataforma do Desinchá Academy, YAY! 

Trouxe para vocês uma lista de coisas diferentes que podemos fazer para liberarmos uma parte da nossa querida “química da felicidade”, vulgo: a endorfina. 

1- Comer chocolate 

Siiiim! Comer chocolate estimula a liberação de neurotransmissores relacionados com o bem-estar. Isso parece até música para nossos ouvidos, né?! Dito isso, deixemos claro que comer chocolate faz com que nos sintamos felizes e satisfeitos. 

Só não vá atacar uma barra inteira de chocolates antes de terminar de ler esse texto, hein?! 

Para você usufruir dos benefícios que nosso queridinho pode oferecer, você deve consumir um quadradinho por dia, e o ideal é que seja chocolate amargo com 70% de cacau no mínimo, pois tem menos gordura e açúcar na composição, reduzindo assim o impacto negativo. 

2- Rir com as pessoas 

Pois é, estar com os amigos e pessoas que você gosta pode garantir momentos de alegria e devemos tentar praticar isso com frequência. 

Segundo uma pesquisa realizada pela Universidade de Loma Linda, na Califórnia (EUA), a endorfina liberada pelo riso pode melhorar a circulação e a eficácia das defesas do nosso organismo, evitando doenças cardíacas, por exemplo. 

Nós falamos mais sobre os benefícios de sorrir no texto O que eu aprendi ao sorrir para estranhos no ônibus, e lá você pode ver quais vantagens (além de liberar endorfinas) o sorriso pode lhe trazer. 

3- Contato íntimo 

Isso mesmo, senhoras e senhores: o prazer sexual também libera endorfinas que estimulam a felicidade e, por isso, é importante manter um relacionamento amoroso em que o contato sexual seja regular e satisfatório. 

Para se aproveitar ao máximo do contato íntimo, o ideal é que você se sinta à vontade com a pessoa que tem relações, e que todo o envolvimento afetivo contribua para a satisfação do casal, ajudando a promover a felicidade e a fortalecer o relacionamento de ambos. 

Você pode aproveitar e ler também nosso texto sobre O que acontece com o corpo depois do sexo. 

4- Seja grato 

Ter gratidão por pequenas coisas e pessoas ajuda a ativar a liberação das nossas endorfinas. 

Ser grato pelo seu trabalho, sua família, seus amigos, por ter um cachorro, uma casa, ser grato pelas coisas que você já conquistou. 

Crie o hábito de agradecer por pequenas coisas na sua vida. Que tal você listar 50 motivos para ser grato, e todos os dias agradecer por um item diferente? 

5- Cante e dance 

Cantar, dançar e assistir a filmes tristes liberam a endorfina para nosso sistema nervoso central. Ou seja, nos deixa com aquela sensação gostosa de bem-estar e felicidade também. 

Aproveite para testar suas habilidades vocais no chuveiro, ninguém é triste quando canta no banho. 

Você sabe como ativar o hormônio da felicidade?

COMO ATIVAR A SEROTONINA  

A serotonina é o nosso segundo hormônio da felicidade. Ela é conhecida por nos proporcionar prazer e conduzir impulsos nervosos de um neurônio a outro. 

Ela é produzida por meio de aminoácidos, como o triptofano, que podem ser encontrados em alguns alimentos como nozes, queijo e carne vermelha, e se localiza principalmente no sistema digestivo. 

A serotonina atinge desde nossas emoções até nossas habilidades motoras. Esse hormônio da felicidade pode regular o humor, sono, apetite, ritmo cardíaco, temperatura corporal, sensibilidade e funções intelectuais e, por isso, quando este hormônio se encontra numa baixa concentração, pode causar mau humor, dificuldade para dormir, ansiedade ou mesmo depressão. 

Já que uma das formas de aumentar a concentração de serotonina na corrente sanguínea é consumindo alimentos ricos em triptofano, te trouxe uma série de alimentos que registraram maior aumento do nível desse hormônio no organismo: 

  • Aveia: Você pode tomar com um iogurte pela manhã.
  • Chocolate com 70% de cacau ou mais: Mas só um pedacinho, hein?! 
  • Abacate: Nada melhor do que uma vitamina de abacate. 
  • Oleaginosas: nozes, castanhas, avelã, macadâmia, pistache… 
  • Ovo: Que tal optar pelo ovo cozido? 
  • Mel: Você pode usar como adoçante. 
  • Laticínios: Queijo branco é uma delícia! 
  • Peixes: Um peixinho grelhado é uma ótima proteína. 
  • Grão de bico: Já experimentou o bolinho de grão de bico? 
  • Brócolis: Brócolis com alho frito é uma combinação dos deuses! 
  • Couve-flor: Já provou arroz de couve-flor? 

Esse “hormônio da felicidade” é capaz de reduzir os maus hábitos que temos, e ajuda na nossa capacidade de decisão. 

 

COMO ATIVAR A OXITOCINA 

Nosso próximo hormônio da felicidade é a oxitocina. Ele é um hormônio produzido pelo hipotálamo, mais conhecido como hormônio do amor, pois costuma ser liberado quando estamos perto de pessoas que amamos. 

Segundo a endocrinologista Tatiana Cunha, “Quando isso acontece, os níveis de cortisol (hormônio do estresse) diminuem no organismo”. 

Segundo estudo publicado em 2011 pelo ginecologista e obstetra indiano Navneet Magon, “a ligação social é essencial para a sobrevivência da espécie (humanos e alguns animais), uma vez que favorece a reprodução, proteção contra predadores e mudanças ambientais, além de promover o desenvolvimento do cérebro.” 

Por isso, o obstetra considera que a oxitocina tem uma “posição de liderança” nesse “quarteto da felicidade”: “É um composto cerebral importante na construção da confiança, que é necessária para desenvolver maior resistência emocional nos relacionamentos.” 

Por isso, aqui vão algumas dicas de como aumentar os níveis desse hormônio da felicidade: 

1- Contato Físico 

A oxitocina é feita de um sistema de recompensas que é ativado e desativado quando estamos em relacionamentos amorosos. É por isso que as relações sexuais aumentam os níveis de oxitocina. Porém, nos homens, a maior resposta emocional é liberada quando têm um orgasmo com alguém com quem possuem um vínculo emocional. 

2- Meditação 

A meditação tem a capacidade de relaxar nosso corpo e mente. Na cultura ocidental, a palavra meditação vem do latim meditatĭo, que originalmente significava um tipo de exercício intelectual.  

Neste sentido, a meditação é um instrumento valioso para o relaxamento, tanto do corpo quanto da mente. Portanto, não estando em uma situação de luta ou fuga, a oxitocina é liberada. 

3- Chorar 

O acúmulo de energia que provoca o aprisionamento de nossos sofrimentos faz com que o estresse se instaure em nossas vidas e que os problemas físicos comecem a aparecer. 

O choro é justamente a liberação desta energia. Lembre-se de como você se sentiu depois daquelas vezes em que não conseguia parar de chorar, tão relaxado como se tivesse feito uma hora de meditação. 

Abraçar também é uma forma simples de se conseguir um aumento da oxitocina. Dar ou receber um presente é um outro exemplo. 

Breuning, da Universidade da Califórnia, também aconselha construir relações de confiança, dando “pequenos passos” e “negociando expectativas” para que ambas as partes possam concretizar o vínculo emocional. 

 

COMO ATIVAR A DOPAMINA 

A dopamina é o hormônio do prazer responsável por ativar sensações positivas como motivação, luxúria, prazer, vício, euforia e concentração.  

John Salamone, professor de Psicologia na Universidade de Connecticut (EUA), fala sobre efeitos da dopamina no cérebro publicado em 2012 na revista Neuron: 

“Baixos níveis de dopamina fazem que pessoas e outros animais sejam menos propensos a trabalhar para um propósito”. 

Por isso, aqui vão alguns exemplos do que você pode fazer para ativar a sua dopamina: 

1- Faça exercícios 

O exercício aumenta os neurotransmissores múltiplos – a serotonina e as endorfinas recebem impulsos juntamente com a dopamina. 

O exercício não precisa ser árduo. Basta dar um passeio ou subir alguns degraus que você conseguirá uma boa sacudida na dopamina. 

2– Crie algo 

Assuma um hobby ou atividade em que você realmente crie algo tangível. 

Tente algo como artes, artesanato, desenho, fotografia, ou qualquer outra coisa que soe interessante para você. Isso fará com que esse seu “hormônio da felicidade” seja liberado. 

3- Aumente a tirosina 

A tirosina é considerada o elemento constitutivo da dopamina. Portanto, é importante que você obtenha o suficiente dessa proteína. Aqui vai uma lista de alimentos que vão te ajudar a aumentar a tirosina: 

  • Amêndoas 
  • Abacates 
  • Bananas 
  • Chocolate 
  • Café 
  • Ovos 
  • Chá verde 
  • Leite 
  • Melancia 
  • Iogurte 

4- Comemore conquistas diárias 

Nosso cérebro está em busca de prazer, ao mesmo tempo em que tenta fugir do desprazer. Quando você o ensina que algo é bom, através de seu comportamento, ele libera descargas do neurotransmissor dopamina. 
Quando esse neurotransmissor fica mais tempo agindo no cérebro, você fica mais entusiasmado, empolgado, motivado e focado! 

A melhor maneira de elevar a dopamina, portanto, é definir metas de curto prazo ou dividir objetivos de longo prazo em metas mais rápidas. E celebrar quando atingirmos ela. 

Então meu caro leitor, depois desse texto você deve entender a importância de termos os “hormônios da felicidade” ativos na nossa vida, afinal, eles são capazes de nos influenciar de diversas formas.  

Qual desses hormônios você precisa dar uma atenção maior? 

Assinatura Desinchá 

 

Bibliografia: 

https://www.bbc.com/portuguese/geral-39299792 

http://globoesporte.globo.com/blogs/especial-blog/leo-tubarao/post/o-que-e-endorfina-e-como-ela-funciona-no-seu-corpo.html 

https://www.tuasaude.com/endorfina/ 

https://www.boavontade.com/pt/saude/endorfina-liberada-durante-o-riso-melhora-eficacia-das-defesas-do-organismo 

https://www.ativosaude.com/saude/serotonina/ 

https://amenteemaravilhosa.com.br/7-formas-aumentar-oxitocina-corpo/ 

http://yogui.co/10-maneiras-de-aumentar-dopamina-em-seu-cerebro/ 

Tem gente querendo controlar o seu cocô? Bom, só você e sua alimentação podem fazer isso. A gente explica como a prisão de ventre funciona e como você pode acabar com ela.

Mais fibras contra a prisão de ventre

O que é a prisão de ventre? 

É a dificuldade de fazer cocô, basicamente. O famoso intestino preso ou a constipação intestinal. É considerado prisão de ventre quando a pessoa faz cocô menos de 3 vezes na semana.  
 

De onde vem a prisão de ventre? 

Ela está relacionada aos hábitos alimentares, mais precisamente à ingestão inadequada de fibra alimentar e líquido. Pode estar relacionada também a doenças como câncer, hemorróida e fissuras anais.  

 

E onde exatamente é esse ventre? 

É o nome bonito que a gente dá para o cólon, uma parte do intestino grosso. O cólon tem três funções importantes: 

  • reabsorção de água 
  • manutenção da população de bactérias 
  • controle da eliminação de fezes  

 
Qualquer alteração na capacidade de reabsorver água desequilibra todo o funcionamento do cólon. E é aí que a gente tem diarreia ou prisão de ventre. 

 

Quais os sintomas? 

Pouca vontade de ir ao banheiro (pouca mesmo, 1 ou 2x na semana), sentimento de esvaziamento incompleto e fezes muito duras e pequenas. 

 

É verdade que mudança de rotina dá prisão de ventre? 

É comum ter prisão de ventre por estresse e mudanças na alimentação, mas não é uma regra. O seu sistema digestivo pode estranhar, como pode gostar das mudanças e manter seu funcionamento. Caso você sinta o intestino preso, não se preocupe, porque ao voltar à vida normal, ele volta a trabalhar regularmente. Caso não volte, leia o tópico a seguir: 

 

Como acabar com a prisão de ventre 

  • Fibras! As fibras são a parte do alimento que não é absorvida pelo corpo. Elas aumentam a massa fecal e a mobilidade dentro do intestino. Você pode encontrá-las em legumes, cereais integrais, frutas e verduras. Dica: mamão e ameixa são, além de deliciosos, ótimos laxantes naturais. 
  • Beba água! Pelo menos 2 litros por dia para se hidratar e fazer o cólon trabalhar. 
  • Mova-se! Sedentarismo é uma das causas de câncer do cólon justamente por desacelerar nosso fluxo sanguíneo, vulgo, alterar a velocidade do nosso organismo. Mantenha-se em movimento para manter-se com saúde. 

