Por Melina França 

Como se manter saudável ao viajar

Não me julgue, mas viajar pra mim sempre foi sinônimo de passar o dia beliscando gostosuras – especialmente se fosse para outro país. Era a desculpa perfeita para comer 3 sobremesas numa tarde como uma forma de experimentar a culinária local. Principalmente por não ter uma rotina certa, se manter saudável ao viajar pode ser um verdadeiro desafio. Um desafio que eu julgava impossível, aliás. 
 
Então ao invés de tentar descobrir, experimentar, fazer qualquer coisa para manter meus hábitos saudáveis, eu simplesmente assumia que não ia dar. Que quando eu voltasse, passaria a comer melhor. (Nem falo nada sobre se exercitar porque ando MUITO a pé, e em viagens isso não é diferente, então quer queira, quer não, não poderia me considerar total sedentária) 
 
Enfim! Só com o tempo descobri que dá sim para se manter saudável ao viajar (e o melhor: sem sacrificar todas aquelas experiências incríveis que eu tanto queria ter!) 
 
Abaixo vou compartilhar com você minhas principais dicas para você colocar na mala, no mochilão ou na bolsinha de mão da próxima vez que se aventurar por aí. 

 

#1 Defina seu objetivo para a viagem

Quando eu estava fazendo o curso 4 semanas low carb, da Desinchá Academy, fui visitar minha família (que mora em Natal). Eu já tinha perdido 2kg com esse desafio, e à princípio esperava manter minha queima de gordura acelerada. Falei com minha mãe, disse que estava testando uma alimentação diferente e, como ela já vinha comentando que queria perder uns quilinhos, a convidei pra fazer isso comigo. 
 
Assim que cheguei, no entanto, vi que seria bem difícil me manter 100% como estava em casa. Por quê? Porque todo mundo na minha família é fofo pra caramba, e queriam preparar minhas receitas preferidas.  
 
Sim, eles fizeram um esforço para sempre ter salada à mesa, e para ter opções mais saudáveis também. Minha mãe comeu arroz de couve-flor e macarrão de abobrinha comigo, mas bastava chegar aquela feijoada de respeito na mesa que ninguém resistia. 
 
Então fica a #reflexão.  
 
Se você vai viajar, quer meeeesmo perder peso? Talvez faça mais sentido manter o seu peso atual e se permitir algumas liberdades para maximizar o seu prazer (principalmente se o objetivo da sua viagem for lazer). Ou ainda, talvez o seu objetivo seja realmente se permitir todas as experiências que quiser. 
 
Definir o que você espera em relação à viagem vai tirar a culpa do “ahhh, mas eu deveria estar fazendo xyz” e te deixar ser quão saudável você tiver escolhido. 😊  
 
Se eu for visitar minha família, por exemplo, sempre vou separar um dia para comer feijoada, e outro para comer lasanha caseira (acompanhada de um pratão de salada de rúcula, porque fibras, coração). 
 

#2 leve itens saudáveis com você

Eu, por exemplo, levei uma caixa do Desinchá Kit Viagem (porque tomo todo dia e queria que minha mãe provasse também), um pacotinho de castanhas (que são um snack saudável para quando bater uma fome inesperada), chocolate 70% (que é uma ótima opção de sobremesa), e ainda um sanduíche feito com pão low carb (porque #sustância!) Confesso que já ouvi gente que viajou com um pote com uma refeição real, oficial – nada de lanche. 
 
Esse tipo de coisa te protege de comer besteira no aeroporto ou no caminho pro hotel. Assim você sabe que tem uma opção nutritiva e preparada com muito carinho pelo seu eu do passado.  
 
Já mencionei algumas, mas aqui vão outras opções que podem lhe interessar: 
1) Whey. Você pode levar num mixer e misturar com água no aeroporto mesmo. 
2) Sementes e grãos 
3) Frutas 
4) Ovos cozidos 
 
Esse tipo de lanche também é ótimo de ter caso você fique num hotel, porque assim você não precisa resistir aos snacks açucarados que costumam ter no frigobar. O bônus é que você vai se sentir como se estivesse num spa destinado exclusivamente a cuidar do seu bem estar. 
 
Ah! Meu único erro foi nessa viagem em especial, sobre a qual já comentei aqui, foi que eu deveria ter levado MAIS DESINCHÁ (porque tomei todos os dias, e minha mãe reclamou que eu devia ter deixado mais pra ela, então tive que enviar uma caixa pelo correio). Desculpa, mãe. 🙈 

 

#3 Planeje suas idas ao bar 

Algumas bebidas alcoólicas não são indicadas para cuidar do seu corpo, mas tomar alguns drinks poucas vezes na semana não deve te atrapalhar. Uma tacinha de vinho seco, principalmente de uvas com menos açúcar (como a pinot noir) vão bem. 
 
Ou, se não, siga esse framework para pedir seus #bonsdrinks quando for ao bar: 
 
1) Escolha 1 fruta (rodelas de limão ou laranja, morango, abacaxi) 
2) Adicione uma dose de bebida destilada (gin, vodka, cachaça) 
3) Complete com uma bebida não-alcoólica (soda zero, suco, água com gás) 
4) Dê um toque a mais com uma erva (manjericão, hortelã) ou especiaria (pimenta, canela) 
 
voilàmon amour! 
 
Agora é só brindar e aproveitar a companhia. 

 

#4 Não descuide do café da manhã

Um café da manhã proteico é um dos melhores hábitos saudáveis que você pode levar com você. Sem falar que é fácil comer ovos (ou uma omelete) em qualquer lugar do mundo.  
 
As proteínas logo de manhã vão aumentar sua sensação de saciedade no resto do dia. Assim você evita ficar beliscando até a hora do almoço.  
 
Uma coisa legal de fazer é também procurar a área ao redor do seu hotel (se for ficar em um) e ver quais os restaurantes próximos que mais podem te ajudar a se manter saudável.  
 
Assim você pode provar a culinária local sem descuidar da saúde.

#5 Já falei para levar o Desinchá Kit Viagem?

Ele foi feito especialmente para você levar na mala, na bolsa, em qualquer lugar. Sua rotina saudável sempre com você.  
 
O kit do Desinchá Original já é sucesso, e nós acabamos de lançar a versão do Desinchá Noite. São 20 sachês numa embalagem super compacta – com a mesma fórmula que você já ama. 
 
KIT VIAGEM NOITE

QUERO O MEU! 

A melatonina é o seu sono e ela precisa de atenção. O sono é o período em que o nosso corpo fixa memórias e aprendizados, repõe as energias, hormônios e tudo que você gastou durante o seu dia. Quer dizer que seu cérebro desliga um pouco? Muito pelo contrário. A máquina continua trabalhando.  

Para entender a melatonina e o que acontece durante o seu sono, precisamos falar sobre como você funciona.  

O que a melatonina faz pelo seu sono

RITMO CIRCADIANO 

Ou ciclo circadiano é o famigerado relógio biológico. É como o seu corpo percebe o ritmo de 24 horas do dia. Se a gente vivesse sem luz elétrica e na natureza, iríamos acordar com o nascer do sol e dormir assim que escurecesse, o que seria muito saudável.  

No ritmo circadiano, a temperatura corporal aumenta à medida que a manhã se aproxima, atinge um pico, diminui um pouco no início da tarde (soninho pós-almoço) e começa a cair de novo antes de irmos dormir.  

Tudo isso só é regulado graças à luz! Ela que ajusta o relógio biológico porque ativa proteínas sensíveis à luz. Essas proteínas mandam sinais para o núcleo supraquiasmático no cérebro cujo um dos trabalhos é fazer a glândula pineal aumentar ou diminuir a produção de melatonina, o hormônio indutor do sono.  Como assim? 

Noite = ausência de luz = aumento da produção de melatonina 

Dia = muita luz = diminuição da produção de melatonina 

Com a energia elétrica, tudo isso foi bagunçado porque agora temos luz à noite!  A gente começou a dormir muito mais tarde e pior: trabalhar depois do sol se pôr. Com notebook na cara, nosso ritmo circadiano fica completamente perdido e a nossa qualidade de sono cai bruscamente.  

 

OS 5 ESTÁGIOS DO SONO 

A cada 90 minutos de sono, vivemos um ciclo de 5 estágios. E de novo: não, o cérebro não para um minuto.  

Estágio 01 

Estamos relaxados e podemos viver experiências sensoriais sem ter estímulos sensoriais. É quando temos sensação de queda (quem nunca?) ou de flutuação. Acordamos facilmente neste estágio.  

Estágio 02 

Depois de uns 20 minutos, temos um relaxamento mais profundo. Apesar de acordarmos facilmente aqui também, estamos claramente adormecidos, mas o nosso cérebro está trabalhando mais do que no estágio 01.   

Estágio 03 

Este estágio é transitório para o sono profundo. É quando o cérebro emite ondas delta que duram cerca de 30 minutos.  

Estágio 04 

Sono profundo. Pronto. Diminuição do batimento cardíaco e pressão arterial… Aqui, é muito difícil acordar. 

Sono REM 

É o sono restaurador! Depois de uma hora que você foi dormir, em vez de você se manter no sono profundo, volta ao estágio 3 e 2 (em que passa metade da noite) e entra em sono REM. Durante 10 minutos, suas ondas cerebrais tornam-se muito velozes, sua frequência cardíaca se eleva e sua respiração fica rápida e irregular. Seus olhos disparam de um lado para o outro por baixo das pálpebras e suas genitais ficam excitadas.  Homens têm ereção e mulheres lubrificação vaginal e inchaço clitoridiano, independentemente do sonho ter conteúdo sexual. A ereção matinal dos homens vem justamente deste último período de REM da noite. 

E depois? 

E começa tudo outra vez. À medida que a noite passa, o sono profundo do estágio 4 vai ficando mais breve e os períodos de REM e estágio 2 ficam mais longos.  

O que você precisa entender agora é como a qualidade do seu sono pode transformar o seu comportamento.   
 