 

A prisão de ventre não é uma doença

Se o seu corpo não responder às dicas acima, procure um médico. Ela é apenas um sintoma e tem tratamento.  

Assinatura Desinchá
 

Fontes: 

Constipação Intestinal | Mauro Batista e Helga Verena
Diarréia e constipação intestinal
Cólon | Dráuzio Varella 

O Brasil tem mais de 12 milhões de pessoas diagnosticadas com depressão e, segundo a OMS, até 2020 a doença vai ser uma das mais incapacitantes do mundo. 

Enquanto o assunto saúde mental não estiver em todas as rodas de conversa, vamos ter mais pessoas sem saber reconhecer os sintomas da doença e menos apoio a quem já tem o diagnóstico.  

Foi pensando no nosso 2020 que separamos algumas informações básicas sobre a depressão. 

3 fatos sobre a depressão que todo o mundo tem que saber

A depressão é biológica 

Ela pode se iniciar com experiências estressantes, como a perda de um emprego, divórcio, rejeição, ou qualquer outra coisa que perturbe nosso senso de quem somos e por que temos valor como pessoa. Mas é importante entender que existe uma alteração química na comunicação entre os neurônios que impede a pessoa depressiva de sentir prazer ou felicidade. É como se a felicidade fosse uma chave que não encontra sua fechadura e, por isso, não consegue funcionar.  

Essa metáfora é exatamente como nossos neurônios se comunicam. Os neurotransmissores são células encarregadas de levar uma mensagem de neurônio em neurônio. Na depressão, os neurotransmissores do prazer e da felicidade podem estar em falta, ou podem não conseguir encontrar um neurônio para se encaixar e manter o fluxo do sentimento. 

É por isso que frases como “ei, levanta dessa cama” ou “ei, melhora essa cara” não fazem nenhum efeito.  
 

A depressão não é uma tristeza 

Ninguém está imune à melancolia, à autoestima baixa e a pensamentos negativos. Tudo isso é muito humano. É comum que, nesses estados, a gente se alimente de mais experiências ruins. Quem nunca esteve triste e achou que nunca fosse passar? Mas passa. Toda emoção intensa tem vida curta.

A diferença é que quando a pessoa tem depressão, os episódios ruins começam a ser explicados em termos estáveis (“vai durar pra sempre”), globais (“vai afetar tudo que eu fizer”) e internos (“tudo é culpa minha”), e todo esse sentimento ruim acaba durando mais de 2 semanas. 

Atenção! 

Quando a tristeza durar mais de 2 semanas, procure ajuda. 

Se você notar alguém triste por muito tempo, seja a ajuda e encaminhe para um profissional.  

 

A comunidade é essencial para prevenir a doença 

Você sabia que em culturas não-ocidentais, como no Japão, por exemplo, onde as relações são estreitas e cooperação é a regra, a depressão é menos comum? Já do lado de cá do mundo, o pesquisador Seligman afirma que a depressão é comum entre jovens ocidentais porque vivemos mais no individualismo e menos dentro de grupos como religião e família. Essa situação nos força a assumir a responsabilidade pessoal pelo fracasso ou pela rejeição e ninguém preparou a gente pra isso.  

Vivemos em um mundo em que a gente escuta música sozinho no fone, se incomoda com quem puxa papo no ônibus e não sabe o nome do vizinho.  

Estar em volta de pessoas, contribuir para uma comunidade, mesmo que seja o seu grupo de amigos, pode ser um grande antídoto contra a depressão e outras doenças. 

Talvez a gente precise falar sobre depressão para reaprender a se conectar uns com os outros. 

Quanto mais a gente falar sobre saúde mental, mais a gente se ajuda. 

E aí, topa? 

  Assinatura Desinchá

 
 

Fontes: 

Depressão será a doença mais incapacitante do mundo até 2020
Neurobiological Mechanisms in major depressive disorder
Livro Psicologia | David G. Meyers p. 470. 

“Fake News” é uma expressão que, logo logo, estará naquela lista de palavras mais ditas no mundo em 2019 ou 2020, sei lá. E provavelmente vai demorar pra cair em desuso, já que muitas pessoas descobriram, nessa prática, uma possibilidade de ganhar muito dinheiro ou favorecer interesses.  

Essa expressão significa nada além de “notícias falsas” publicadas como se fossem reais. Normalmente elas são propagadas pela internet, em posts do Facebook e Twitter ou correntes do Whatsapp, por exemplo. E tudo com um grande poder viral (ou seja: espalham rápido). 

Mas as Fake News não são apenas um problema social. Também são um grave problema de saúde pública.  

Qual a relação das Fake News com a nossa saúde?

Fake News e os movimentos antivacinação 

Nos últimos anos, o número de pessoas que são contra vacinas, por acharem que elas fazem mal, cresceu muito. Alguns membros desse movimento propagam notícias falsas que dizem sobre como vacinar a população faz mal. As histórias vão desde manipulação do estado até envenenamento. Devido ao crescimento de casos de sarampo no Brasil em 2018, o Ministério da Saúde teve que promover campanhas de vacinação. 

O que sabemos é que esse tipo de atitude pode ser prejudicial não só para o ser humano que não toma a vacina, mas também para todos ao redor. Ou seja: temos aqui um problema claro de saúde pública.  

 

Fake News e a xenofobia  

Essas publicações falsas, tão comuns em nossa rotina nos últimos 4 anos, inflamou diversos discursos de ódio que estavam guardados por um longo período. Por exemplo: uma informação de que cidadãos em Roraima não estavam sendo socorridos, pois a prioridade era dos venezuelanos refugiados. Nem preciso dizer que a informação era falsa, mas que as pessoas da região ficaram revoltadas, né? Após isso, paus, pedras e bombas foram usados pela população local para atacar os acampamentos venezuelanos.   

 

Como combater as mentiras que não paramos de acreditar?  

Esse deve ser um grande desafio para a próxima década. Sobram mecanismos para propagar esse tipo de conteúdo e faltam mecanismos para encontrar as pessoas que cometem esses crimes.  

Para você, caro amigo que usa a rede mundial de computadores buscando informação em tempo real, é importantíssimo aprender a não cair e, consequentemente, não compartilhar essas ciladas.  

Existem alguns métodos simples, como checar a informação em outras fontes. Até porque, normalmente, essas Fake News estão em sites bem duvidosos.  

Mas também existem algumas agências especializadas em checar o conteúdo das notícias suspeitas divulgadas na internet. Meu favorito, particularmente, é o E-Farsas, página que combate Fake News desde 2002, muito antes das Fake News existirem. A Agência Lupa e o Boatos.org também são fontes de pesquisa sobre conteúdos muito confiáveis.  

Mas o mais importante é a nossa consciência. Saber que esse método pode prejudicar a vida de muitos, como já vem fazendo. Linchamentos, doenças por falta de vacinas, reputações, ameaças: essas são algumas das principais consequências de notícias mentirosas.  

Estar com a consciência limpa também é um hábito muito saudável.  

Assinatura Desinchá

Fomos ver de perto se a gravidez é um mar de rosas e descobrimos que não é não. Nós conversamos com 6 mulheres que tiveram seus bebês recentemente para saber os detalhes sobre os processos que envolvem o nascimento de uma pessoa. 

(Lembrando que: Desinchá não é recomendado para gestantes nem mulheres em fase de amamentação.)  

A verdade é que apesar da gravidez ser um fenômeno fascinante, as mulheres grávidas têm que engolir muito sapo, ignorar as inseguranças e estar o tempo todo buscando forças para se manter psicológica e fisicamente plenas em nome do bebê. 

Aline, Paula, Carol, Helen, Nicole e Isabela contaram suas experiências e as histórias estão aqui para inspirar a rede de apoio de cada mulher grávida por aí. Se você é uma delas, pode mandar o link deste texto como indireta para quem quiser. Ele foi feito para isso.   

Relatos nada românticos sobre a gravidez

“Não tem nada aqui”

Foi o que o médico disse rispidamente ao fazer o ultrassom na Aline depois do exame de farmácia ter dado positivo. Quando ele achou o bebê, ainda lançou “Você tem mioma, o risco de aborto é grande”.  É tudo que uma mulher que acabou de descobrir que vai ser mãe NÃO precisa ouvir. 

Pra completar, no primeiro trimestre a mulher não sente o bebê. “Eu ainda não tinha barriga, não sentia nada além de dor nas mamas e um sono incontrolável. Achei que ia ficar fazendo carinho na barriga que nem as mulheres do Instagram, mas isso demorou muito pra acontecer”, conta Aline. 

E não adianta forçar. A mulher não vira mãe assim do nada.  

A mãe vai sendo desenvolvida devagarzinho junto com o nenê. 

 

É muito mais pressão do que glamour 

Além de estar gerando uma vida e tendo seus órgãos mudando de lugar para o bebê ter espaço, as mulheres ainda têm que lidar com pessoas que passam a mão na barriga sem pedir, comentaristas profissionais e falta de educação de amigos e família. Segue lista das frases mais bizarras: 

  • Não sai não? 
  • Tem certeza que não são gêmeos?  
  • Olha o tamanho da barriga 
  • Nossa, não vai conseguir voltar ao seu peso.  
  • Nossa, tá muito grande! 
  • Mas esse bebê tá gigante! 
  • Tem certeza que não tem nenhum problema? 
  • Agora já era, não vai mais viver. 

 

A gravidez é solitária 

É comum que muitas pessoas se antecipem e tomem decisões pelas mulheres grávidas, como se elas não fossem capazes disso. “Ninguém fala que é complicado, que é difícil. Muitos amigos que viviam comigo antes, sumiram depois que eu engravidei”, conta a Carol.  

Paula diz que os hormônios mexeram tanto com ela que ela se sentiu fracassada. Não com a gravidez, mas com ela mesma, com o trabalho. Já a Nicole, além de se sentir muito cansada, diz que engordou 15kg acima do recomendado e se sentia muito mal por isso, por não conseguir se controlar.  

 

Dormir Vs. Xixi 

Palpiteiros sempre lembram as mulheres que elas precisam dormir agora porque depois que o bebê nascer vai ser impossível. “As pessoas falavam DORME AGORA, como se eu pudesse pegar meu sono acumulado e parcelar a hora que desse”, conta Aline.  

Conseguiu tempo para dormir? O desafio ainda não acabou. A bexiga é pressionada pelo útero durante a gravidez. Isso quer dizer xixi de 5 em 5 minutos. 

Fez xixi? Dormiu? Hora de encontrar uma boa posição para deixar a barriga. Isabela diz que tinha falta de ar quando ia para a cama “Não tinha posição para a barriga! Era muito desconforto”. 

 

Bom senso não é senso comum 

A Aline ouviu um “Tá grávida porque tem saúde, pode ficar de pé” no ônibus, em São Paulo. “Eu chegava muitas vezes no transporte com a barriga de 8 meses e os assentos preferenciais estavam ocupados por gente ouvindo música, dormindo. Eu com a barriga gigantesca, não posso cair, mas eu já levantei para um senhor de idade sentar”. 

“Sai, eu não aguento mais” 

No fim do último trimestre da gravidez, os hormônios estão malucos e tudo que a mulher quer é que o bebê nasça. “Enquanto estava todo mundo falando do tamanho do barrigão, eu estava sofrendo demais com pés inchados, dor nas costas, azia, falta de sono, preocupada com minha hipertensão e hormônios enlouquecidos”, conta Aline. 

Não se pode exigir que uma pessoa passando por tudo isso ainda esteja linda, feliz e radiante.  

 

“Eu sumi e passei a ser só mãe” 

Aline teve muito apoio dos familiares, mas a pior parte para ela foi ouvir “agora você vai ver, tudo vai mudar, você não vai viver mais, agora não existe mais Aline, só existe Aline mãe”. A ideia é da mulher se anular para assumir a carapuça mãe e não é bem assim. “Eu tento de verdade ser Aline esposa, Aline mãe, Aline profissional e Aline estudante”. Que missão! 

 

E o próximo, hein? 

Este é um assunto particular do casal ou só da mãe. “As pessoas julgam muito! Eu falava para todo o mundo que não queria estar grávida, que eu não gosto de estar grávida e elas ficavam horrorizadas”, conta Helen. 

Aprendizados e Boas Maneiras 

Depois de tudo isso, só nos resta mandar bem. Aqui vão algumas dicas para a rede de apoio ao redor da gravidez ser construtiva, positiva e confortável para as novas mamães: 

  • O corpo da mulher continua não sendo patrimônio público na gravidez. 
  • Ouvir um “Como você se sente?” é sempre muito bem-vindo 
  • A ajuda física é bem-vinda até para amarrar os sapatos 
  • Banco preferencial ainda é preferencial 
  • Quando o desafio físico se une ao desafio mental, as conexões com pessoas queridas podem ser um alívio. Seja presente. 
  • Não deixe de chamar uma amiga para sair porque ela está grávida. Chame. Deixe que ela decida. Não decida por ela.  
  • A fila preferencial de lojas e restaurantes não são uma frescura. Elas podem proporcionar mais conforto para quem realmente precisa.  

 

E você? Tem história sobre gravidez para contar pra gente? 

Deixe seu comentário! 

Assinatura Desinchá

Quantas vezes na sua vida você escutou a frase “você precisa melhorar sua saúde”? Eu particularmente ouvi muitas vezes e também falei para mim mesma. Mas se você parar um minuto para pensar, quando falamos em saúde, estamos falando sobre o que? O que significa ser saudável?  

Comer direito? Fazer exercícios? As vezes coisas simples acabam se tornando complexas quando paramos para analisar. Por isso recorri ao nosso velho amigo Aurélio (dicionário de português), para ver qual seria exatamente a definição de saúde: 

Saúde 

substantivo feminino 

Estado do organismo que está em equilíbrio com o ambiente, mantendo as condições necessárias para dar continuidade à vida.  

Estado habitual de equilíbrio mental, físico e psicológico.  

Condição de são, de quem está saudável: boa saúde. Demonstração de força; vigor, robustez.” 

Engraçado que ao ler o significado da palavra saúde, não vemos nada do que estamos acostumados a pensar sobre ser saudável. Eu esperava muito mais encontrar “Coma 8 ovos por dia!”, “Exercício, exercício, exercício!”, “Faça crossfit!”, Biiiirl”. 

Segundo a Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS), a saúde pode ser definida como o “estado de completo bem-estar físico, mental e social e não consistindo somente da ausência de uma doença ou enfermidade”.  

Podemos dizer então que ser saudável inclui ter um bom funcionamento físico, mental e social. Mas o que seria isso? Como poderíamos fazer isso? 

Vamos destrinchar ainda mais essa definição.  

Mas afinal, o que é ser saudável?

O que seria ter um bom funcionamento mental? 

Nossa saúde mental pode ser descrita como ter uma qualidade de vida emocional e cognitiva. É quando temos a capacidade de administrar nossa própria vida e nossas emoções. 

Sabe quando você sente sua mente inquieta e com um turbilhão de pensamentos sem conseguir controla-los? Significa que sua saúde mental não está muito boa por não estar em equilíbrio. 

Quando não conseguimos balancear o interno e o externo da nossa vida, nosso psicológico fica abalado e acabamos nos tornando uma esponja de negatividade. Isso é quando absorvemos demais energias negativas de outras pessoas ou ambientes.  

Mas tem como evitar isso, caso você ainda não tenha visto, no nosso blog tem um texto de Como não absorver energias negativas do seu ambienteonde aprofundamos mais esse assunto. 

Uma saúde mental prejudicada pode estar associada a rápidas mudanças sociais, risco de violência, condições de trabalho estressantes, exclusão social, discriminação de gênero, problemas físicos de saúde, estilo de vida não saudável e violação dos direitos humanos. 

Segundo a OMS, também há fatores psicológicos e de personalidade específicos que tornam as pessoas vulneráveis aos transtornos mentais.  

E precisamos deixar claro que saúde mental é mais do que a ausência desses transtornos, ela é uma parte que integra o significado de ser saudável. Sem ela, não há saúde. 

 

O que ser sociável tem a ver com saúde? 

Saúde social refere-se à saúde de uma pessoa em relação à sua capacidade de interagir com outras pessoas e desenvolver-se em ambientes sociais.  

Isso tem a ver com as amizades, em termos de quão bem a pessoa pode formar e manter amigos e outros tipos de relacionamentos. 

É meio que definir se você é uma pessoa que se isola ou não, se você gosta de estar com outras pessoas e fazer novas amizades. Se isolar potencializa doenças físicas e mentais que podem se agravar ao longo do tempo. 

É por isso que saúde social se inclui no termo “ser saudável”, pois ela está cada vez mais dentro do conceito global de saúde e bem-estar. 

Muitos profissionais de saúde mental e física começaram a reconhecer a importância da interação social na capacidade de uma pessoa para superar a doença. 

É recomendado que todas as pessoas tenham amigos, familiares, ou alguém que faça você se sentir bem. E, caso você queira entender melhor por que é tão importante cultivar amizades, você pode ler o texto Amizade é o melhor remédio aqui no nosso blog. 

Cuidar do corpo também é sinônimo de saúde. 

Muitas pessoas acreditam que para ter uma boa saúde física é preciso ser magro. Porém não.  

Ter uma boa saúde envolve não ter doenças e cuidar do seu corpo no geral, como por exemplo: beber bastante água, tomar sol, se alimentar direito, praticar atividades físicas, cuidar da higiene pessoal e saber repousar seu corpo também. 

No geral, é manter seu metabolismo funcionando. Quando não atendemos essas necessidades, a saúde física enfraquece, fazendo com que sua imunidade fique baixa e te deixando mais vulnerável a doenças. 

Mas isso pode ser evitado de diversas formas, como citamos no nosso texto de Como prevenir seu corpo da imunidade baixa”. 

Pessoas que possuem a saúde física debilitada geralmente possuem maus hábitos, como fumar e cometer excessos com bebidas alcóolicas ou mesmo com gorduras e açúcar, o que prejudica ainda mais sua saúde no geral. 

Agora, conseguimos responder a grande pergunta desse texto: 

 

Mas afinal, o que é ser saudável? 

Ser saudável é você conseguir manter esses três pilares da sua vida em equilíbrio: administrar seu físico, social e mental, juntos. 

Um complementa o outro. Se nossa mente não está saudável, ela é capaz de influenciar nossos relacionamentos que, consecutivamente, tem poder de influência no nosso bem-estar físico. 

Por isso mudar alguns hábitos possui tamanha importância. Inicie uma rotina, exercite seu corpo, sua mente. Exercite sua saúde. 

Conheça novas pessoas, crie novos relacionamentos, hidrate-se e divirta-se mais. Saúde está em cada detalhe da sua vida. Receber um abraço, um elogio, ouvir uma música, conversar com alguém, dançar ou ser convidado para jantar também é significado de saúde. 

Saúde é tudo aquilo que faz você se sentir bem com seu corpo, sua mente e com seus relacionamentos. 

E aí, você se considera uma pessoa saudável? Qual desses pilares ainda falta você equilibrar? 

Assinatura Desinchá

Provavelmente você já deve ter ouvido falar sobre imunidade baixa, e é bem provável também que algum momento da sua vida, sua imunidade também já esteve assim.

Mas vamos por partes para podermos entender o motivo de muitas das gripes e febres que você teve ao longo da vida.

Imunidade é o nome que damos à capacidade do nosso organismo de se defender de invasores, ou seja, vírus, bactérias ou fungos. Esses são os maiores causadores das gripes que não nos largam, pneumonias e febre constante.

Quando nossa imunidade está baixa, ficamos mais vulneráveis a essas doenças que acabam nos impedindo de ir naquele almoço de família (dependendo pode até ser uma boa), ou curtir o bar com os amigos. Afinal, sair da cama não é uma opção.

Como prevenir seu corpo da imunidade baixa

Mas o que faz com que nossa imunidade fique baixa?   

Há diversas coisas que podem ocasionar uma imunidade baixa no nosso corpo. A médica imunologista Elisabete Blanc, do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da UFRJ, conta que a baixa imunidade pode ser de causa primária, ou seja, quando a pessoa já nasce com uma predisposição genética. “Por outro lado, pessoas que são saudáveis, em um dado momento da vida, podem se expor a situações que levem à dificuldade do organismo em manter um equilíbrio imunológico”. 

Exemplos dessas situações são o uso de medicamentos que suprimem a imunidade, má alimentação, consumo de álcool, estresse prolongado, doenças que levam a uma grande perda de proteínas, doenças crônicas, deficiências de vitaminas, falta de repouso adequado, entre muitos outros fatores. 

E quando nossa imunidade está baixa, ela é acompanhada por alguns sintomas que podem passar despercebidos no nosso dia a dia. Por isso, listamos abaixo alguns dos principais sintomas que, na maioria das vezes, são ocasionados pela imunidade baixa. 

  • cansaço excessivo; 
  • febre e calafrios frequentes; 
  • náuseas, vômitos ou diarreia; 
  • doenças simples que ficam graves, como gripes que duram semanas; 
  • otites no ouvido; 
  • herpes na região genital; 
  • herpes labial, estomatite e amigdalite na boca; 
  • infecções respiratórias persistentes; 
  • perda de peso ou ganho de peso; 
  • meningite e encefalite; 
  • queda de cabelo; 
  • unhas fracas; 
  • estresse; 
  • depressão; 
  • má qualidade da pele e predisposição a ferimentos.

Porém, imunidade baixa pode ser prevenida, não é algo que você precisa torcer para não ter. O ideal é se cuidar hoje, para evitar ter isso amanhã. É importante balancear a alimentação e repor as vitaminas e nutrientes do corpo, além de praticar exercícios físicos. Mas também existem pessoas que acreditam que exercícios com certa intensidade podem fazer sua imunidade baixar. 

O Dr. Drauzio Varella explica que não há nenhuma comprovação científica de que os exercícios causam isso. O que pode ocorrer é que quando você força seu corpo além do que ele aguenta, há uma resposta de baixa ao seu sistema imunológico. 

Praticar exercícios físicos na intensidade correta ajuda a melhorar o sistema imunológico do seu corpo, assim como alguns alimentos que devem ser incluídos na sua alimentação. 

Vou dar alguns exemplos de alimentos que vão te ajudar não só com a sua imunidade, mas também com vários outros problemas de saúde: 

Frutas cítricas 

Laranja, acerola, kiwi e tomate, por exemplo, são ricos em vitamina C e antioxidantes e ajudam a aumentar a resistência do organismo; 

Vegetais verdes escuros 

Alimentos como brócolis, couve, espinafre são ricos em ácido fólico. O nutriente auxilia na formação de glóbulos brancos, responsáveis pela defesa do organismo, e também pode ser encontrado no feijão, cogumelos (como o shimeji e o shiitake) e a carne de fígado; 

Alimentos ricos em zinco 

Carne, cereais integrais, castanhas, sementes e leguminosas (feijão, lentilha, ervilha, grão de bico) são ricos em zinco, nutriente que combate resfriados, gripes e outras doenças do sistema imunológico; 

Oleaginosas 

Além de zinco, as nozes, castanhas, amêndoas e óleos vegetais (de girassol, gérmen de trigo, milho e canola) são ricos em vitamina E. Ela é benéfica principalmente para os idosos, agindo no combate à diminuição da atividade imunológica por conta da idade; 

Fontes de antioxidantes 

A castanha-do-Pará e cogumelos (como o champignon) contêm selênio, um forte antioxidante que combate os radicais livres, melhorando a imunidade do corpo e acelerando a cicatrização do organismo; 

Óleo de coco 

O ácido láurico e o ácido cáprico, presentes no óleo de coco, tem a propriedade de modular o sistema imunológico agindo contra fungos, vírus e bactérias. Além disso, uma forma indireta de ele contribuir com a imunidade está na melhora do trabalho do intestino ao eliminar as bactérias ruins; 

Gengibre 

Rico em vitaminas C, B6 e com ação bactericida, o gengibre vai além de ajudar a tratar inflamações da garganta e auxilia nas defesas do organismo. 

 

Para facilitar ainda mais, preparei uma receitinha que ajudará na sua mudança de alimentação. Então já pegue o papel e a caneta, ou tire print para não perder essa.