OS EFEITOS DA PRIVAÇÃO DE SONO 

Todo mundo deve dormir 8h por noite? Não. Tem gente que se renova com 6h de sono por noite, outras pessoas com 9h. Padrões de sono podem ter influência genética e cultural, não há uma regra além de: dormir bem. Quando dormimos mal, diversos mecanismos do nosso corpo apresentam mal funcionamento.  Veja alguns sintomas: 

  • Dificuldade de aprendizagem, diminuição de produtividade e da criatividade, tendência a cometer erros, irritabilidade, dificuldade de comunicação e fadiga. 
  • Pode engordar. A privação de sono aumenta a quantidade do hormônio grelina que estimula a fome e diminui a leptina, que suprime a fome.  
  • Aumenta também o cortisol, o hormônio do estresse, que estimula o corpo a fabricar gordura.  
  • Suprime as células imunológicas que combatem infecções virais e o câncer. É por isso que quando estamos com alguma infecção, dormimos mais. 
  • Altera também o funcionamento metabólico e hormonal que minimiza o envelhecimento e pode gerar hipertensão e prejuízo de memória. 
     

VOCÊ ESTÁ DORMINDO BEM? 

Responda às afirmações do psicólogo James Maas com Verdadeiro ou Falso:  

  • Preciso de um despertador para acordar na hora certa  
  • É uma luta sair da cama de manhã 
  • Durante a semana ligo várias vezes a função soneca para dormir mais 
  • Sinto-me cansada, irritável e estressada durante a semana 
  • Tenho problemas para me concentrar e me lembrar das coisas 
  • Sinto-me lenta nos pensamentos críticos, na resolução de problemas e na criatividade 
  • Frequentemente adormeço assistindo à TV 
  • Frequentemente adormeço em reuniões ou palestras entediantes ou em lugares aconchegantes 
  • Frequentemente adormeço após refeições pesadas ou após uma pequena dose de álcool 
  • Frequentemente adormeço enquanto relaxo após o jantar 
  • Frequentemente adormeço cinco minutos após ir para a cama 
  • Frequentemente sinto-me sonolenta enquanto dirijo 
  • Frequentemente durmo horas a mais nos fins de semana 
  • Frequentemente preciso de um cochilo para enfrentar o dia 
  • Tenho círculos escuros ao redor dos olhos.  
     

Se 3 ou mais frases são verdadeiras para você, você não está dormindo o suficiente.   É para  tomar melatonina? Não! 

A melatonina pode ser fabricada sinteticamente e é indicada apenas a pessoas que têm distúrbios do sono por não ter os mesmos efeitos colaterais que remédios mais fortes. No Brasil, a comercialização é proibida e só pode ser encontrada em farmácias de manipulação.  

Mas agora que você entende como ela funciona, pode estimular a sua produção dormindo longe da TV e do celular e na hora certa. O processo natural e mudança de hábitos são sempre o caminho mais saudável.  

 

Fontes: 

O uso da melatonina como indutor do sono  

Psicologia | David G Meyers

 

Para ler ao som de “Meu mundo caiu”, da icônica Maysa. É que a letra dessa música faz total sentido com o tema desse post. Na síndrome de Burnout, nossa saúde mental chega ao extremo, o estresse toma conta do dia a dia, nosso corpo rapidamente se cansa e a produtividade regride, causando desânimo e sensação de fracasso.

O ápice do esgotamento profissional se torna um distúrbio emocional (rima involuntária), que leva esse nome em inglês (BurnOut) justamente para remeter a sensação de estar fisicamente e emocionalmente queimado, incendiado.

Síndrome de Burnout: Será que você se identifica?

Todos os profissionais estão sujeitos a esse mal, mas profissionais que atuam sob pressão e grandes responsabilidades, como a saúde e o futuro de outras pessoas, estão mais sujeitos. É o caso de médicos, enfermeiros, professores, policiais, jornalistas, psicólogos, assistentes sociais etc.  

A síndrome de Burnout, mal que atinge cada vez mais pessoas, é causada por simples coisas no dia a dia, que somadas podem causar esses quadros de exaustão. Por isso, listamos aqui possíveis preocupações para você ver se elas se encaixam no seu dia a dia e estado de humor:  

É só somar um ponto para cada opção que você se identificar:  

  • Se você se considera muito perfeccionista 
  • Se você estipula metas muito difíceis de serem alcançadas 
  • Se você se acha uma pessoa muito sarcástica 
  • Se você se acha uma pessoa muito exigente 
  • Se você se sente muito cansado(a) 
  • Se você costuma achar que nada vai dar certo 
  • Se as pessoas têm falado que você está distante, disperso 
  • Se já reparou que anda mais irritado(a) e agressivo(a) 
  • Se sua autoestima não vai muito bem  
  • Se teve crises de ansiedade recentemente 
  • Se se considera uma pessoa ansiosa  
  • Se você se sente perdido 
  • Se aquele famoso “deu branco” acontece com bastante frequência 
  • Se você tem ficado doente constantemente 
  • Se você sente que não tem tirado tempo suficiente para você mesmo(a) 
  • Se você não tem dormido bem  
  • Se sua alimentação não é muito bem organizada e balanceada  
  • Se seu apetite não vai muito bem 
  • Se sua família tem sentido que você anda distante 
  • Se você costuma ser bem idealista quando fala da sua carreira  
  • Se você tem faltado bastante ao trabalho  
  • Se no dia a dia de trabalho, tem diminuído significativamente sua produção 
  • Se você tem se isolado, se distanciado da equipe 
  • Se você não se sente mais tão empolgado com os projetos 
  • Se você costuma achar que não fez o suficiente por algo 
  • Se você tem dificuldade de se desligar do trabalho 
  • Se você acha que seus colegas de trabalho são preguiçosos e não tão bons como você 

 

Resultados: 

Se você chegou até aqui, três possibilidades podem se passar pela sua cabeça: 

 

Não me identifiquei com nenhuma

Não marquei nada, já posso ser canonizado, amém! Essa, é claro, seria a melhor opção, mas como na vida nem tudo são flores, essa também é a mais improvável, justamente pelo fato da próxima possibilidade existir, você já vai entender… 

 

Me identifiquei com algumas

Esse é bem o meu caso. Li tudo e tive que me confrontar para assumir que algumas delas se encaixam na minha realidade (não sei ainda se fico triste ou feliz). Bom, acredito que esse provavelmente seja o quadro que a maioria das pessoas se enquadram. Por motivos de: a) temos tempo de menos, e b) nos exigem de mais.  

Aqui, ainda, não temos que nos preocupar MUITO, mas é importante refletir para evitar problemas maiores lá na frente, viu? P.S. Isso serve para mim também. 

 

Me identifiquei com mais da metade

Nesse pequeno game que fizemos, não temos quem ganha e quem perde, mas essa possibilidade é a que mais me preocupa.  

Se você marcou lá pela casa da metade das alternativas, tá tudo bem! Não significa que você tenha o quadro que comentamos mais acima, mas talvez signifique que seja a hora de dar uma desacelerada e conversar com alguém, de preferência um especialista (beijo para todos os psicólogos). 

 

A Síndrome de Burnout foi descoberta em 1974, aqui no Brasil, pelo médico e psicanalista Herbert Freudenberger, e só no final de 1999, o Ministério da saúde a colocou na relação de doenças relacionadas ao trabalho. Podemos ver então, que é um tema bem recente, que não costumamos ler muito por aí, e é por isso que estamos aqui.  

Poderíamos ainda te oferecer um chá para começar o dia com o pé direito, e outro para encerrar o dia naqueeela paz, mas nada que substitua a função de um profissional. Então, já sabe: na dúvida, liga no consultório…   

 

Produtos Desinchá

 

Biografia:

https://www.medscape.com/slideshow/lifestyle-2015-overview-6006535#21  

O calor está voltando e com ele as fotos na praia no seu Instagram. O Brasil é um país tropical, famoso por seus biquínis, praias e pela alta incidência de pessoas com câncer de pele.  

O câncer de pele é uma das principais causa de morte por doença no país (30% das pessoas que morrem de câncer, tiveram câncer de pele). Mas por que a gente ainda não se preocupa o suficiente?  

Um estudo feito com 368 jovens universitários em Brasília, mostrou que apenas 25% deles têm como hábito usar protetor solar diariamente, mas 68% disseram usar protetor durante atividades esportivas ao ar livre. Menos mal, mas ainda é pouco.  

A exposição ao sol prolongada e o culto ao corpo, bem comuns na nossa cultura, podem fazer você esquecer o quão perigoso pode ser o nosso amado bronze. Mas nada que um equilíbrio não possa manter a saúde e a beleza, não é mesmo? 

Proteja-se contra o Câncer de Pele

O que é o câncer de pele?   

É um tumor que atinge a pele. Ele basicamente causa uma multiplicação desenfreada das suas células e pode ir migrar para outros órgãos, levando à morte. 

 

São dois tipos de câncer: 

Câncer de Pele melanoma 

Este tipo se manifesta na forma de pintas, manchas e sinais, na pele ou na mucosa de pessoas brancas. Já nas pessoas negras, pode aparecer nas partes com pele mais clara como a palma da mão e sola dos pés. 

O melanoma é o tipo de câncer de pele mais grave, por ter altos índices de metástase. Dos 30% de pessoas que têm este câncer, apenas 3% são melanoma. 

Câncer de Pele não melanoma 

Este tipo tem muita chance de cura, mas pode deixar marcas no corpo. Apresenta dois tipos de tumores:  

  1. Carcinoma basocelular: aparece como ferida ou nódulo, tem evolução lenta e é o mais comum e menos agressivo. 
  2. Carcinoma epidermóide: aparece como uma ferida ou cicatriz e tem alto índice de metástase. 

 

O que causa o câncer de pele? 

Pode ser o seu histórico genético ou a mutação dos genes da pele causada pelos raios Ultravioleta (UV), vulgo excesso de sol.  

 

O câncer de pele é fatal? 

Se detectado no início, há grandes chances de cura. Se descoberto tardiamente, as chances de metástase são bem altas e podem levar à morte. 

Perceba seu corpo, consulte uma dermatologista com frequência e use protetor solar.  

 

Como identificar? 