 

Suco de beterraba

 

Ingredientes 

  • 1 beterraba 
  • 1 maçã 
  • 2 cenouras 
  • Água 

 

Modo de preparo 

  • Corte a beterraba em rodelas e bata no liquidificador com um pouco de água; 
  • Misture bem e passe na peneira; 
  • Separe e guarde na geladeira enquanto bate no liquidificador, com água, as cenouras e a maçã; 
  • Misture tudo e beba meia hora antes do café da manhã, em jejum. 
  • Agora é só se deliciar com esse suco enquanto sua imunidade está sendo aumentada 

 

 

A beterraba é rica em vitamina A C, cálcio e ferro, previne e ajuda a curar anemia também. É rica em nitrato, que ajuda a baixar a pressão sanguínea, previne doenças cardiovasculares e (a função que todo corredor deveria saber) diminui o gasto de oxigênio, melhorando o desempenho e a resistência nos esportes. 

E você pode encontrar várias outras receitas como essa na nossa página do Desinchef no site. Sucos, snacks, entradas, pratos principais e sobremesas que são saudáveis e gostosas (além de rápidas de fazer). 

 

Por hoje é isso, querido desinchamigo. Voltaremos em breve com mais informações. 

Assinatura Desinchá

 

Enquanto você lê este texto, existem 39 trilhões de bactérias trabalhando no seu corpo. E é para potencializar essa operação que servem os probióticos. 

Um estudo feito no Canadá mostra que existem 30 trilhões de células e 39 trilhões de microrganismos em uma pessoa de 20 a 30 anos, com aproximadamente 1,70 m de altura e 70 kg.  

Essas bactérias, especificamente, estão trabalhando para compor alguns processos e otimizar o nosso sistema, não para nos fazer mal. Dentro do organismo, elas vivem em harmonia e, combinadas aos probióticos, colaboram para um corpo mais saudável.  

Como funcionam os probióticos?

O QUE SÃO OS PROBIÓTICOS? 

Probióticos são suplementos alimentares à base de microrganismos vivos que promovem o balanço da flora intestinal e, consequentemente, a saúde do hospedeiro. Os probióticos são bactérias do bem. 

 

O QUE É A FLORA INTESTINAL? 

É um ecossistema de bactérias que trabalha no intestino auxiliando na digestão de alimentos e monitorando as “bactérias do mal” que podem passar por ali e causar doenças. É no intestino que se encontram 60% das nossas células imunes. 

 

COMO OS PROBIÓTICOS FUNCIONAM? 

A cultura de bactérias probióticas no organismo estimula a multiplicação de bactérias benéficas reforçando o sistema imunológico, nosso mecanismo natural de defesa. 

 

QUAIS OS PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DOS PROBIÓTICOS? 

O uso dessas bactérias ainda tem sido investigado pela ciência, mas já é indicado por alguns profissionais e tem muitos efeitos comprovados. Separamos os principais: 

  • Controle da flora intestinal 
  • Estabilização da flora intestinal depois do uso de antibióticos 
  • Resistência gastrintestinal às “bactérias do mal” 
  • Auxílio na digestão da lactose em pessoas intolerantes à lactose 
  • Fortalecimento do sistema imunológico 
  • Alívio da constipação 
  • Aumento da absorção de minerais  
  • Aumento da produção de vitamina 

 

Já deu para entender como eles podem ser poderosos? Ainda tem mais. 

  • Diminuição do risco de câncer de cólon e doença cardiovascular 
  • Efeitos anti-hipertensivos 
  • Prevenção de infecções urogenitais das mulheres 
  • Controle de reações alérgicas 
  • Melhoria dos níveis sanguíneos de lipídeos (gorduras) 
  • Controle de pressão sanguínea 
  • Atenuar hipersensibilidade em pessoas com alergia alimentar 

  

ONDE ENCONTRAR OS PROBIÓTICOS  

Cápsulas, iogurtes, vinagre de maçã, bebidas fermentadas com os famosos lactobacilos vivos e opções naturais como o kombuchá, shoyu e kefir.  

Eles são as bactérias do bem que promovem a saúde, mas não são responsáveis pela cura de doenças. Consulte uma nutricionista para aliar as bactérias do bem à alimentação saudável. 

Assinatura Desinchá 
 

 

Fontes: 

Probióticos e Prebióticos: O estado da arte
O papel dos probióticos e prebióticos na prática pediátrica
Probióticos e Prebióticos: Entenda a diferença
G1 – Bactérias no corpo
Terra – O que aconteceria no nosso corpo sem bactérias
Probióticos e Prebióticos | World Gastroenterology Organization 

Desde que o mundo é mundo, o corpo humano tem como função realizar determinadas tarefas e o sedentarismo não é uma delas. A gente pesquisou alguns artigos e leu muitos livros, mas não foi possível provar que fomos feitos para ficar na cadeira o dia inteiroandar de carro de lá pra cá e ficar pedindo delivery toda semana. 

Perguntamos à Dra. Sylvia Dalcolmo, especialista em hematologia, se é indicado ficar um fim de semana inteiro maratonando uma série no sofá. Sua resposta foi alarmante: “Não”. Tá feliz, Netflix?

Sedentarismo e os malditos cupons de aplicativos

DARWIN EXPLICA 

Quem se move, sobrevive. Lá em 10 mil anos a.C, o que diferenciava a caça do caçador era o movimento. Basicamente quem corre mais longe, mais rápido e descansa menos tem mais chance de sobreviver. O humano que somos hoje é descendente desse aí que sobreviveu. E sabe o que ele passou de geração em geração? A capacidade de estocar gordura e carboidratos. Somos geneticamente excelentes poupadores. Pode se chamar de herdeiro ou herdeira. 

Infelizmente, o que acontece hoje é um grande descompasso. Essa nossa característica não acompanhou as revoluções industriais e tecnológicas que trazem alimento pra gente sem esforço, enquanto a atividade física, grande motivadora desta estocagem, se tornou dispensável.  

Você pode entender isso de 2 maneiras: 

1 – Nossos genes pré-históricos não respondem ao nosso estilo de vida high-tech, digital e sedentário. 

2 – A atividade física é fundamental para que nossos genes possam responder da maneira certa ao nosso ambiente. 
 

O SEDENTARISMO É INIMIGO DA SAÚDE

Infarto, hipertensão, câncer de cólon, câncer de mama, diabetes tipo II, osteoporose, depressão, demência, ansiedade. O sedentarismo só é bom como inspiração para o Arnaldo Antunes escrever uma nova versão de O Pulso Ainda Pulsa. Agora sério: a inatividade física aumenta a incidência de todas essas doenças e é um problema de saúde pública.  

Estamos falando de 70% da população adulta brasileira que não atinge os níveis mínimos recomendados de atividade física e é assomada por doenças crônicas.  

Pesquisas revelam que os exercícios fortalecem o coração, aceleram o fluxo sanguíneo, mantêm vasos sanguíneos abertos e baixam a pressão sanguínea regular e a pressão sanguínea em resposta ao estresse (!!!!!). 
 

SÍNDROME DA BUNDA MORTA

Saudações, como vai sua bunda? Já escrevemos aqui sobre como os glúteos são, além de lindos, muito importantes. Mas agora temos a informação que ELES CORREM RISCO DE MORTE.  Essa síndrome é a insuficiência do glúteo médio que causa dores no quadril e sobrecarrega a sua lombar, joelhos e tornozelos. Ela atinge pessoas sedentárias e pessoas que praticam exercícios sem fortalecer os músculos certos, então cuidado! Pela vida das bundas.  
 

O SEDENTARISMO É INIMIGO DA SAÚDE MENTAL

Menos exercícios correspondem a mais atividade cerebral em áreas essenciais para os sentimentos de recompensa e motivação. Por quê? Exercício físico libera neurotransmissores como noradrenalina, serotonina e endorfina. A.K.A uma surra de bem-estar e felicidade que só quem se move pode ter. 
 

SAÚDE FINANCEIRA TAMBÉM É SAÚDE MENTAL 

As soluções mais práticas poupam tempo e trabalho, mas não poupam dinheiro.  A facilidade de ter comida em casa ou de pegar uma carona mexe bastante no bolso. 

Os aplicativos de carona e de delivery são grandes torcedores do sedentarismo e estão ganhando cada vez mais espaço oferecendo cupons de desconto e praticidade para quem está desorganizado. Ao mesmo tempo, estão criando novos hábitos difíceis de serem quebrados e faturas de cartão de crédito com mais de 10 pedidos do mesmo serviço. A nossa relação com dinheiro também gera ansiedade e abre espaço para o estresse e deslizes no autocuidado.  

 

MOVA-SE! 

O exercício moderado não traz só qualidade de vida, mas quantidade de vida.  

Se o dia está corrido, se o cansaço fala mais alto, avalie toda a sua rotina e reveja suas vontades e necessidades. É pelo bem do seu corpo, do bolso e da sua mente. Pode contar com a gente.   
Assinatura Desinchá
 

Fontes: 

Sedentarismo, exercício e doenças crônicas
Globo Esporte |  Síndrome da Bunda Morta 

Já falei aqui neste espaço sobre crises de enxaqueca, certo? 

Em uma das minhas, há muito tempo atrás, lembro de um amigo começando a massagear a minha mão e dizendo “isso faz passar”. Na época eu achei esquisito e não senti efeito nenhum, mas acabei pegando a mania de massagear minha própria mão em pontos específicos para ajudar a aliviar a dor infernal da enxaqueca.

Outro dia, com uma enxaqueca terrível em pleno horário de trabalho, esse assunto da massagem voltou através de uma colega daqui. E dessa vez eu descobri até o nome do processo: reflexologia.  

Já falei aqui neste espaço sobre crises de enxaqueca, certo? Em uma das minhas, há muito tempo atrás, lembro de um amigo começando a massagear a minha mão e dizendo “isso faz passar”. Na época eu achei esquisito e não senti efeito nenhum, mas acabei pegando a mania de massagear minha própria mão em pontos específicos para ajudar a aliviar a dor infernal da enxaqueca. Outro dia, com uma enxaqueca terrível em pleno horário de trabalho, esse assunto da massagem voltou através de uma colega daqui. E dessa vez eu descobri até o nome do processo: reflexologia

Pesquisando mais sobre o tema, descobri que reflexologia é uma técnica de massagem derivada da medicina chinesa, onde pressionar determinados pontos das mãos e dos pés pode beneficiar diferentes órgãos e outras regiões do corpo. Essa técnica é indicada para tensões, dores musculares, dores de cabeça, ansiedade e fortalecimento do sistema imunológico. Ajudar também a diminuir edemasestresse. Dá até um jeito na prisão de ventre, acredita? Tudo isso apenas pressionando os pontos certos.  

Mas para você, leitor curioso, que quer saber mais sobre o assunto, saiba que essa técnica é dividida em 3 tipos, que correspondem a parte do corpo que será magicamente massageada:  

  • Reflexologia Podal: existem vários pontos específicos nas plantas dos nossos pés (sempre bem cuidados) que proporcionam relaxamento corporal, alívio de dores e até mesmo melhora na circulação sanguínea.  
  • Reflexologia Facial: esse dá uma boa relaxada nos músculos da nossa face, feito que ajuda também na circulação sanguínea e até diminui o inchaço das pálpebras.  
  • Reflexologia das mãos (quirodal): nesse, as mãos e os pés relacionam-se diretamente, ajudando no tratamento do corpo como um todo, promovendo relaxamento físico e mental.  

Após algumas sessões dessa maravilha, a promessa é de resultados que vão te trazer uma boa dose de felicidade instantânea:  

  • Eliminação de toxinas; 
  • Eliminação de inflamações;  
  • Diminuição de várias dores corporais; 
  • Melhoria de problemas gastrointestinais;  
  • Melhora do fluxo sanguíneo; 
  • Melhora da insônia, ansiedade, estresse e até depressão. 

MAS CALMA LÁ. Nem procedimentos simples como esse tipo de massagem estão livres de restrições. Por exemplo, pessoas com marca-passo e diabetes (sem glicemia controlada) não devem fazer a reflexologia. O primeiro porque alguns pontos aceleram os batimentos e o segundo por possíveis obstruções na corrente sanguínea.  

Bom, acho que o mais importante para destacar agora é: não precisa usar aparelho nenhum. Então se você tiver a infelicidade de ser lotado de enxaqueca como eu, dá pra fazer essas massagens sozinho em casa.  

Eu tô aqui tentando. Quando der certo, volto pra avisá-los.  

Assinatura Desinchá

Segue a cena: é verão no Brasilzão da massa. É carnaval e você vai passar o dia inteiro na rua (não precisa ser verdade, só imagina). Tá calor pra caramba. Então você toma uma, duas, três, quatro cervejas. De repente te dá aquela vontade de fazer xixi, mas, obviamente, é impossível achar um banheiro. Você está sofrendo. E sempre vai ter algum amigo seu pra te lembrar: “bicho, cerveja é diurético. Toda hora você vai querer ir ao banheiro”. 

Ok, cerveja é diurético. Mas parece que a única coisa que eu sei sobre “diuréticos” é que eles me fazer querer ir ao banheiro toda hora. E isso lá é bom? O que mais um produto diurético pode me oferecer?  

Uma das coisas ótimas de escrever para este humilde blog é a possibilidade que tenho de pesquisar coisas que não tinha conhecimento nenhum. E dessa vez essa pesquisa foi fazendo diversos links com outros assuntos relacionados interessantes.  

Mas primeiramente descobri coisas que provavelmente eram óbvias para muitas (pra não dizer praticamente todas) as pessoas: existem remédios diuréticos. E eles são usados para tratar hipertensão e insuficiência renal e cardíaca.  

A engenharia é a seguinte: eles atuam no funcionamento dos rins, alterando o processo de filtração e reabsorção de água e sais. Também aumenta a quantidade de urina que o corpo produz, favorecendo a eliminação do sódio do organismo. E é exatamente esse sódio que é responsável por casos de pressão arterial alta e insuficiência renal e cardíaca. E como esse processo elimina mais água do corpo, sobra menos para ser reabsorvida, fazendo com que esse tipo de remédio também seja indicado para combater a retenção de líquido

Já entrarei nos méritos dessa tal retenção. Antes, um pouquinho dos problemas que os diuréticos podem causar (afinal, nunca é só alegria quando estamos falando de remédios e semelhantes): temos a perda de potássio (que pode causar câimbras, perda de apetite, náuseas e vômitos), tontura, desidratação e diminuição do volume sanguíneo. Maravilha. Por isso é tão importante consultar sempre um médico antes de sair por aí tomando remédios (e cerveja, mas né…)  

Você entende o que faz um diurético?

Agora, a retenção de líquidos: esse é um nome popular que damos para descrever o inchaço no corpo ou em parte dele. Algumas causas são: problemas renais, cardíacos, hepáticos ou doenças da tireoide que provocam um tipo específico de edema (edema é um termo médico para “inchaço”). 

Esse inchaço é causado por um líquido que sai dos vasos sanguíneos e vai para o tecido subcutâneo (uma camada mais profunda da pele). E é isso que faz a pele parecer estufada e brilhante.  

E o que causa isso? Coisas como:  

  • variações de pressão sanguínea em determinada região;  
  • quantidade de proteínas no sangue;  
  • quantidade de sais disponíveis no corpo; 
  • ação da força da gravidade;  
  • Sedentarismo; 
  • problemas renais, cardíacos ou hepáticos; 
  • doenças da tireoide que causam um tipo específico de edema; 
  • remédios, como anti-hipertensivos; 
  • Reações inflamatórias causadas por reações alérgicas. 

 

Sei que parece CAÓTICO, mas na real os casos mais comuns são inchaços locais surgidos por uma má circulação sanguínea na região. 

Mas, obviamente, o diagnóstico da retenção de líquidos pode ser feito por um médico. Portanto, não hesite: VÁ EM UM caso você tenha os seguintes sintômas:  

  • Se seus pés incharem muito a ponto de os sapatos e meias ficarem apertados ao longo ou no final do dia; 
  • Se amanhecer com as pálpebras ou o rosto inchado; 
  • Se houver inchaço assimétrico, mesmo que leve (só uma perna, ou só um braço, por exemplo), pois pode ser um sinal de trombose; 
  • Se aparecer inchaço no corpo, depois de começar a usar um remédio novo. Ele pode ser efeito colateral ou reação alérgica provocados pelo medicamento. 

 

Mas, afinal, existe solução? Existe sim, meu consagrado. Veja:  

  • beba água. BEBA MUITA ÁGUA! (2 litros por dia já tá bom); 
  • coma alimentos com menos sal; 
  • Diversas frutas com alto poder diurético e com nutrientes que facilitam a eliminação de líquidos, como: melancia, melão, abacaxi, pera, maçã, limão e coco.  

 

Dá pra fazer essas coisas sem nem pensar muito, amigo. Aproveita e leva um Desinchá para casa, que ele vai te ajudar na missão. 😉  

 

Voltamos em breve com novas informações.  

 

Assinatura Desinchá

Só quem já sentiu câimbra pelo menos uma vez na vida sabe o quão doloroso isso é. Sentir o músculo repuxando como se duas pessoas estivessem fazendo cabo de guerra com a sua perna. Misericórdia! Pois é. Assim como você, eu também já senti muita câimbra. Perdi a conta de quantas vezes acordei às 2h / 3h da manhã me contorcendo de dor. Acredite em mim: se tem uma coisa que me incomoda, é aquilo que interrompe o meu precioso sono, grr. Resolver esse probleminha com as câimbras era uma questão de vida ou morte. 

Patinho dormindo

Meu avô sempre foi uma pessoa cheia de truques e gambiarras. E olha só… Ele tinha uma “gambiarra” para meus problemas com câimbra também. Pelo o que ele me contou, quando era jovem também sofria horrores com essa maldição. Até que um dia contaram para ele que, se ao dormir, você colocasse três castanhas portuguesas embaixo do travesseiro, ele não teria mais câimbras durante a noite. Aí eu sempre escuto: “Você está tirando onda com a minha cara, né?!”. Mas não, eu não estou. Essa realmente foi a solução que ele encontrou para não ter câimbras durante a noite. 

A partir daí, todos os dias, durante váááários anos (vários MESMO!) ele colocava três Castanhas Portuguesas (em maiúsculo para enfatizar que nenhuma outra castanha daria certo) embaixo do travesseiro antes de dormir.

Fuja do folclore: veja dicas comprovadas para evitar as câimbras 

Muito bem, um problema a menos para ele se preocupar. Durante a noite ele supostamente não sofreria mais com câimbras. Mas e durante o dia? O que ele faria para não sentir essa dor enquanto estivesse atravessando a rua, ou fazendo compras no mercado, ou até mesmo andando em seu burrinho Amendoim?? (Pois é, meu avô tinha um burro de estimação que se chamava Amendoim) 

Mais uma vez ele havia encontrado uma solução para isso, e não envolvia andar por aí carregando três castanhas portuguesas no bolso. Era muito mais prático: ele entrelaçava dois elásticos de escritório (aquelas famosas “liguinhas” de borracha sabe?) e colocava no braço. Para ele, de dia estava protegido pelos elásticos e de noite pelas castanhas.  

Efeito placebo é real minha gente. 

Engraçado que quando questionado se essas técnicas realmente funcionavam ele simplesmente nos dizia: “Bom, eu não sinto câimbras!” E caso você esteja achando que isso era uma loucura única do meu avô, saiba que não, pois a avó de uma colega que trabalha aqui comigo colocava uma colher embaixo do seu travesseiro para dormir. – “Será que eles tinham um clube para compartilhar essas coisas?”, “Um grupo no whatsapp?”, “Uma comunidade no Orkut?” 

Bom… Para meu avô, qualquer técnica para poder evitar essas dores horríveis eram válidas. Jamais conseguiremos provar se realmente eram ou não, mas ainda ficou faltando uma informação: ele comia MUITA banana. E acho que todos sabem, mas a banana é rica em potássio, além de ser um dos alimentos que pode ajudar a diminuir as câimbras.

Homem correndo com caimbra

Há algumas coisas que podem ocasionar as câimbras e deixá-las mais frequentes, como por exemplo: 

  • Não beber muita água: quando não consumimos a quantidade de água necessária para o nosso corpo, não conseguimos transportar os nutrientes necessários. 
  • Falta de sódio: Nosso corpo elimina muito sódio e potássio diariamente, seja pelo suor ou pela urina. 

Se nosso corpo elimina tanto sódio e potássio, então o que devemos fazer é repor isso de alguma forma. Certo? Certo. 

As coisas que meu avô usava para não ter mais esses espasmos musculares não eram garantia de que ele não sentiria mais dor. Mas vou te dar umas dicas aqui do que fazer para não ter câimbra que são 100% seguras e comprovadas. 

Antes de mais nada, é importante que você crie um hábito de alongar seu corpo, seus braços, pernas, coluna… Isso deixa o músculo mais relaxado e menos propenso a ter contrações. Combine isso com alimentos ricos em cálcio, potássio e magnésio (substâncias que, quando em falta no nosso corpo, podem ocasionar a câimbra.)  
 
Alguns desses alimentos são: 

Alimentos que ajudam a evitar a caimbra

E aí, quais desses truques CONVENCIONAIS você vai aplicar na sua vida?  
 
Que alimentos você vai adotar para serem seus elásticos no braço e suas castanhas portuguesas embaixo do travesseiro? 
 
Por um mundo com menos câimbras! 

Assinatura Desinchá

Desde que me conheço por gente, sempre tive o mesmo padrão de sono: ruim. Sei lá, acho que demorei pra perceber que eu estava com problemas para dormir. Pô, eu só conheço o meu sono, nunca soube como comparar com outro.  

Mas enfim, nada que acordar umas 5x durante a noite e passar o dia todo com sono não me ligasse um alerta. E antes de procurar um médico, procurei métodos “caseiros” para dormir com mais facilidade. Isso criou alguns vícios ruins, como dormir com a TV ligada (a voz do Jô Soares entrevistando alguém sempre me fez dormir em 10 segundos), tomar xarope para tosse (diziam que dava sono, fazer o que…) e até tentar meditar.  

Problemas para dormir? Nós podemos te ajudar!

Bem, jovens leitores, o problema é que esse sono ruim acumulado de mais de 20 anos me transformou em um zumbi num parque de diversões: sempre achei que estivesse tudo bem e estava lá, vivendo. Mas um pouco arrastado demais. Sempre tive dificuldades para acordar, para ME MANTER acordado, me concentrar, ou realizar qualquer atividade com o melhor que eu pudesse oferecer.  

E como eu descobri isso? Da maneira que eu considero a pior possível: tomando remédios. Vendo que, sob efeito dessas drogas, meu desempenho em praticamente tudo ao meu redor melhorava. Ou seja: por quase toda minha vida, com quase 30 anos, eu submeti o meu corpo a hábitos extremamente prejudiciais. Seja pelo efeito de todas as noites mal dormidas ou pelo estrago que remédios fazem ao nosso organismo.  

Não seja essa pessoa. O sono é uma das coisas mais importantes que existem e é possível ajustá-lo sem muito sofrimento. A privação de sono aumenta o risco de doenças como diabetes, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares e até obesidade. Mas sei que dormir 8 horas BEM dormidas é um luxo para poucos. Alguns dados do Instituto do Sono:  

  • 63% da população adulta do País têm alguma queixa relacionada ao sono
  • A insônia atinge 73 milhões de brasileiros; 
  • Em São Paulo, 25% da população apresenta problemas para dormir; 
  • 27% acorda precocemente; 
  • 36% têm dificuldade de manter o sono. 

E as causas são bem fáceis de imaginar: elas estão relacionadas com o estresse do dia a dia agitado do mundo contemporâneo e com a baixa produção de serotonina, um neurotransmissor que regula o ritmo do sono.  

Uma noite de sono bem dormida costuma levar de 6 a 8 horas. Alguns conseguem ficar bem com 5 horas de sono, outros precisam de até 9 ou 10 horas. No geral, os mais velhos precisam de menos horas do que crianças e adolescentes. 

Você pode seguir essas dicas para dar o primeiro passo na melhora do seu sono:  

  • Não exagere nas refeições antes de deitar;  
  • Faça exercícios físicos durante o dia, mas evite-os à noite;  
  • Evite cafeína, nicotina e álcool ao final do dia; 
  • Deite sempre no mesmo horário, inclusive aos finais de semana;  
  • Tente relaxar com exercícios específicos ou tome um banho quente antes de deitar; 
  • Evite dormir durante o dia. Caso você precise muito, durma por no máximo 1 hora, antes das 15h; 
  • Não ligue a TV no quarto;  
  • Use a cama apenas para dormir; 
  • Se passar meia hora e você ainda não tiver dormido, tente ler um livro no máximo com a luz de um abajur.  