Conheça seu corpo. O ministério da saúde disponibiliza este diagrama com dicas para reconhecer os sinais, mas apenas um dermatologista vai poder confirmar o diagnóstico. 

Teste de câncer de pele
 

Como prevenir o câncer de pele? 

  • Protetor solar, boné e óculos de sol são os seus melhores parceiros no verão e no inverno (também tem sol no inverno, tá?) 
  • Evite tomar sol das 10h às 16h e reponha o protetor solar a cada duas horas (mesmo aqueles que são à prova d’água). É neste horário que o sol apresenta alto risco de lesões.  
  • Hoje existem também roupas com proteção UV que cobrem parte do corpo e permitem ainda que você tome sol bem protegido ou protegida. Se você trabalha sob o sol, o uso dessas roupas é indispensável.  
  • Guarda-sol, sombrinhas, chapéus também são acessórios essenciais para curtir o verão.  
  • Dias nublados também têm alto índice de raios UV, ok? Pode passar protetor sim.  
  • Lembre-se de passar protetor no rosto, orelha e pescoço. A gente sempre esquece.  
  • Tatuagens podem esconder lesões causadas pelo sol. Exagere de protetor nessas áreas também.  
  • Câmaras de bronzeamento artificial também emitem raios UV, ou seja, proteja-se e não exagere. 

 

O sol é mesmo tão maligno assim? 

Calma. Estamos falando do excesso de sol. O sol é bom e essencial para nossa saúde, ele ajuda a gente a produzir vitamina D, mas em excesso causa envelhecimento precoce, lesões nos olhos, queimaduras e câncer de pele.  

 

Voltamos então ao nosso maior parceiro: o equilíbrio. É com ele que podemos curtir a vida com saúde e bem-estar. 

 

Produtos Desinchá
 
 

Fontes: 

Fotoexposição e fatores de risco para câncer de pele 

Ministério da saúde | Câncer de pele 

Drauzio Varella | Câncer de pele 

Sabe quem disse que a cerveja não pode fazer parte da sua dieta? Os boatos. Tudo pode ser consumido, desde que com moderação. E é por isso que falamos aqui sobre o consumo sem culpa da bebida mais popular do Brasil, afinal, cerveja faz bem à saúde.

Cerveja faz bem à saúde! Desde que com moderação

Alcoolismo 

A Organização Mundial de Saúde define o alcoolismo como sendo um conjunto de fenômenos comportamentais, cognitivos e fisiológicos que se desenvolvem após o uso repetido de álcool.  

O alcoolismo é uma doença. Portanto, estamos falando aqui do consumo moderado de cerveja e não incentivando o consumo excessivo. Dê uma folga para seu corpo e consuma sua cerveja (e qualquer outra bebida alcoólica) de forma esporádica e moderada.  

 

Mas o que é moderação?  

Cientistas apontam que uma latinha diária para mulheres e duas latinhas para os homens é o número perfeito para o consumo de cerveja. Por isso, muitas pesquisas estabelecem como limite o consumo de 7 latinhas por semana.  

Isso não quer dizer que é saudável beber todo dia, ok? Não é. A necessidade de beber todos os dias pode ser um indicativo de dependência, cuidado.  

Uma dica: não beba todas de uma vez. O chamado binge drinking, o beber-até-cair que você adota na festa de casamento do seu amigo, é o pior padrão de consumo, porque o corpo não consegue absorver tudo de uma vez e bem… você sabe o que acontece.  

Tem diferença conforme o sexo? 

Tem. Não à toa, os países possuem diretrizes que diferenciam as recomendações de consumo de álcool de acordo com o sexo. Pessoas do sexo feminino produzem menor quantidade da enzima responsável por degradar o álcool. Por isso, uma mesma dose de cerveja pode causar efeitos nessas pessoas que não são provocados nas pessoas de sexo masculino. Elas ficam, em média, com 30% a mais de concentração alcoólica no sangue. 

 

Cerveja faz bem!  

Tomar cerveja faz bem à saúde e pode trazer benefícios maravilhosos para você. Encontramos algumas informações em diversas pesquisas citadas em matéria do GNT. Olha só: 

  • Cerveja combate a gripe e previne a pneumonia: o lúpulo presente na cerveja tem propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes. Ele pode inibir a multiplicação do vírus respiratório. 
  • Evita o cálculo renal: o fato de você ir ao banheiro com mais frequência quando bebe cerveja explica o motivo dela diminui os riscos de desenvolver pedras nos rins.  
  • Ajuda a tratar distúrbios do sono: se você precisa relaxar antes de dormir para conseguir uma boa noite de sono, beba uma cervejinha. O lúpulo aumenta a atividade do neurotransmissor GABA, substância que diminui a ação do sistema nervoso e tem efeito sedativo. 
  • Previne doenças cardiovasculares: a boa taxa de vitamina B6, provocada pelo consumo de cerveja, contribui para eliminar a homocisteína, substância que pode desencadear doenças cardiovasculares quando em excesso no corpo. A cerveja também possui efeito protetor do sistema cardiovascular. 
  • Ajuda a controlar o colesterol: se você adora cervejas escuras, saiba que elas ajudam a reduzir os níveis de colesterol LDL. Consequentemente, reduz o risco de doenças cardiovasculares. 
  • Catalisa o sistema imunológico: a cerveja é capaz de aumentar a concentração de células de defesa do organismo. 
  • Melhora a saúde dos ossos: o silício, componente na bebida, melhora a densidade óssea. Ela é abundante em cervejas do tipo ales e nas lagers, mas quase não aparece nas cervejas escuras e de trigo. 
  • Previne o Alzheimer: pessoas que bebem cerveja com moderação apresentam risco 23% menor de desenvolver Alzheimer se comparadas àquelas que nunca consomem a bebida. 

 

Cerveja faz mal! 

Ué, Desinchá. É isso mesmo. A gente traz todas as infos para você tomar sua decisão. O exagero no consumo de cerveja pode trazer sérios problemas para a saúde. Um estudo britânico, publicado em 2018 na revista científica “The Lancet”, analisou dados de cerca de 600 mil pessoas de 19 países.  

A conclusão é simples: se você consome mais do que 7 latas de cerveja pilsen por semana (100ml de álcool), sua expectativa de vida é significativamente mais baixa quando comparada às pessoas que respeitam esse limite. 

Quer ter uma ideia? Para quem bebe mais de 350ml por semana, a redução é de até cinco anos na expectativa de vida. Não é legal. 

O consumo exagerado pode aumentar o risco de qualquer tipo de doença cardiovascular, interferir no desenvolvimento de tumores e causar a famigerada dependência. 

 

Se beber, não dirija 

Além do mal que o consumo exagerado de cerveja pode causar a você, ele ainda pode interferir na vida de outras pessoas. 

As punições por dirigir embriagado são severas, mas nenhuma delas se compara ao dano causado a uma pessoa ou à sua família quando ocorre um acidente por causa de bebida alcoólica.  

Tome sua cervejinha tranquilamente. Porém, seja responsável com o outro. Empatia também é isso. Se for beber, não dirija.  

Se faz questão de dirigir ou se é uma necessidade, que tal uma cervejinha sem álcool? Esse consumo vem crescendo ao redor do mundo e também é benéfico. Ela é refrescante, saborosa e, em sua versão 0% álcool, tem poucas calorias e baixo teor de carboidratos. Sem contar os ingredientes naturais já conhecidos da versão tradicional.  
 

Se beber, beba seu Desinchá

Como já vimos, a cerveja faz bem à saúde, melhora nossa corrente sanguínea permitindo mais volume de sangue correndo pelas veias, mas o nosso corpo tem dificuldade de bombear tudo isso, dando essa sensação de estufamento. O gás presente na cerveja (e nos refris e água gaseificada), pra ajudar, ainda liberam dióxido de carbono dentro do estômago, aumentando essa sensação de inchaço.  
 

Sabe o que é bom para desinchar? Nem te conto. 

 

Produtos Desinchá

  

Fontes: 

GNT – Globo 

Saúde – Abril 

O Globo 

CISA – Centro de Informações sobre Saúde e Álcool 

Por que ficamos com a sensação de inchaço ao beber cerveja? 

De acordo com o crescimento do número de casos de DSTs, a gente pode assumir que a resposta para o título é: ninguém. O Papiloma Vírus Humano, mais conhecido como HPV atinge mais as mulheres que os homens e ninguém parece ligar para isso. Pois aqui vão alguns motivos para prestar atenção neste vírus desgraçado:

Quem tem medo de HPV?

Qualquer pessoa que tenha vida sexual ativa pode ter HPV 

É fácil assim. São mais de 200 tipos de vírus, uns mais “tranquilos” e outros mais graves que podem evoluir para verrugas, lesões no colo do útero e câncer. Muitas pessoas carregam o vírus e não apresentam nenhum dos sintomas ao longo da vida. Use camisinha.  
 

O HPV é um dos principais causadores do câncer no colo do útero 

Que é a quarta maior causa de morte entre as mulheres no Brasil. É isso mesmo. É por isso que você, mulher, deve fazer o exame do papanicolau anualmente como forma de prevenção. O HPV também pode ocasionar câncer na garganta e ânus. Use camisinha. 
 

O HPV é transmitido por contato com a pele ou mucosa  

Isso quer dizer que não é preciso trocar fluídos, só o contato de pênis com vagina, ou vagina com vagina, ou pênis com ânus, já é o suficiente para transmissão do vírus.   
 

80 a 90% das pessoas já entraram em contato com o vírus em algum momento da vida 

Mas também mais de 90% das pessoas conseguem eliminar o vírus do organismo naturalmente, sem nem apresentar sintomas. Isso não é motivo para transar sem camisinha. Use camisinha. 
 

Homem também pode pegar HPV

E não saber disso faz com que os homens não se tratem. A falsa ideia de imunidade ao vírus é uma das grandes causadoras de contágio. Recentemente, um personagem da novela Malhação descobriu ter HPV e foi logo dizendo “Achei que só mulher pegava HPV”. Pois pega de quem, meu caro jovem heterossexual? Assim como as mulheres, homens podem ser portadores do vírus e nunca apresentar um sintoma e isso não quer dizer imunidade. Quer dizer que homens podem ser transmissores. Use camisinha.   
 