Se nada disso diminuir os problemas para dormir, aí é chegada a hora de procurar um médico. Existem distúrbios do sono que são muito graves e precisam de acompanhamento, como a apneia. Você pode precisar de tratamento clínico, algum aparelho para auxiliar ou até mesmo uma cirurgia.  

Ainda temos mais um problema sem solução em nossos tempos atuais: os tablets e celulares. Como muitas pessoas, principalmente adolescentes, têm usado esses aparelhos antes de dormir, o sono delas tem sido prejudicado. Fica aí a preocupação e o desafio.  

Mas ainda tenho uma última dica: antes de deitar, quando já tiver feito os rituais de sempre (melhor ainda se forem os da lista aqui de cima), prepare um Desinchá Noite. Seu sono vai ser melhor do que nunca!  

Depois conta pra gente o que achou. 😉 

Assinatura Desinchá

Os podcasts são hoje a forma mais prática de consumir informação na hora que você quiser. Para quem não gosta ou não consegue acompanhar os telejornais, ouvir rádio ou ler textos nos sites, jornais e revistas, esse formato cai como uma luva. Basta ter um smartphone com conexão de dados na mão e um fone no ouvido para escutar onde quiser, até durante o treino! 

Existe uma infinidade de temas e duração para todos os gostos. Então porque não usar essa plataforma para ouvir podcasts sobre saúde e se informar sobre nutrição, atividades físicas, dietas e tudo mais o que quiser? 

Fizemos uma lista com os 5 melhores podcasts sobre saúde para você devorar. Confira! 

5 Podcasts sobre saúde que você precisa consumir

Bem Estar & Movimento 

O educador físico Marcio Atalla é figura conhecida na grande mídia e se tornou o queridinho dos grandes programas de TV e rádio. Na rádio CBN, diariamente ele entra ao vivo no Jornal da CBN, em participações rápidas, para responder dúvidas relevantes de ouvintes sobre alimentação e exercícios físicos. Esses áudios ficam disponíveis na parte de podcasts do site da rádio, Spotify e iTunes. 

  

Detetives da Saúde 

Lançado em junho, o Detetives da Saúde é produzido pela Revista SAÚDE e conta com a credibilidade da Editora Abril. A cada episódio recebe 3 convidados que complementam as informações e ajudam o ouvinte a adquirir conhecimento mais amplo sobre os temas, de forma leve e objetiva. Os assuntos em pauta são sempre relacionados a alimentação, atividades físicas, medicina e bem-estar físico e mental. Por enquanto está disponível no Spotify, Google Podcasts, no Pocket Casts e iTunes. 

  

Senhor Tanquinho Podcast 

A dupla Guilherme e Roney passou pelos próprios perrengues com a balança: um sempre foi gordinho e o outro, magrelo. A insatisfação e inabilidade em controlar a forma física fizeram com que eles aprendessem que existem diversos fatores importantes que precisam caminhar juntos para alcançar o objetivo do corpo desejado. 

Após muitas experiências, eles lançaram o site Senhor Tanquinho e posteriormente, o podcast com temas focados em saúde, diversos tipos de dietas e atividades físicas. Os episódios são lançados todas as segundas-feiras, sempre com participação de especialistas. Está no Spotify, iTunes e no próprio site.  

  

O Cara da Academia 

Produzido pelo Dicas Curtas e apresentado por Renato Silva, o podcast aborda diversos tipos de treinos, explicando de forma rápida como funcionam e suas indicações, além de abordar treinamentos para esportes mais específicos como ciclismo de estrada e maratonas, por exemplo. Os episódios são lançados às quintas-feiras e ficam disponíveis no Spotify. Os termos e vocabulário são mais familiares para quem já tem conhecimento intermediário, então se você está começando agora, talvez fique meio perdido em alguns temas. 

  

Beleza Pra Quem? 

“Tudo é uma questão de manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranquilo”, diz sabiamente a música de Walter Franco. Então, para encerrar a lista, tem uma dica de podcast para cuidar da mente. Apresentado por Marina Santa Helena e produzido pela B9, o “Beleza Pra Quem?” é lançado em temporadas e atualmente já completou sua 5ª. Os temas são diversos, mas sempre com a intenção de te fazer refletir a partir das informações passadas pela apresentadores e pelos convidados que participam dos episódios, que podem ser acessados no iTunes, Spotify e SoundCloud. 

  

Estamos até pensando em criar podcasts sobre saúde. O que acham? 😊 Assinatura Desinchá

Você já se perguntou como acontece o processo de transição de gênero e como o corpo reage a essa mudança? Praticamente ninguém fala sobre isso, e o assunto pode gerar várias dúvidas. Bom! Hoje nós vamos falar sobre isso (ufa!)

Mas antes de qualquer coisa, precisamos entender a diferença entre sexo, gênero e orientação sexual.

São classificações diferentes, com determinantes diferentes e que precisam ser entendidas assim, pois elas formam seres humanos diferentes, com suas particularidades e complexidades.

Diferença entre sexo, identidade de gênero e orientação sexual

SEXO 

O sexo talvez seja a característica ‘menos complexa’ das citadas. Ele é definido pela combinação dos nossos cromossomos com a nossa genitália. Dessa combinação, nascem o que chamamos de macho, fêmea ou intersexual.  

O intersexual biologicamente não se encaixa na classificação binária de “macho” e “fêmea”. A biologia nos ensina que o macho é XY e a fêmea XX, mas isso não acontece em todos os casos. Há uma minoria da população que nasce com uma divergência entre o sexo genético e as gônadas (glândulas sexuais) e/ou genitais, os intersexuais.  

Existem mais de 40 possíveis causas para esses casos e a cada dia aparecem mais, por isso não vamos falar de uma por uma, mas é importante falar que o termo “hermafrodita” NÃO DEVE SER USADO. Esse é um termo grego, ultrapassado, que coloca todos os intersexuais numa mesma bolha, quando, na real, existem várias possibilidades para a intersexualidade se manifestar. 
 

GÊNERO 

O Gênero vai além do que as classificações binárias das ciências biológicas definem como sexo. Os gêneros estão mais associados à cultura e à sociedade, e construídos conforme o ser se desenvolve nesses cenários. Portanto, mais relacionados às ciências sociais.  

Judith Butler, maior pensadora do assunto, nos ensina que os gêneros são complexos e variados, mas que não temos consciência disso porque fomos habituados a uma estrutura social patriarcal, baseada nas divisões de “homem” e “mulher”, que sempre rejeitou o diferente e a multiplicidade dos outros gêneros sociais.  

Fomos moldados (desde que nascemos) a crer que “homem é homem” e “mulher é mulher”, e a defender que existem “coisas de homem” e “coisas de mulher”, mas hoje facilmente vemos que somos muito mais plurais que isso e devemos assumir nossas identidades.  

Para falar de identidade é preciso falar de identidade de gênero. As identidades de gêneros abrangem todas as particularidades e complexidades das relações e identidades humanas, vai além do tradicional “homem” e “mulher”. É meio subjetivo, eu sei, mas é na subjetividade que está o segredo para entender a pluralidade. A pluralidade se traduz nas relações, no sentimento, da pessoa com ela mesma, ou com outra pessoa, no amor. O amor independe do sexo e é claro que ele pode ser binário, entre homem e mulher, mas da mesma forma pode se desenvolver em relações não-binárias, explorando outros gêneros. 

Existem pessoas com mais de um gênero, como os transgêneros, transexuais e travestis. Elas possuem uma identidade de gênero diferente do que elas foram ensinadas a ter. Cresceram como mulheres, mas se identificam como homens; ou cresceram como homens e se identificam como mulheres. Afinal, o que é mais importante: a certidão de nascimento, que é um pedaço de papel praticamente imposto, ou como a pessoa se vê?  

É claro que existem as pessoas que se identificam com o gênero que está na certidão de nascimento delas: essas recebem o nome de cisgêneros.  

 

ORIENTAÇÃO SEXUAL 

Isso mesmo: orientação e não opção, porque como falamos, o amor é subjetivo – ninguém escolhe quem quer amar.  

A orientação trata das práticas sexuais e afetivas do ser humano. Ela também é pré-determinada pela sociedade, pois a heterossexualidade sempre esteve nas lideranças, oprimindo qualquer outro tipo de relacionamento. Mas não é assim que funciona.  

Por mais que as relações de poder sejam dominadas por uma elite heterossexual que impõe uma heteronormatividade (normas sociais históricas que impuseram uma série de padrões) que atinge relacionamentos, comportamentos e levam a maior parte da sociedade a acreditar que só o heterossexual é normal. Existem e sempre existiram outras formas de amar e de se comportar. São tantas que, a cada dia, se descobrem novas e algumas nem possuem nome, ou ainda nem entraram na sigla do movimento LGBTQIA+… Mas merecem direitos e respeito! 

 

Algumas orientações sexuais: 

Homossexuais – Atração afetiva e sexual por pessoas do mesmo gênero e sexo. Lésbicas são mulheres que gostam de mulheres, gays são homens que gostam de homens.  

Bissexuais – Atração afetiva e sexual por qualquer pessoa do binarismo “homem” e “mulher”. 

Heterossexuais – Atração afetiva e sexual por pessoa do gênero/ sexo oposto  

Assexuais – Pessoas que não sentem atração por nenhum outro gênero. Pode ser uma “sexualidade” em construção.  

Pansexuais – Pessoas que tem para si que gênero e sexo não são fatores determinantes para se atrair afetivamente e sexualmente por outra pessoa. 

Vale destacar que os gêneros e as orientações sexuais são independentes, nada impede que uma mulher trans se relacione com uma mulher (não necessariamente trans), ou que um homem trans se relacione com outro homem (não necessariamente trans) ou com outra mulher. Ou seja: um transexual pode se identificar como homossexual, heterossexual, bissexual, pan…  

Agora que as diferenças estão bem claras aqui, você já sabe que os transgêneros são pessoas que possuem um gênero que não se identifica com o seu sexo e com o gênero que lhes foi imposto desde o nascimento. E que isso é completamente normal e não uma doença ou qualquer outra besteira que as pessoas falam por aí. Agora, vamos entender o que é a transição de gênero e como acontece esse processo.
 

Precisamos falar sobre transição de gênero

A TRANSEXUALIDADE NÃO É DOENÇA  

Em 25 de maio desse ano, a OMS removeu a transexualidade da classificação de transtornos mentais. Antes chamada de “transtorno de identidade de gênero”, agora a transexualidade é enquadrada na área de sexualidades como “incongruência de gênero”. A agência de saúde da ONU concluiu que a transexualidade não é um problema de saúde mental, e pretende impactar a impressão errada que as pessoas tem da transexualidade e também da diversidade de gênero permitindo, assim, que essas pessoas tenham mais facilidade de acesso a saúde.  

Vou explicar em um parágrafo do que se trata a transexualidade: quando uma pessoa nasceu e foi criada para ser algo com o qual ela não se identifica, como uma pessoa do sexo feminino que na certidão de nascimento consta como “menina”, mas ele sempre soube que era “menino” (ou vice-versa). Em uma determinada época, ele decide se assumir conforme sempre se viu, e aí inicia a chamada “transição de gênero”. 

A transição de gênero pode acontecer de algumas formas e em várias áreas da vida da pessoa. Neste artigo pretendemos trazer algumas delas para te ajudar, caso você não se sinta confortável no corpo que você está. Resumidamente, tentaremos trazer o que acontece com o corpo em cada transição, até porque o processo é bem longo.  

Antes de entrar na transição, caso você não se sinta confortável consigo mesmx, procure um terapeuta. Existem, inclusive, os que são especializados em gênero. Caso encontre algum e não se identifique, procure outro e tenha sempre em mente: você não está doente, muito menos sozinhx!  

A TRANSIÇÃO SOCIAL 

A transição social trata de como você se relaciona com a sociedade e de como você gostaria que ela te tratasse. Existem algumas possibilidades para transição social, elas são normalmente a mudança de nome, das vestimentas e cabelos.  

O nome você tem todo direito de escolher o que desejar e pedir para que as pessoas se refiram a você usando-o. Vale lembrar que você pode ter um nome de batismo e um nome social, ou pode alterar a sua assinatura (o seu nome para valer). Novamente: é um direito seu, não fique com medo de corrigir as pessoas quando usarem “o” para se referir a você e não “a” e vice-versa.  

Outro aspecto da transição social pode ser a mudança no visual, como as alterações nas roupas e cabelos. É claro que tudo depende de como você se sente e deseja.  

 

A TRANSIÇÃO HORMONAL 

A transição hormonal tem que ser feita com o acompanhamento de um endocrinologista e, para os menores de idade, é importante o acompanhamento e a autorização dos pais ou responsáveis. Ela visa diminuir ou inibir a produção hormonal do sexo que a pessoa não se identifica e estimular, por meio da ingestão dos hormônios, o aparecimento das características do gênero para o qual a pessoa quer fazer a transição. É aqui que a transição física começa realmente.  

O tratamento hormonal é realizado durante um bom tempo e marca o aparecimento das características sexuais secundárias do sexo escolhido. Ele permite, por exemplo, o crescimento das mamas, redistribuição de gorduras e diminuição no crescimento de pelos; ou a potencialização do desenvolvimento muscular, maior distribuição e crescimento dos pelos e a interrupção da menstruação.  

 

AS INTERVENÇÕES CIRÚRGICAS 

O momento mais “invasivo” da transição são as cirurgias.  

No caso da transição mulher-homem, pode-se retirar o útero, os ovários e as mamas. Também é possível a realização da chamada metoidioplastia, realizando o alongamento do clitóris, além de uma reconstrução do órgão como um pequeno pênis. A cirurgia garante a ereção e a possibilidade de urinar em pé. Também é possível construir a bolsa escrotal, como um testículo aparente. O processo, inclusive, pode ser realizado no SUS.  

No caso da transição homem-mulher, é realizada a remoção dos testículos e a construção, a partir da pele do pênis e um pedaço da mucosa do intestino, de uma neovagina. O procedimento também está disponível no SUS!  

O processo de transição de gênero não é simples, e também não é rápido. Ele exige o envolvimento de uma série de especialistas de saúde física e mental, além de paciência.

No vídeo abaixo, você pode descobrir mais detalhes sobre isso:   

 

Assinatura Desinchá

 É difícil amar o nosso corpo – principalmente quando somos bombardeadxs a todo momento com imagens de um ideal super difícil de atingir. É mais comum do que a gente imagina, por uma preocupação com a aparência, ver pessoas sofrendo com transtornos alimentares. É a amiga que para de comer. O cara que não sai da academia e chega a tomar “bomba” para esculpir os músculos. Ou quem toma laxantes e até induz vômito. 

Transtornos alimentares: quando o “saudável” se torna problemático

Então falamos muito aqui na Desinchá sobre a importância de uma boa alimentação, de praticar exercícios físicos, et tals, mas o parágrafo anterior já deve ter te mostrado que tudo em excesso pode virar problemático. 
 
Esse assunto é sério, e já vi tantas pessoas ao meu redor sofrendo com algum tipo de distúrbio. Por isso resolvi aproveitar esse espaço aqui no blog para discutir sobre o assunto. Se você identificar algum doabaixo no seu comportamento (ou no de alguém que você gosta), recomendo procurar um especialista – seu médico ou seu psicólogo.
 

Transtornos alimentares

É difícil definir o que desencadeia cada um desses transtornos alimentares, e o tratamento costuma ser multidisciplinar. Médicos (nutrólogos, psiquiatras e clínicos gerais), nutricionistas, psicólogos, preparadores físicos e outros profissionais atuam em conjunto para recuperar a saúde (física e mental) dos pacientes. 
 
Mesmo assim, existe um fator social nisso tudo, para além do indivíduo. Por isso é tão importante a gente falar sobre o culto a padrões estéticos inalcançáveis. Pode parecer trabalho de formiguinha, mas se começarmos a trazer esses assuntos nas nossas bolhas, vamos desmistificando aos poucos as situações em que o “saudável” se torna problemático. 
 
Sem falar que, para quem sofre com algum desses transtornos alimentares, o apoio da família e dos amigos é importante DEMAIS. Negar que existe algo errado não é um bom caminho, muito embora a falta de comunicação nesses casos pareça o padrão. Alguns familiares chegam a sentir culpa, o que está bem longe de ser uma emoção justa (ou produtiva). Muitas vezes a família também precisa de cuidados, como terapia familiar. 
 
Independente qualquer coisa, esse é um exercício que todos podemos fazer. Precisamos olhar para dentro e não apenas para fora. Cuidar da aparência, mas ainda mais de como a gente se sente. Porque é difícil sim amar o nosso corpo, e talvez por isso mesmo esse seja um ato tão revolucionário. 
 



Se identificou com os sintomas listados aqui? Procure ajuda. 

Assinatura Desinchá

Você, por um acaso, já foi parar em alguma conversa completamente sem noção onde as pessoas ficam fritando o cérebro em previsões sobre o futuro? Eu tenho certeza que sim.  

Nessas rodas você encontra todo tipo de perfil: os otimistas, os pessimistas, os paranoicos, os conspiracionistas, os cinéfilos (aqueles que usam exemplos de filmes hollywoodianos para defender sua visão de futuro) e os que simplesmente não se importam (o que muitos julgam ser o melhor tipo dessa lista. Por mim tudo bem). 

Mas o plot twist da vez é o fato de que existe a possibilidade do cinéfilo estar correto. É isso mesmo que você leu: o universo fantasioso do cinema parece estar se tornando parte da realidade. Estaríamos nós vivendo na Matrix?  

Você, caro leitor, já assistiu ao filme “Sem Limites”? Caso não tenha visto, é basicamente sobre um cara que começa a tomar uma pílula que faz o cérebro performar com 100% da sua capacidade. A partir disso, ele fica focado e produtivo como ninguém, ultra criativo, faz cálculos impossíveis, aprende outros idiomas com uma facilidade absurda, escreve muito rapidamente, e outras coisas impressionantes.  

Isso parecia absurdo até outro dia. Mas uma palavrinha da moda está fazendo com que NOS PERMITAMOS SONHAR: já ouviu falar de Biohacking

Biohacking: medo ou esperança no futuro?

Já que os hackers estão na moda, fica mais fácil explicar esse conceito: é quase o mesmo princípio do que eles fazem com computadores, mas aqui o nosso corpo que é hackeado. E ao invés de nos roubarem dados, são incluídas substâncias ou abordagens não interventivas, como cromoterapia, que trazem melhorias para o seu corpo. 

A diferença desse novo método levemente assustador é que ele aborda nosso corpo pelo ponto de vista biológico, enquanto outros métodos usam técnicas como metas curtas, cronômetros para tempo de foco. Ou seja: o Biohacking utiliza implantes, suplementos ou alimentos para potencializar suas qualidades.  

Existem dois tipos de abordagens dessa técnica:  

  • Interventiva – você melhora seu próprio corpo com o uso de implantes que potencializam sua capacidade. Por exemplo, com chips implantados no braço que liberam suplementos periodicamente. Tem até gente que até implanta uma substância no olho para enxergar no escuro. O tipo da coisa que é meio bizarra, mas o jovem vai adorar. 
  • Não interventiva – aqui são usados apenas elementos externos. Desde áudios para melhorar a concentração até a cromoterapia para dormir melhor.  

O que os dois casos tem em comum é o fato de usarem da biologia para melhorarem seus corpos.  

E disso surge a expressão que vai confundir a cabeça de muitos distraídos por aí: o transhumanismo. Essa expressão não tem nenhuma relação com gênero. Ela apenas define a crença de que é possível melhorarmos nossos corpos, nossa condição como seres humanos, com a tecnologia. Seria o “super homem” previsto por Nietszche? Bom, na verdade esse “super homem” do famoso filósofo é muito mais complexo que isso, mas eu queria colocar uma referência inteligente no texto.  

Mas o Biohacking não se limita apenas a melhorar sua performance em exercícios ou fazê-lo enxergar melhor. Ele já faz coisas que fazem você pensar que está em um filme futurista do Steven Spielberg (lembra que os cinéfilos tinham razão?)  

Por exemplo, uma pessoa que se tornou famosa por produzir diversas coisas através do Biohacking chama-se Dave Asprey: ele produziu um café com manteiga que aumenta muito sua energia, um óculos com lentes alaranjada que melhora a qualidade do sono e audição de sons binaurais para aumentar o foco.  

Mas ele é super tranquilinho comparado com alguns outros que não tem muito medo de experiências intensas. Alguns implantam chips para conseguir abrir fechaduras eletrônicas, outros implantam imãs para sentir campos eletromagnéticos, e outros que não conseguem enxergar cores e passam a conseguir, através de um sistema que capta a frequência da vibração de cada cor e transforma em sons que permitem que o cérebro identifique essas cores.  

É claro que tudo isso é muito além e muitos desses experimentos são perigosos. Mas estamos abordando, aqui, o fato de que a tecnologia está seguindo um caminho que pode nos livrar de diversos problemas que tanto nos perseguem durante os séculos.  

Existem coisas que fazem parte do Biohacking que você nem sabia: diversas pessoas utilizam marca-passo para regular os batimentos do coração, mulheres que implantam chips que liberam anticoncepcionais, aparelhos auditivos, etc. Tudo isso são invenções humanas que melhoram características do nosso corpo.  

E mais: um exemplo de Biohacking não interventivo que está completamente ao nosso alcance é a alimentação. Quando controlamos o que ingerimos escolhendo cuidadosamente o que vamos consumir pensando única e exclusivamente nos benefícios que esses alimentos podem trazer, estamos tentando melhorar nossa disposição, nosso foco e nossa produtividade. Tudo com base científica. Nada é mais importante para controlar o nosso corpo quanto a alimentação.  

Para dormir é o mesmo princípio: o Biohacking aborda métodos como exposição a luzes específicas e apps para livrar o ambiente da radiação. E todas as dicas que já demos aqui como estar em um lugar completamente escuro, não tomar cafeína depois das 18h, evitar luzes brancas e refeições pesadas.  

Mas o resumo de tudo é o seguinte, crianças: pelo amor, não tentem DO NADA montar um laboratório em seu quarto e ficar implantando chips em seus braços pra fazer coisas que nós já sabemos fazer naturalmente, como abrir portas. Mas seguir dicas seguras como melhorar a alimentação e o sono podem ser uma ótima porta de entrada para entender como funciona o mundo da busca por uma melhor performance física e mental. Mas é muito importante sabermos para onde o mundo está caminhando, pois só assim podemos ter uma noção de onde podemos chegar.  

Eu só sei que não quero entrar na Matrix.  

Assinatura Desinchá

Então o prato do dia é uma redatora falando sobre palavras? Sim, isso mesmo! Porque no mundo da saúde e exercícios existem uma série de palavras mal interpretadas que precisam de uma boa revisão PRA ONTEM. Sem mais nhe-nhe-nhe, vamos a elas:

5 palavras para atualizar no seu dicionário saudável

 

#1 Dieta

Em algum momento da nossa história (falando assim até parece um grande acontecimento, né?), começamos a usar “dieta” como sinônimo de privação. “Dieta” é comer aquela saladinha sem graça com peito de frango sem gosto que a nutri passa para a gente no almoço e no jantar, UHH.  
 
#SQN, Brasil. “Dieta” é um termo genérico para descrever os hábitos alimentares de uma pessoa ou de um grupo. Quaisquer hábitos. Então você pode ter “uma dieta rica em alimentos processados” que não vão fazer nada bem para esse incrível sistema biológico chamado “seu corpo”. 
 

#2 Exercícios físicos

Polêmica! Polêmica! (*gritou ela como se estivesse distribuindo o jornal de hoje*) Exercícios físicos NÃO SÃO o mesmo que atividades ou recreação física. Rá! Exercícios têm uma relação de causa e efeito na modificação corporal. É quase como se fosse uma prescrição: faça XYZ para conseguir braços torneados e um abdômen tanquinho.  
 
Nas atividades / recreação física, por outro lado, existe uma série de variáveis que deixam muito difícil estabelecer essa relação de causa e efeito. Por isso sim, correr com o seu cachorro é ótimo, mas não se enquadra na categoria de exercícios, ok? 
 