Homem também pode ter câncer por causa do HPV 

Além das verrugas, alguns tipos de HPV nos homens podem evoluir para câncer no pênis, reto e ânus. Use camisinha.  

 

Use camisinha

A feminina é ainda melhor porque diminui contato do pênis com a vagina, em caso de relações heterosexuais, já que as verrugas provenientes de HPV podem não estar no pênis. A camisinha masculina segue sendo uma boa opção. Conheça mais sobre esses métodos contraceptivos no nosso artigo.

  

E a vacina? 

É eficaz em quem ainda não começou a vida sexual. Conhece alguém? Mostre esse artigo e ajude a imunizar uma pessoa! 

 
 

Fontes: 

UN | More than 1 million new curable sexually transmitted infections every day 

Observatório UOL | Personagem da Malhação Descobre ter HPV 

UNIFESP | HPV 

Nos tempos atuais, o nosso corpo tem muita dificuldade de saber quando está dia e quando está noite. Passamos muito tempo em lugares fechados, sem contato com o sol. Dormimos com a TV ligada e com a luz do celular. Além do fato de dormirmos pouco. Como nosso relógio biológico vai funcionar assim?  

 

 

É muito importante passarmos a informação para o nosso corpo de que as luzes estão sendo apagadas. O ritmo circadiano (que é o nosso sistema biológico de 24 horas) é o que regula o nosso relógio biológico. O problema é que vivemos em um período onde somos bombardeados por luzes em qualquer horário, quase violentamente. Mas a percepção do escuro é indispensável para o nosso bem estar.  

Durante a noite fazemos o reparo celular (células do corpo, ok? Não é o aparelho, esse deve ficar apagado) e ativamos mais a nossa imunidade e regulamos nosso metabolismo. Nosso corpo utiliza o período diurno para liberar mais cortizol, nos dando mais energia para atividades, como trabalhar.

  

Temos que respeitar mais o nosso relógio biológico

Mas como controlar a luz para o relógio biológico trabalhar direito?  

Ao acordar, abra as janelas 

Olhar para essa claridade faz o nosso corpo entender que o dia começou.  

 

Durante a noite, altere as luzes 

Você pode deixar o brilho do seu celular o mais baixo possível e ler um livro ao invés de ligar a TV. Após a meia noite, o ideal é que esteja tudo escuro para o seu corpo trabalhar melhor.  

 

O núcleo do nosso corpo que está relacionado com a captação de luz vai dizer para nós se a liberação da melatonina (uma substância reguladora do ritmo circadiano) está boa o suficiente para avisar o corpo sobre os horários da recuperação e restauração celular.  

Mais duas dicas que vão ajudar: 

  • ao anoitecer, busque atividades e substâncias que ajudem seu corpo a relaxar, como praticar ioga ou tomar um chá (como o nosso Desinchá Noite!).  

 

Respeitar cada período do nosso dia é essencial para que o nosso corpo esteja sempre em pleno funcionamento.  

 

Produtos Desinchá

Para muitas mulheres cis, o uso de pílula anticoncepcional é o melhor caminho. E não tem nada errado com isso, desde que o tratamento seja feito com acompanhamento médico. Mesmo com alguns riscos que já falamos por aqui, o importante na sua trajetória é conhecer as opções e a mulher ser a responsável pela escolha do que é o melhor para o seu momento de vida. Para continuar a conversa sobre esse assunto, vamos mostrar 5 opções de métodos contraceptivos que não têm hormônios. (Talvez você não goste muito do 5° método)

5 métodos contraceptivos para dar adeus às pilulas

1. Camisinha masculina

Parece óbvio, mas tem gente que esquece! A camisinha masculina é a opção mais prática na anticoncepção para mulheres cis heterosexuais e também é uma bela proteção contra DSTs.  

Métodos contraceptivos - Camisinha masculina

A embalagem do produto indica os tamanhos que variam de 49mm a 60mm e devem ser respeitados para trazer mais conforto, segurança e prazer aos casais. As mais comuns têm 52mm. 

O material pode ser látex ou sem látex. As com látex podem causar certo desconforto, principalmente se a mulher tiver alergia ao material. As sem látex são mais difíceis de encontrar, mas são mais finas e melhoram a sensibilidade durante o sexo. Dica: como as sem látex esticam menos, é preciso comprar de um tamanho um pouco maior do que se está acostumado a usar com látex.  

A camisinha ainda tem efeitos especiais! Algumas têm textura, efeito retardante de ejaculação, sabor e efeito refrescante. São diversas opções e monotonia não é uma delas. 

Outra dica: geralmente, a pessoa com alergia a látex não pode nem encostar em um balão de festa porque apresenta inchaço. Então, se você, mulher, acha que tem alergia ao látex, saiba que pode ser falta de lubrificação que deixou a vagina ressecada e machucada com o entrar e sair do pênis. Consulte uma ginecologista e alergista para tirar isso a limpo. 
 

2. Camisinha feminina

A camisinha feminina é mais difícil de achar em farmácias, mas, notícia boa, é fácil de encontrar em postos de saúde.  

Métodos contraceptivos - Camisinha feminina

O preservativo feminino, ao contrário do masculino, não é feito de látex. É feito de poliuretano. Isso faz com que ele seja mais fino e permita maior sensibilidade. Quer outra notícia boa? Para mulher que não gosta de transar menstruada, a camisinha feminina é uma excelente opção porque ela tem um anel que fica ali no colo do útero, impedindo passagem de sangue ou diminuindo seu fluxo. 

Com essa opção, a mulher também não precisa daquela pausa no meio da transa para colocar o preservativo, como acontece com a camisinha masculina. Ele pode ser colocado bem antes, quando já surgem as segundas intenções.  

O parceiro não “funciona” com camisinha masculina? Pronto. Sem desculpas (e sem hormônios) agora para se proteger. 

Por último e mais importante, a camisinha feminina além de prevenir contra gravidez, também previne contra doenças sexualmente transmissíveis.
 

 

3. Diafragma

O diafragma é um método sem efeitos colaterais ou contraindicações. É oferecido pelo SUS, pode ser inserido pela própria mulher, mas é preciso de ajuda profissional para determinar o seu tamanho.  

Métodos contraceptivos - Diafragma

Infelizmente, esta opção não protege a mulher contra doenças sexualmente transmissíveis e seu uso é recomendado junto com camisinha masculina. 

O diafragma pode ser colocado até 2h antes da relação sexual e só pode ser tirado depois de 8h, que é o tempo de vida máximo do espermatozóide na vagina. Ele pode ser higienizado com água durante o banho e não deve ser usado durante a menstruação. 

 

4. Diu de cobre

O Dispositivo Intra-Uterino (DIU) é um dos métodos de maior eficácia, chegando a 99,6%. Como ele faz isso? O cobre é um material que “mata” o óvulo e também “mata” os espermatozoides por si só. O DIU tem uma duração de até de 10 anos, alguns efeitos colaterais como cólicas e não protege contra doenças sexualmente transmissíveis. Para isso, recomenda-se o uso junto com camisinha masculina. 

O DIU de cobre está disponível no SUS para mulheres em idade fértil e precisa ser colocado por um profissional da saúde. 
Métodos contraceptivos - Diu

 

5. Não transar

Brincadeiras à parte, é importante lembrar que nenhum método anticoncepcional, nem os hormonais, são 100% eficazes e todos podem falhar. A camisinha pode estourar, o diafragma pode deixar um espermatozóide passar e a pílula pode não ser bem absorvida pelo corpo. O único jeito de não engravidar é não praticar relações sexuais. E aqui, apenas as pessoas assexuais se dão bem.  
#euescolhiesperar 

 

Um recado para as mulheres bissexuais

O sexo entre mulheres não tem possibilidades de fecundação, mas não esqueçam que as doenças sexualmente transmissíveis não poupam ninguém. Portanto, considerem o uso de preservativos masculinos em brinquedos eróticos e nos dedos das mãos para um sexo seguro e até mesmo a camisinha feminina cortada e aberta para sexo oral e contato entre vaginas. Infelizmente, não encontramos opções feitas específicas para o sexo entre mulheres. 

E você? Já usou algum um desses métodos? Tem dicas? Conte sua experiência pra gente.  

 
Produtos Desinchá 
 

FONTES 

Ginecologista Sincera
Grupo Facebook | Adeus Hormônios Contracepção Não-Hormonal
Cátia Damasceno | Camisinha Feminina
Ministério da Saúde | Métodos contraceptivos oferecidos pelo SUS
Herself | Contracepção não-hormonal – Como Prevenir a gravidez sem anticoncepcional
Pfizer | Métodos contraceptivos vantagens e desvantagens
Sexo seguro entre mulheres 

Você se considera uma pessoa ansiosa? Se você não soube responder a essa pergunta, vou fazer um teste para ver o seu nível de ansiedade e descobrir se você está com sintomas de transtorno de ansiedade generalizada (seja honesto nas respostas, hein?!).

  • Você surta quando apagam a mensagem do WhatsApp antes que você consiga ler (10 pontos) 
  • Sente-se cansado facilmente (10 pontos) 
  • Sente dificuldades para dormir (10 pontos) 
  • Em momentos de crise, come compulsivamente (10 pontos) 
  • Sente-se irritado e chateado facilmente (10 pontos) 
  • Odeia quando dizem “tenho uma coisa para te contar” e depois somem (10 pontos) 
  • Sente-se agitado e não consegue ficar parado (10 pontos) 
  • Tem medo das coisas antes mesmo delas acontecerem (10 pontos) 
  • Fica sem comer por intervalos muito grandes (10 pontos) 
  • Sente dificuldades de se concentrar (10 pontos) 

Quanto deu sua pontuação? (escreva nos comentários para eu saber). Se você somou 40 pontos ou mais, meu querido, é bom que você leia esse texto BEM atentamente, porque você pode estar com transtorno de ansiedade generalizada

Saiba se você sofre de transtorno de ansiedade generalizada

Primeiramente, vamos esclarecer o significado de transtorno de ansiedade generalizada: essa doença é bem conhecida por TAG, então se você me ver usando essa sigla ao longo do texto, saberá sobre o que eu estou falando. 

A TAG, segundo o manual de classificação de doenças mentais (DSM.IV), é um distúrbio caracterizado pela “preocupação excessiva ou expectativa apreensiva”, persistente e de difícil controle. E pode durar seis meses no mínimo.     

O transtorno da ansiedade generalizada pode afetar pessoas de todas as idades, desde o nascimento até a velhice. Em geral, as mulheres são um pouco mais vulneráveis do que os homens. 

Fisicamente a ansiedade pode apresentar sensações que podem assumir a face de uma crise, a famosa “crise de ansiedade”, também conhecida como “crise de pânico” ou “ataque de pânico”. 

Uma crise de ansiedade é como se a subjetividade, a organização mental da pessoa, fosse tomada pela sensação de ameaça de fracasso, despersonalização, enlouquecimento ou até morte. 

Na síndrome do pânico (que corresponde a um tipo de crise de ansiedade), o que ocorre é que a desestabilização é levada a tal ponto que ultrapassa o que se pode suportar. É como se a pessoa tivesse braços e pernas amarrados a cavalos que pretendem correr para diferentes direções.  

Existe um iminente descontrole corporal, onde tudo em volta se despedaça e é no corpo que se percebe as consequências mais visíveis. A crise de pânico pode parecer um ataque cardíaco, uma convulsão ou até mesmo um AVC (acidente vascular cerebral), também conhecido como derrame. 

O transtorno de ansiedade generalizada pode afetar a forma como uma pessoa pensa, mas também pode levar a sintomas físicos. É necessário se atentar aos sintomas e constância deles no dia a dia. Veja alguns: 

  • Preocupações e medos excessivos; 
  • Visão irreal de problemas; 
  • Inquietação ou sensação de estar sempre “nervoso”; 
  • Irritabilidade; 
  • Tensão muscular; 
  • Dores de cabeça; 
  • Dificuldade de concentração; 
  • Náuseas ou queimação no estômago; 
  • Necessidade de ir ao banheiro com frequência; 
  • Fadiga e sensação de cansaço constante; 
  • Ficar um grande período de tempo sem comer; 
  • Dificuldade para dormir ou manter-se acordado; 
  • Surgimento de tremores e espasmos; 
  • Ficar facilmente assustado; 
  • Comer compulsivamente quando se sente nervoso. 

 

Como tratar suas crises de ansiedade 

Algumas pessoas optam pelo uso de medicamentos para diminuir suas crises de ansiedade e tratar transtornos mentais. Porém, o abuso dessas substâncias pode piorar sua saúde ao invés de melhorar.  

O recomendado é procurar por um profissional para que ele consiga ajudar a tratar sua ansiedade da melhor forma e melhorar sua qualidade de vida. 

Psiquiatras e Psicólogos, responsáveis pela saúde mental, são os profissionais mais aptos para auxiliar nos transtornos de ansiedade generalizada. 

Mas você sabia que há algumas coisas que você pode fazer para controlar suas crises de ansiedade? (e isso não envolve nenhum tipo de medicamento) 

Aqui vão algumas dicas do que pode ajudar você: 

 

  1. Pratique atividades físicas

A prática de atividades físicas estimula a produção de serotonina, neurotransmissor que atua no cérebro regulando o humor, sono, apetite, ritmo cardíaco, temperatura corporal, sensibilidade a dor, movimentos e as funções intelectuais. Falamos mais sobre isso no texto “Você sabe como ativar o hormônio da felicidade? 

Se você ainda não é adepto de nenhum esporte ou atividade física, permita-se descobrir algo novo. Caminhada, corrida, natação, uma aula de dança, tênis, ou ainda esportes coletivos, como o basquete e futebol, podem ser alternativas para fugir do sedentarismo e reduzir os níveis de ansiedade.  

Caminhar em locais abertos, mantendo o contato com a natureza, por exemplo, pode ser uma bela oportunidade de relaxar a mente. 

 

  1. Invista em alimentos com triptofano

Os alimentos ricos em triptofano são ótimos para melhorar o humor e proporcionar sensação de bem-estar, porque ajudam na formação de serotonina, uma substância presente no cérebro que facilita a comunicação entre os neurônios, regulando o humor, a sensação de fome e o sono, por exemplo.  

Os principais alimentos ricos em triptofano são os proteicos como carne, peixe, ovo ou leite e derivados. Queijo, amendoim, castanha de caju, frango, ovo, ervilha, peixes, amêndoas, abacate, batata e banana são alimentos que podem ajudar a dar um Up no nível de triptofano e no astral. 

 

  1. Alivie o estresse diário

Tente evitar ao máximo situações e momentos de estresse. Algumas terapias alternativas podem ajudar nisso. Acupuntura, por exemplo, é uma terapia oriental chinesa que consiste no estímulo de pontos espalhados pelo corpo.  Ela ajuda a combater enxaqueca, cólica, fibromialgia, estresse e auxilia até mesmo no emagrecimento.

Aromoterapia, Musicoterapia, Yoga, Watsu, Geoterapia, Quiropraxia, Shiatsu e o Reiki também são alternativas que podem trazer alívio do estresse, bem-estar e melhorar sentimentos como medo, ansiedade e tristeza. 

 

  1. Controle a respiração

Inspire. Expire. Respirar da forma correta pode ajudar muito no controle do corpo e da mente. Procure reservar momentos do dia para respirar lentamente apenas pelo nariz. Exercícios de três a sete minutos são já são suficientes para proporcionar maior equilíbrio e acalmar.  

 

  1. Evite pensamentos negativos

Tente mudar seu discurso interno, aprendendo a prestar atenção aos seus pensamentos, não alimentando pensamentos fantasiosos e incoerentes pelo futuro. Tente sempre focar em pensamentos positivos. O texto A positividade é importante para a saúde? pode te ajudar a trabalhar melhor esse tópico na sua vida. 

Sempre que um pensamento negativo se aproximar, tente evitá-lo, pensando em situações agradáveis e coisas que te trazem prazer. 

 

  1. Tome um chá

Desde os tempos antigos as pessoas descobriram que algumas plantas possuem efeitos medicinais. O hábito de tomar um chá pode proporcionar efeitos benéficos para sua saúde emocional. 

Alguns indicados para ansiedade são: camomila, lúpulo, valeriana, erva-cidreira, maracujá, lavanda, alecrim e melissa. 

 

  1. Seja mais organizado

Desorganização atrapalha o funcionamento do cérebro e provoca estresse. Ser organizado facilita o trabalho do cérebro, pois permite que ele tenha previsibilidade para executar tarefas.  

A energia adicional consumida em razão da desorganização no seu armário ou no escritório, por exemplo, acumula desgaste cerebral maior, cansa, tende comprometer o bom funcionamento mental e pode provocar outros males.  

Comece organizando as gavetas, depois os livros, e assim vá organizando também os pensamentos.  

 

  1. Sorria

Sorrir alivia o estresse. Até o sorriso mais forçado pode diminuir drasticamente o nível de estresse e ansiedade e deixá-lo mais feliz. O riso relaxa o corpo e a mente, fortalece as defesas orgânicas, melhora a circulação e a pressão arterial e libera endorfinas, que promovem uma sensação de bem-estar geral.  

Fizemos o teste e escrevemos sobre ele no texto O que eu aprendi ao sorrir para estranhos no ônibus. 

 

  1. Descubra atividades prazerosas

Hobbies proporcionam prazer e nos desviam das tensões. São estratégias para driblar o estresse. Ter um hobby deveria ser tão importante quanto dormir e se alimentar. 

Se você ainda não tem nenhum hobby, permita-se descobrir novas atividades que tragam prazer. Dançar, cantar, tocar um instrumento musical, costurar, fazer palavras cruzadas e ler podem ser boas alternativas.  

Aprender uma atividade manual como pintura, marcenaria, artes plásticas, jardinagem ou mesmo aprender a cozinhar podem despertar novas sensações e elevar o humor e autoestima

 

  1. Passe bons momentos com quem você ama

Tenha momentos de qualidade com amigos, familiares e pessoas que você realmente ama. Deixe o celular e as redes sociais de lado e curta cada momento com suas pessoas queridas. Namorar, por exemplo, é um ato que gera prazer e é mediado por vários hormônios. 

Amizade são indispensáveis. Nós falamos sobre isso no texto Amizade é o melhor remédio. Cultive as pessoas que estão próximas de você e querem o seu bem, elas serão essenciais para te ajudar contra as crises de ansiedade. 

Transtorno de ansiedade generalizada não é brincadeira. Se cuide, faça coisas que te deixem melhor mentalmente e fisicamente e, acima de tudo, procure ajuda

 

Produtos Desinchá

 

Bibliografia 

Dráuzio Varella | Tua saúde | Marisa Psicóloga | Vittude 

É um fato: durante a TPM, o nosso organismo fica, sim, mais sensível. As alterações hormonais causadas nesse período tornam tudo muito mais “intenso”: a sensação de irritação, ansiedade, dor de cabeça, inchaço… Ou seja, dá uma boa prejudicada na nossa qualidade de vida.  Ainda bem que temos a Dra. Flavia Renatte, nutricionista esportiva, como nossa parceira: ela dá algumas dicas importantes de como amenizar a tpm.  

 

1) Invista nos alimentos que são fontes de triptofano 

Esses alimentos são precursores de serotonina e vão te trazer uma sensação de bem estar. As castanhas, seja de caju, do pará ou amêndoas, as sementes, como as de gergelim, linhaça, ricas em ômega 3, peixes, como atum, sardinha e salmão, são alimentos que contribuem para combater os sintomas ruins causam pela tensão pré menstrual.  

 

2) Evite alimentos que são fontes de cafeína 

Cafés, refrigerantes, chá verde, branco ou vermelho (pois é) são estimulantes ricos em cafeína, ou seja: potencializam todo aquele desconforto da TPM.  