#3 Alimentação saudável

Porque isso é muito abstrato. De uma forma geral, você pode entender “alimentação saudável” como comer comida de verdade – e se livrar dos ultra-industrializados. Mas tá bom, depois daí, para onde a gente vai? Tipo, pode comer feijão ou não pode? Por que as frutas parecem ter virado vilãs de uma hora para a outra? Qual o problema do leite? E as quantidades em cada porção?? 
 
O importante a saber aqui é que você pode direcionar sua alimentação para o seu OBJETIVO de saúde / corpo / vida. Então uma dieta (olha ela aqui!) para aumentar sua fertilidade vai ser diferente de uma para queimar gordura, desenvolver os músculos, viver 100 anos (longevidade), treinar para uma maratona, virar fisiculturista…  
 
Não existe nada “ideal” até você responder essa pergunta: “ideal PARA QUÊ?” 
 

#4 Celulite

 Na verdade, essa é uma palavra para DELETAR do nosso dicionário. Porque na #real #oficial, celulite é uma condição inventada pela indústria para nos vender produtos, garoooutas. “Esses furinhos na sua bunda / coxas são horríveis. Aqui, temos o creme perfeito para te ajudar!” Em 4 Horas para o Corpo, Tim Ferris diz que essa palavra apareceu impressa pela primeira vez numa edição da revista Vogue de 1968.  
 
E claro, de lá para cá, nós aprendemos a odiar essa particularidade do nosso corpo. Mas talvez a gente precise fazer um esforcinho para mudar isso. Porque no fim das contas, ter celulite é um efeito colateral de ser mulher. Isso tem a ver com a forma como nossa gordura é armazenada (em colunas verticais) em contraste com a gordura nos homens (com linhas entrelaçadas). Já reparou que, mesmo com bastante sobrepeso, é difícil encontrar um homem com celulite? Enquanto isso, mesmo mulheres super magrinhas sofrem com essa alucinação. Pois é. Antes de inventarem a celulite, ela era chamada simplesmente de PELE. 
 

#5 Tonificar

Eu te imagino como uma pessoa prática, sem mimimi, que vai direto ao ponto (se estiver enganada, pode me corrigir nos comentários, taokei?). Então deixa eu te contar que a magia da transformação corporal é mais simples do que muita gente tenta nos convencer. 
 
Um músculo cresce ou diminui. 
A gordura corporal aumenta ou diminui. 
 
Uma pessoa com um físico “tonificado” é alguém com pouca gordura, de um jeito que os músculos fiquem aparentes, porém sem uma musculatura super desenvolvida (estilo fisiculturista). É o que algumas pessoas chamam de físico atlético (o que é uma grande besteira, porque tanto uma ginasta pequena, quanto uma jogadora de vôlei longilínea, quanto uma levantadora de peso grande SÃO ATLETAS). 
 
Já uma mulher com os músculos desenvolvidos como a moça “tonificada”, mas que tenha mais percentual de gordura no corpo, vai se parecer mais com aquele modelo mulherão curvilínea.  
 
Se a gente voltar duas casas nesse jogo, vai entender que a mecânica por trás é mais simples do que tentam nos vender. 
 
E a Desinchá surgiu exatamente com esse mote de que ei! Saúde é simples (e pode ser bem gostosa também). 🙂 

Assinatura Desinchá

Tratar diversos tipos de dores com a inserção de agulhas muito finas através da pele de uma pessoa em pontos específicos do corpo pode soar estranho. E assim muitos pensam desse lado do mundo. Mas para os povos orientais, principalmente os chineses, essa é uma prática medicinal antiga, respeitada e muito difundida. Hoje, nós ocidentais, já estamos familiarizados com a ideia de que pequenas agulhas podem nos ajudar no enfrentamento dos mais diversos tipos de dores. Como a acupuntura funciona cientificamente não é um consenso: com muitas pesquisas sendo realizadas a cada ano, algumas pessoas afirmam que a acupuntura funciona por equilibrar a energia vital, enquanto outros acreditam que tenha algum efeito neurológico envolvido.

Acupuntura: Sabedoria milenar apoiada pela ciência

A acupuntura remonta a pelo menos 100 A.C., quando um sistema de diagnóstico e tratamento usando agulhas foi registrado por escrito pela primeira vez na China. No entanto, a prática provavelmente precede esta história. De acordo com a medicina tradicional chinesa, a saúde é o resultado de um equilíbrio harmonioso de dois extremos de nossa força vital: o “Yin” e o “Yang”. Portanto a doença seria a consequência de um desequilíbrio dessas forças. Essa força vital, chamada pelos chineses de QI (normalmente se pronuncia “chi”), flui através de caminhos no corpo humano e estes fluxos de energia são acessíveis através de 350 pontos de acupuntura espalhados pelo corpo. Inserir agulhas nesses pontos, com as combinações apropriadas, traz o fluxo de energia de volta para o equilíbrio adequado. Mas a prática moderna da acupuntura mudou consideravelmente desde que foi introduzida inicialmente na China; no século XVIII, a acupuntura já se mostrava muito diferente das práticas descritas nos textos chineses antigos, e no início do século 20, os alunos da academia médica imperial chinesa já não estudavam mais a acupuntura.  

Alguns especialistas usaram neurociência para explicar a acupuntura; os pontos onde são inseridas as agulhas são vistos como lugares onde os nervos, músculos e tecido conjuntivo podem ser estimulados. A estimulação aumenta o fluxo sanguíneo, ao mesmo tempo desencadeando a atividade dos analgésicos naturais do corpo humano. 

Mas realmente funciona? Desenvolvida há milênios na China, numerosos estudos recentes conduzidos por cientistas na Europa e nos Estados Unidos demonstram que a acupuntura é, no mínimo, moderadamente eficaz no tratamento de alguns problemas de saúde. Segundo a Organização Mundial de Saúde a acupuntura provou-se eficaz em relação a muitas condições do corpo, principalmente no tratamento de dores crônicas e efeitos colaterais indesejados oriundos de tratamentos de algumas doenças como a quimioterapia, além da eficácia comprovada por estudos no tratamento de cefaleia e enxaqueca, bem como dores de garganta, no ombro, cotovelo e incômodos causados por osteoartrite.  

A Organização Mundial de Saúde (OMS) listou, em 2003, uma série de condições em que a acupuntura tem eficácia comprovada, dentre elas dor facial ou de dente, pressão arterial elevada ou baixa, rinite alérgica, entorses, artrite reumatoide, até mesmo algumas condições gástricas e para reduzir o risco de acidente vascular cerebral (AVC). A OMS também lista algumas enfermidades nas quais a acupuntura pode ter efeitos positivos, porém mais evidências são necessárias para comprovar o seu benefício, como a fibromialgia, neuralgia, convalescença pós-operatória, dor na coluna vertebral, torcicolo, tosse compulsiva ou coqueluche e síndrome de Tourette. Há um crescente número de pesquisas estudando se a acupuntura também pode ser usada para tratar a depressão, distúrbios do sono e dependência de drogas. Em geral, no entanto, a acupuntura é considerada complementar aos tratamentos convencionais, e é provavelmente mais eficaz quando implementado junto com um estilo de vida e hábitos saudáveis. 

A acupuntura pode ser uma grande aliada no tratamento de algumas doenças e de muitas dores, crônicas ou não, e durante todo o período de existência dessa técnica fomentou discussões e fez com que médicos de todo o mundo pesquisassem exaustivamente seus princípios e resultados. Se há um consenso sobre o assunto é de que a acupuntura tem se mostrado muito útil se vinculada a tratamentos médicos convencionais. Normalmente, quando as pessoas estão mais conscientes de sua saúde, elas prestam mais atenção a respeito de suas dietas, elas se exercitam mais e pensam em uma abordagem corpo-mente para diminuir o stress, ao invés de usar a acupuntura para tratar tudo. Portanto informe-se e se cuide para manter sua saúde em dia, e conte com a sabedoria milenar chinesa como uma grande ajuda para manter o equilíbrio da saúde de seu corpo e mente. 

 Assinatura Desinchá

Pode procurar no seu navegador: “drenagem linfática”. A busca vai retornar uma longa lista de clínicas que oferecem esse tratamento e todas falando dos resultados incríveis que uma sessão por semana pode fazer no seu corpo. Mas será que é tudo isso mesmo? Dá pra confiar? 
 
Sim. A drenagem linfática dá resultados. Mas antes de você sair correndo para marcar sua hora, tem muitas outras coisas que precisa saber sobre esse procedimento, desde o profissional habilitado a fazer até as contraindicações. Pois elas existem, viu! 

Como funciona a drenagem linfática?

Esse tipo de massagem, que só pode ser aplicado por fisioterapeutas ou massoterapeutas, atua no sistema linfático, que é uma rede complexa de vasos pelo corpo por onde se move a linfa, líquido rico em proteínas, glóbulos brancos, microrganismo, células mortas, células sanguíneas e pode também carregar bactérias e toxinas. Seu aspecto é viscoso e amarelado. A linfa, assim como o sangue, realiza trocas metabólicas com as células e em seguida é recolhida pelos vasos do sistema linfático, retornando aos gânglios.  

O objetivo da drenagem linfática, ou drenagem para os mais íntimos, é retirar a linfa acumulada entre as células e devolvê-la a circulação para que seja filtrada pelos gânglios linfáticos (ou linfonodos). Esses gânglios fazem parte do sistema imunológico e sua função é ajudar o corpo a reconhecer e combater germes, infecções e outras substâncias estranhas. Então, após esse processo, os nutrientes são absorvidos pelo organismo e o que não presta é eliminado. 

Para cada parte do corpo existem movimentos adequados, mas eles sempre devem ser feitos no trajeto dos vasos e no sentido do linfonodo correto. Por exemplo, a drenagem nas penas e barriga devem seguir em direção a virilha, nos braços e tórax os movimentos vão em direção a axila.  

A técnica mais utilizada e eficiente é a manual, mas a drenagem também pode ser feita com aparelhos da endermologia, que possuem mecanismos de vácuo e rolamento. A desvantagem é que o profissional não consegue ver nem sentir a área massageada e trabalhar com ênfase nos pontos mais necessitadas. 

O resultado mais desejado é a diminuição do inchaço e, consequentemente, das celulites e medidas. Aliás, esses são os principais motivos pelo qual a drenagem ganhou tanta popularidade. Mas existem outros benefícios:  

– Ajuda a melhorar sintomas da tensão pré-menstrual, já que, além de auxiliar na eliminação de líquidos e combate o inchaço, ajuda a controlar a ansiedade, pois tem efeito relaxante. 

– É eficaz em pós-operatórios, pois regenera tecidos para reduzir cicatrizes em locais de incisão cirúrgica, reduz o inchaço, desintoxica o corpo, ajuda a circular os glóbulos brancos para melhorar o processo de cicatrização, além de melhorar o bem estar e promover o relaxamento. Ela não deve ser feita logo após a cirurgia. O adequado é esperar pelo menos 6 semanas antes de receber uma, ou até que um médico libere o paciente para a massagem. 

– Aumenta a taxa metabólica porque livra seu corpo de produtos de resíduos através de seus gânglios linfáticos. Um sistema linfático saudável contribui para uma taxa metabólica saudável. Quanto maior sua taxa metabólica, mais gordura seu corpo queima por minuto (mesmo quando você está inativo ou simplesmente sentado). 

Uma grande polêmica sobre a drenagem é se ela pode ser aplicada em mulheres grávidas. E sim, não só pode como ajuda muito! Nessa fase, a mulher retém muito liquido, especialmente no 3º trimestre da gestação, e quando este líquido passa do limite que o organismo consegue processar e eliminar, as impureza e toxinas ficam acumuladas causando uma série de problemas. Mas é importante saber que o profissional deve ser especialista em gestantes! 

Existem casos em que a drenagem é contraindicada: tumores malignos não controlados, tuberculose, processos infecciosos e inflamatórios agudos, insuficiência renal aguda, erisipela em fase aguda, entre outras. Se você sofre de alguma doença, converse com seu médico antes de passar pelo procedimento. 

A drenagem linfática não faz milagre, não emagrece e seus resultados estão diretamente associados ao seu estilo de vida, então não adianta cobrar do profissional a mesma perda de medidas de algum amigo seu.  

E uma última dica importante: pesquise muito bem o profissional antes de marcar sua sessão. Busque referências e indicações e não só o preço mais barato. A drenagem não pode deixar hematomas, então se você passou por uma sessão que te deixou marcas no corpo, não volte mais lá! Ok? 

Assinatura Desinchá