 

3) Pratique atividades físicas  

Não importa o tipo: pode ser até algo leve, como caminhar no parque. Isso melhora muito a questão do inchaço e libera hormônios que trazem a sensação de bem estar.  

Dicas de como amenizar a TPM 

Parece pouca coisa para resolver um problema que atinge EM CHEIO tanta gente. Mas garantimos que esses pequenos atos podem fazer uma grande diferença na vida de todas as mulheres.  

Alguma mulher por aqui encontrou outro tipo de solução de como amenizar a tpm?  

 

Produtos Desinchá

Que o nosso sistema digestivo é muito mais importante do que imaginávamos, isso já é fato. Inclusive já falamos sobre isso por aqui. Mas muitas pessoas ainda não entendem o quão complexo ele é e por quantas funções ele é responsável. E pior: não sabem como maus hábitos e um ritmo de vida alucinante podem afetá-lo. Então como fazer para mantê-lo saudável? 

A nossa parceira nutróloga, Dra. Vânia Assaly, explica: 

 

“Existe uma conexão muito forte do nosso sistema digestivo com o nosso cérebro. Nossas emoções afetam muito o funcionamento intestinal e a qualidade da digestão” (acho que você já deve ter percebido isso).  

 

Seu sistema digestivo é o seu melhor conselheiro

A inteligência do sistema digestivo

Funciona mais ou menos assim: o intestino é um termômetro de todo o comportamento que temos com o nosso corpo. Ou seja: ele é um tradutor de tudo aquilo que comemos, bebemos, ingerimos, sentimos e fazemos para entender todo o nosso dia a dia e trabalhar de acordo com essas “demandas”. Tudo que é ingerido e absorvido e pode causar estranhamento através do sistema imunológico.  

 

O melhor mensageiro que temos no corpo é o intestino 

Através da liberação de substâncias inflamatórias, da perda da proteção da barreira intestinal, conhecida como “alteração da impermeabilidade intestinal”, o sistema digestivo consegue informar o cérebro que aquilo que ingerimos não foi bom.  

Portanto, a lição de hoje é: ouça seu intestino e aprenda com ele. 

Assinatura Desinchá

Antes de você começar o texto, saiba que sim: o sarampo pode ser fatal. O assunto voltou a ser pauta na mídia depois que a Organização Mundial da Saúde anunciou um novo surto em alguns países. Entre eles, o Brasil.  

Aqui, o estado que mais teve casos de sarampo foi São Paulo. Até a data de publicação deste texto, foram mais de 2400 casos, com aumento de 37% em relação à semana anterior. Sabe o que isso quer dizer? Que não dá para ficar deixando a vacina para depois.

O sarampo é mesmo perigoso?

O vírus do sarampo é altamente contagioso 

Em entrevista ao jornal O Globo, o infectologista Celso Granato diz que como a taxa de transmissão do sarampo é muito alta, uma pessoa infectada consegue contaminar de 12 a 18 pessoas. Imagine: se 15 são contaminadas, teremos mais de 200 infectados em alguns instantes.  

A transmissão do vírus do sarampo acontece por meio da tosse, fala, ou quando o doente respira perto de outras pessoas. É simples assim: se uma pessoa infectada espirra em uma superfície, o vírus fica ativo naquele lugar ou no ar por até 2 horas, infectando quem passa por ali. Sem contar que a pessoa contaminada começa a infectar outras até 4 dias antes de saber que está doente.  
 

Mas não são só umas manchinhas no corpo? 

Não. O sarampo é uma doença grave que pode desencadear outras condições e deve ser levada a sério para evitar a morte precoce.  

Os sintomas do sarampo são irritação nos olhos, febre com tosse, coriza ou nariz entupido e mal-estar intenso. Depois de 3 a 5 dias, podem aparecer manchas vermelhas no rosto que se espalham pelo corpo. O Ministério da Saúde alerta que, depois das manchas, a persistência da febre é um sinal de alerta e pode indicar gravidade, principalmente em crianças menores de 5 anos.  

O sarampo deixa o corpo vulnerável e permite a evolução dos sintomas para doenças mais graves como pneumonia, otite que pode resultar em perda permanente da audição, encefalite aguda e, mulheres grávidas infectadas, podem ter parto prematuro.  

A complicação proveniente do sarampo é uma das principais causas de mortalidade infantil. 1 em cada 20 crianças com a doença desenvolvem pneumonia e 100 em cada 1000 crianças com encefalite aguda morrem. Já nos adultos, o sarampo desenvolve para pneumonia, podendo também levá-los à morte. 

 

A única maneira de se evitar o sarampo é pela vacina

O sarampo é um vírus e não tem tratamento. Ao ser infectada, a pessoa precisa esperar o corpo reagir e combater o sarampo naturalmente. A vacina é uma versão do vírus enfraquecido que funciona como um treinamento ao nosso sistema imunológico. Com ela, ensinamos o corpo a combater o vírus quando ele realmente aparecer.  Sem a vacina, o corpo fica despreparado e tem mais chances de padecer ao ser infectado.  

 

Mas existe uma boa notícia  

A vacina do sarampo é 97% eficaz e é distribuída gratuitamente pelo SUS!  

 

Quem deve tomar a vacina contra sarampo? 

O surto de sarampo no Brasil tem alguns estados e cidades principais, mas, mesmo se você não está em um deles, não custa deixar a carteira de vacinação em dia, certo?   

  • Pessoas de 12 meses a 29 anos de idade devem tomar 2 doses de tríplice viral com intervalo mínimo de 30 dias entre elas. 
  • Pessoas de 30 a 49 anos de idade não vacinadas devem tomar 1 dose de tríplice viral.  
  • Profissionais de saúde não vacinados devem tomar 2 doses da vacina tríplice viral independentemente da idade, com intervalo mínimo de 30 dias entre elas. 

 

Mulheres grávidas podem tomar? 

O Ministério da Saúde contraindica a vacina durante a gestação porque ela nada mais é do que o vírus do sarampo vivo, mesmo que enfraquecido. Como durante este período o sistema imunológico da mulher fica mais vulnerável, a vacina tem mais chances de desenvolver a doença e trazer complicações.  

O indicado é que a mulher com planos de engravidar tome as vacinas necessárias antes da gravidez para se proteger e proteger o bebê.  

 

A vida de outras pessoas está em risco 

Mulheres grávidas, pessoas imunodeprimidas, alguns pacientes com HIV e pacientes oncológicos não podem tomar a vacina. Por isso, quanto mais pessoas estiverem protegidas, mais esses grupos estarão seguros e têm mais chances de sobreviver. 

A vacina é uma responsabilidade social.  

Procure o posto mais perto e proteja-se. 

Assinatura Desinchá
 

Fontes: 

Globo | Casos de Sarampo triplicam em 2019, segundo OMS. 

Naçoes Unidas | Casos de Sarampo triplicam em 2019 

Ministério da saúde | Sarampo 

G1 Bem-Estar | Como o Sarampo Mata as Pessoas 

Gazeta do Povo | São Paulo confirma Primeira Morte por Sarampo  

 

Não tem segredo, caro leitor. A performance esportiva está relacionada com 3 pilares: treino, nutrição adequada e descanso (que envolve tanto a qualidade do sono quanto o intervalo entre um treino e outro). Ou seja: o sono interfere nos seus resultados, sim.

É o que explica a nossa parceira Dra. Flávia Renatte, nutricionista esportiva:

“Um sono de qualidade, bem aproveitado, vai promover o estímulo ao hormônio GH (relacionado ao crescimento) e à testosterona que, juntos, vão te ajudar a desenvolver massa magra.

Além disso, uma boa qualidade do sono também regula a grelina, que é o hormônio da fome, e a leptina, que é o hormônio da saciedade“.A qualidade do sono altera a sua performance esportiva?

Durma, seus hormônios agradecem 

Quando acordamos, o hormônio que é liberado é o famoso cortisol, que tem poder anti-inflamatório. Quando temos uma baixa qualidade do sono, o GH e a testosterona não são produzidos como deveriam e, com isso, o cortisol acaba sendo produzido em excesso. E quando ele está assim, acontece o que você menos quer: a perda de massa magra (catabolismo proteico). 

 

Muita fome e pouco resultado 

Outra consequência de um sono ruim é a desregulagem da fome e da saciedade. A grelina passa a ficar em evidência, aumentando a fome e podendo criar uma compulsão alimentar. Isso vai abaixar muito a sua performance e alterar o seu corpo.  

 

Dormir para recuperar  

E não menos importante: dormir bem acelera a nossa recuperação muscular. Se você continuar dormindo mal por muito tempo, vai ter o chamado “overtraining”, que é quando o organismo começa a fadigar. Isso gera alteração de humor, irritabilidade, desmotivação, chegando a ser confundido até com depressão.  

O sono é uma das coisas mais importantes que existem, amigos. Ele tem papel fundamental na regulação hormonal, na saúde intestinal e na nossa imunidade.   

 Assinatura Desinchá

73 milhões de pessoas sofrem de insônia no Brasil. SETENTA A TRÊS MILHÕES. Já falamos, aqui, sobre coisas que podem melhorar o seu sono de maneira natural. Mas falta abordar o lado ruim da tentativa desesperada por um sono completo: os malditos remédios para dormir.  

Um dado ainda mais assustador do que as 73 milhões de pessoas com insônia é o fato de que 80% da população brasileira diz ter algum problema para dormir. Ou seja: quase o país inteiro é um potencial cliente eterno de remédios para dormir. Pior: 11 milhões de brasileiros utilizam medicamentos controlados para resolver esse problema sem orientação médica.   

Não existe nenhum sinal de melhora para esse cenário. Na verdade, temos cada dia mais dificuldades para dormir graças a nossa rotina cada vez mais insana. Nos últimos 8 anos, o uso de remédios para dormir cresceu 560% (!!!!!!!). Em 2018, foram consumidas, no Brasil, 56,6 milhões de caixas de medicamentos para a ansiedade e para dormir.  

Alguns dos remédios mais usados são os benzodiazepínicos (ou ansiolíticos), que são relaxantes musculares. A venda deles têm caído enquanto a de um outro tipo cresce: o zolpidem. Esse medicamento vendeu 11,4 milhões de caixas no ano passado, um aumento de 33,5% se comparado com 2017.  

Remédios para dormir: o que fazer para não precisar deles?

O problema da automedicação 

Medicamentos como os benzodiazepínicos não fazem você dormir, apenas te relaxam. O problema é que ele causa dependência. Ou seja: uma hora, a dosagem não vai fazer mais efeito e você vai aumentá-la. O fato deles perderem o efeito com o tempo faz com que ele seja ineficaz no tratamento da insônia crônica.  

Já o zolpidem trata quadros de insônia. Ele dá menos rebote e o risco de dependência é muito baixo, mas também não é solução para nada. Alguns estudos mostram que o medicamento causa dependência sim, aumentando, inclusive, a chance de sonambulismo e até depressão

Para você entender melhor, caro leitor: tem gente que consome até 20 comprimidos por dia.  

 

Não se trata insônia com remédios para dormir   

Você não encontrará na farmácia um tratamento para insônia. O que os remédios fazem é criar uma dependência que levará seu médico a ter que tratar dois problemas: o que levou você a ter insônia e a dependência.  

O mais eficaz é o acompanhamento psicológico. E o melhor que você pode fazer por você mesmo é não se automedicar e procurar ajuda médica.  Assinatura Desinchá

Já falei isso aqui mais de uma vez, mas sempre recorro ao Google para, além de me informar sobre o tema que pretendo escrever, medir o nível do conteúdo que temos sobre ele na internet. Bom, o texto de hoje é sobre o ar-condicionado, e o que encontrei na busca foram dezenas de páginas sobre vendas e manutenção do produto, além de vídeos de uma música do Wesley Safadão.  

Ou seja: aparentemente não falamos muito sobre os efeitos do ar-condicionado em nosso corpo. Ou pelo menos isso não está nada em evidência. Bom, em uma boa parte do Brasil está bastante frio, então talvez faça sentido essa discussão não estar em pauta.  

Mas por mais que sua cidade esteja fria, já vamos te deixar preparado para dias mais quentes e falar sobre os cuidados que devemos ter com o ar-condicionado. Então vamos recorrer a velha pergunta:  

 

Afinal, ar-condicionado faz mal? 

Depende. O aparelho, em si, não é prejudicial ao corpo. Mas, para diminuir a temperatura, ele pega todo o ar do ambiente e retira a umidade. E é essa umidade baixa que pode trazer problemas: o ar seco do ar-condicionado faz mal às vias aéreas, irritando-as.  

Ar-condicionado faz mal à saúde?

Ar limpo, só com o aparelho limpo 

Outro ponto importante é a manutenção. O filtro do ar-condicionado acumula partículas de poluentes, fungos e bactérias. Com o tempo, o ar que sai do eletrodoméstico fica tão poluído quando o ar da rua. Por exemplo: se o ar-condicionado do seu escritório está sempre ligado e a manutenção não é feita regularmente, o ambiente fechado será ideal para a proliferação de vírus, como o da gripe.   

 

Ar-condicionado faz mal para alérgicos?  

Quem sofre com esse problema pode ter algumas complicações com o aparelho. Além do ar seco e da manutenção, pessoas com rinite, bronquite e outras podem ter suas crises atacadas ao tomarem um choque térmico por estar, por exemplo, em um ambiente quente e entrar em um gelado pelo ar-condicionado. Isso é chamado de reflexo colinérgico, uma defesa do organismo contra mudanças bruscas de temperatura. Isso provoca espirros, congestão nasal e tosse.  

 

Ele afeta mais algumas pessoas do que outras? 

Um estudo publicado no New York Times sugere que o ar-condicionado afeta mais as mulheres. Isso se dá pelo fato de o corpo da mulher demandar mais energia para manter a temperatura estável e, além disso, estudos também mostram que o corpo da mulher possui um número maior de receptores ao frio do que os homens. E durante o ciclo menstrual, a temperatura corporal da mulher pode oscilar entre 0,5 e 0,8 graus. 

Num escritório, por exemplo, a energia da mulher é mais gasta para compensar a temperatura corporal do que para focar no trabalho. As configurações do ar-condicionado são de 1960, época em que poucas mulheres estavam no mercado. Ou seja: o ar-condicionado foi pensado para homens, praticamente. Tenha empatia pela sua colega de trabalho e aumente um pouquinho o ar.  

 

Recomendações para o uso do ar-condicionado:  

1) Quanto você estiver com o ar-condicionado ligado em algum cômodo, mantenha bastante água no ambiente (para ficar confortável, a umidade deve ser de 50% a 60%);  

2) Hidrate-se sempre e mantenha-se protegido contra o frio; 

3) Se você fica com o ar ligado o dia inteiro (ou durante a noite), o ideal é não deixar a temperatura muito baixa, assim você não resseca ainda mais as mucosas; 

4) Umedeça seu nariz com soro fisiológico antes de dormir e tenha sempre um copo de água por perto;  

5) Abra as janelas! Seja na sua casa, no escritório ou no seu carro, deixar a ventilação rolar renova o ar do ambiente. 

6) Veja com atenção a quantidade de BTU/h do equipamento. Quanto maiores os BTUs, mais potente será a troca de ar. Portanto, cada tamanho é ideal para cada tipo de cômodo ou espaço.  

7) Preste atenção no total de energia consumido pelo eletrodoméstico e se a limpeza dele é simples. Manter o ar-condicionado limpo é bom não só para a saúde, mas também para que ele funcione bem, gastando menos energia.  

8) Pets possuem os mesmos problemas respiratórios que nós. Portanto todas essas regras valem para eles também. 

9) O ar-condicionado do seu carro também precisa de manutenção. O ideal é que você troque o filtro de 6 em 6 meses, caso você viva em alguma grande metrópole. Caso viva em uma cidade pequena, você pode trocar o filtro anualmente.  

 

Seu corpo vai agradecer demais.  

Assinatura Desinchá

As pílulas anticoncepcionais são uma mão na roda da vida de mulheres e mulheres trans, mas elas também podem ser um inimigo da saúde. Antes de explorar o assunto, uma informação muito importante:

A terapia hormonal deve ter acompanhamento médico

Tudo que está escrito aqui é para fomentar o debate sobre o tema e não é uma indicação ou contraindicação do uso de anticoncepcionais.

O que é o anticoncepcional? 

A pílula anticoncepcional é composta por hormônios sintéticos (o estrogênio e a progesterona) que impedem a gravidez indesejada. Além disso, a pílula traz autonomia e controle da fertilidade da mulher cis, favorecendo a sua profissionalização e competição com o homem no mercado. Também ajuda no controle do tamanho de famílias e, assim, no planejamento financeiro. Já para a mulher trans, a pílula anticoncepcional compõe a modulação do corpo dentro do padrão feminino, auxiliando na diminuição dos pelos no corpo, crescimento de seios, musculatura, entre outros. 

 

Quais os efeitos do anticoncepcional? 

As pílulas anticoncepcionais podem ser um alívio para quem sofre com as cólicas ou espinhas na TPM. Muitas vezes, inclusive, ginecologistas iniciam o tratamento com anticoncepcionais por esses motivos. E uma boa notícia (ou não)!  Segundo artigo da BBC, apesar dos boatos, não é comprovado que a pílula anticoncepcional é responsável por engordar ou emagrecer, ou seja, é melhor achar outra desculpa. 

O poder do anticoncepcional

Nem tudo são flores 

As pílulas anticoncepcionais são usadas há pouco tempo, se formos considerar outros tratamentos. Portanto, seus efeitos no corpo ainda estão sendo estudados. De 1960, data da sua criação, até hoje, já foi observado que a pílula está ligada a quadros que podem originar hipertensão, aumento do colesterol ruim, trombose, câncer no fígado e AVC. 

Além disso, uma pesquisa feita nos EUA, mostra que mulheres que usam pílula ganham 40% menos músculos do que as que não tomam, dificultando a busca pelo corpo definido.  

 

E pessoas trans? 

Eu comecei a tomar hormônio com doze anos. Eu morava com uma senhora e ela tomava anticoncepcional e ela falou para mim ‘”bom, você já tem o rosto de menina, então você toma esse anticoncepcional e o seu corpo vai mudar’” Eu queria ter um corpo bonito mesmo e eu não quis nem saber. Eu fui botando para dentro, botando para dentro, e as pernas engrossando e a bunda saindo e fiquei igual a uma mulher. (Documentário Protagonismo Trans, 2015 )

 

Você já leu a bula de um anticoncepcional? Ela ignora a existência de pessoas trans que também fazem uso dos hormônios. O difícil acesso a profissionais especializados também incentiva que as pessoas recorram às suas transições de maneira independente, podendo consumir doses elevadas que colocam em risco sua saúde. Só pra reforçar: uma transição saudável e eficaz exige acompanhamento médico.  

E você? Qual sua experiência com anticoncepcional? 

Assinatura Desinchá 

 

 

Fontes 

BBC | How the  baby pill changes your body shape

UOL | Pela internet, trans compram hormônios e fazem transição sem acompanhamento

Freitas FS, Giotto AC. Conhecimento sobre as consequências do uso de anticoncepcional hormonal. Rev Inic Cient Ext. 2018; 1(2): 91-5.1. Acadêmica

Sentidos de contrassexualidade e tecnologias corporais

BBC | O anticoncepcional me fez ter um avc aos 20 anos 

O tema desse texto é algo que infelizmente, eu entendo MUITO bem. A minha rinite alérgica foi diagnosticada quando eu tinha 1 ano de idade, descobrimos minha doença crônica quando o meu nariz começou a congestionar com frequência e eu comecei a ter dificuldades para respirar. 

Desde então, pode se dizer que a minha vida virou um “inferno”. E não, essa palavra não é forte demais para retratar meus problemas com as crises de rinite, e eu posso provar. 

Gatinho espirrando

Como minha rinite se manifestou quando eu era bem pequena, meu melhor amigo durante a minha vida inteira foram os lenços de papel. Eu precisava ter um lencinho em cada bolsa, mochila de escola, casaco ou bolso da calça, afinal, o nariz escorre o tempo inteiro. 

E convenhamos, rinite é uma caixinha de surpresas, você nunca sabe quando terá uma crise de espirros e ficará igual ao gatinho acima.  

E não duvide da capacidade de uma pessoa “rinituosa” (nome que eu dei para pessoas que possuem mais rinite do que alma dentro do corpo) de espirrar incessantemente, meu recorde de espirros seguidos foram 28, eu contei. 

Mas voltando para meus problemas com a rinite: eu era uma criança que adorava dormir na casa dos amiguinhos, ou acampar com meu grupo de escoteiros (minha mãe acreditava que mais ar livre poderia melhorar minha alergia respiratória). 

Enfim, toda vez que eu ia dormir fora de casa – não sei por que falei dormir fora de casa, em casa acontecia a mesma coisa – meu nariz ficava 100% entupido. E quando o nariz de alguém fica entupido, o que ela faz? Exatamente, respira pela boca. E sabe o que acontece durante o sono com uma pessoa que respira pela boca? Ela ronca. 

Você já experimentou tentar dormir perto de alguém que ronca como um motor de trator? Pois então, dá vontade de dar três travesseiradas na cara da pessoa. Mas o que eu poderia fazer? Eu não tinha culpa, afinal. 

O que eu fazia que ajudava a amenizar minhas noites mal dormidas era pegar um pano úmido e colocar sob o nariz para tentar aliviar a congestão nasal. Aparentemente, o pano úmido impede que os ácaros façam festa dentro de suas vias nasais e faz com que o nariz descongestione o suficiente para você conseguir dormir. 

Outra coisa: você já experimentou ficar em um lugar silencioso junto com uma pessoa que tem rinite? Sabe quantas fungadas por minuto uma pessoa com rinite dá? No mínimo três. 

Acredito que bater o dedo mindinho na quina do móvel é menos doloroso do que a humilhação de ter que fazer uma prova com a rinite atacada. Um lugar totalmente silencioso, com pessoas se concentrando ao máximo para de repente… atchim. 

Enquanto todos tentam fazer a prova em um ambiente quieto, você está espirrando, fungando o nariz sem parar e assoando para ver se consegue voltar a respirar. Definitivamente uma morte lenta e dolorosa. 

Mas rinite tem cura? – Olha, eu fui atrás de diversos médicos para tentar melhorar minha situação, tanto que fiz minha primeira cirurgia aos 5 anos de idade. A questão é que rinite alérgica não tem cura não. 

Eu tomei anti histamínicos durante 8 anos (o famoso loratadina e rinossoro ou como alguns preferem, anti alérgicos), todos os dias, mas acontece que o remédio parou de fazer efeito no meu organismo, e era igual chupar bala, não mudava nada. 

Eu convivi com minha rinite precária dessa forma até janeiro de 2019, quando por uma brincadeira de família eu descobri que havia uma forma de diminuir os efeitos do meu problema. E caso você tenha lido o texto Como seria passar 24 horas com a sua nutricionista você sabe muito bem que brincadeira foi essa. 

Mas antes que eu te conte o super segredo de como amenizei minhas crises, é justo que você saiba o que pode fazer com que sua alergia piore consideravelmente. 

Primeiramente, existem vários tipos de rinite, sendo as principais a rinite alérgica e a rinite infecciosa

rinite infecciosa é aquela normalmente causada por gripe e resfriado, demora um pouquinho para passar, mas passa. 

Já a rinite alérgica (que é a minha) não tem cura e normalmente é causada por cheiros, poluição e alimentos – ou seja, o fato de você respirar, já faz com que sua rinite ataque. 

Sendo mais específica ainda: a rinite alérgica pode ser causada por produtos de limpeza, odores fortes (como perfume), roupas de cama (é o lugar onde os ácaros e poeiras acham que podem se instalar), pelos de animais e alimentos como queijo, leite e seus derivados. 

Um dos sintomas da rinite quando ela ataca por algum desses motivos, além de ter aquela indecisão de se fica com aquela mucosa nasal ou fica escorrendo, é que pode causar muitas dores de cabeça. 

Na maioria das vezes, a rinite alérgica é controlável, porém, em casos como o meu, é preciso outros tipos de atitude. 

Como essa doença crônica é causada por um vírus, as vezes alguns alimentos que você come podem fazer com que esse vírus se manifeste ainda mais, causando a tal reação alérgica. 

O que nos leva novamente a grande questão: o que eu fiz para diminuir minhas crises alérgicas? 

No meu período de três meses de reeducação alimentar, eu cortei algumas coisas do meu cardápio como fast-foods, doces, e parei de tomar o meu maior vício (e o maior veneno para pessoas com rinite), leite

Eu chegava a tomar quase 1 litro de leite POR DIA. Sim, isso é muita coisa. E foi por isso que eu comecei a diminuir esse alimento da minha rotina até não sentir mais falta e parar de tomar de vez. 

Essas três coisinhas, que eu consumia bastante, são muito prejudiciais. Em 20 anos convivendo com a rinite, mudar minha alimentação foi mais eficaz do que os anos que fiquei tomando remédios ou fazendo cirurgia para desobstruir minhas vias nasais. 

Por isso, vou te mostrar alimentos que você pode cortar para efetuar o tratamento da rinite, e coisas pequenas para fazer com que a coriza, espirros e nariz congestionados não sejam um inferno na sua vida, como foi comigo. 

Rinite alérgica: como controlar a doença que não tem cura

Alimentos que alimentam sua rinite: 

Trigo e cereais: a farinha de trigo, milho, aveia, centeio e cevada contêm partículas que, quando inaladas, podem atacar sua rinite. Além disso, possui glúten, o que faz com que aumente a produção de muco. 

Doces: principalmente os produtos feitos com chocolate, que contêm ingredientes potencialmente alergênicos, como leite, soja, nozes e amendoim, podem irritar e inflamar a mucosa nasal. 

Bebidas alcóolicas: provocam vasodilatação e obstrução nasal. 

Leites e derivados: os laticínios contêm uma proteína chamada caseína, que deixa o muco mais espesso, dificultando a melhora no caso de doenças respiratórias. 

Alimentos industrializados: fast-foods, enlatados, embutidos e outras coisinhas desse tipo contêm nitritos, sulfitos, conservantes e corantes, itens que pioram os quadros alérgicos e problemas respiratórios. 

 

Alimentos ideais para pessoas que possuem rinite alérgica: 

Água: ela hidrata todo o organismo, inclusive as vias aéreas, ajudando a fluidificar as secreções e lubrificar as mucosas. 
 
Grãos e sementes: castanhas, sementes de linhaça, de girassol, entre outros grãos, contêm flavonoides. Esta substância possui efeito anti-inflamatório e emoliente (hidratante). 
 
Chás: também contêm flavonoides e ajudam no tratamento da rinite – já vou até deixar o link de um chá perfeito para isso

Peixes: atum, salmão e sardinha são alimentos ricos em ômega-3, um nutriente que protege as vias aéreas e ajuda a combater inflamações. 
 
Frutas cítricas: ricas em antioxidantes, auxiliam no fortalecimento do sistema imunológico, prevenindo gripes e resfriados. 
 
Vegetais e frutas: brócolis, vagem e vegetais verde escuros contêm clorofila, um poderoso antioxidante, propriedade também presente na cenoura, acerola, manga e abóbora (por conter carotenoides). 
 
Alho e cebola: estes alimentos devem sempre ser usados como temperos, pois contêm enzimas que combatem infecções por bactérias, vírus e fungos. 
 
Abacaxi: possui bromelina, uma substância que reduz a inflamação e diminui a congestão das vias nasais. 
 
Gengibre: está presente em muitos remédios para gripes e resfriados, graças à sua ação adstringente e expectorante. 
 
Mel: o “queridinho” para combater problemas respiratórios por possuir propriedades bactericidas, anti-inflamatórias e fungicidas, além de ajudar na expectoração. 

 
Dicas de como sobreviver sendo refém da rinite: 

  1. Lembre-se de que prevenir é o melhor remédio. Por isso, todo o cuidado na limpeza da casa para diminuir a proliferação dos ácaros é pouco; 
  2. FUJA de vassouras e espanadores. Opte por aspiradores com filtro e use um pano úmido para remover o pó dos móveis e do chão; 
  3. Use máscaras quando a faxina dos armários e das estantes de livros ficar por sua conta; 
  4. Mantenha os ambientes arejados e expostos ao sol durante a maior parte do tempo; 
  5. Escolha um estilo de decoração que dispense o uso de cortinas, carpetes, tapetes, almofadas ou de outros objetos que possam acumular poeira difícil de remover; 
  6. Lave as roupas de cama pelo menos uma vez por semana e as roupas guardadas há algum tempo antes de usá-las novamente; 
  7. Adote um estilo de vida saudável. Pratique atividade física, não fume, beba com moderação e alimente-se adequadamente. Se, por acaso, algum alimento for responsável por desencadear as crises, elimine-o da sua dieta. 

 

Então é isso! Rinite é uma droga? Com certeza. Mas você não precisa ficar à mercê da sua doença.  

Mudar alguns hábitos vale a pena para que se consiga viver da melhor forma e com saúde, né?! 

Assinatura Desinchá  

 

Bibliografia: 

Dráuzio Varella | Minha vida | Revista encontro | 

Infecção urinária, quem nunca? Infelizmente, é mais um desconforto que pega mais na vida das mulheres que dos homens. Mas por que esse castigo? Vamos entender:  

Xixi vs. Infecção Urinária

O que é a infecção urinária? 

É quando uma bactéria vai para onde ela não deveria estar. Isso pode acontecer por uma superpopulação de um tipo de bactéria ou por uma bactéria que foi parar no lugar errado. Os tipos de infecção urinária mais comuns são cistite, uretrite e piolenefrite, sendo essa última a mais grave. 

 

Quais os sintomas?  

É como se o xixi virasse fogo. Brincadeira. Verdade. A infecção urinária é uma ardência muito forte que traz muito incômodo. Ela pode deixar o xixi mais turvo pela presença de piúria (pus da urina), avermelhado pela presença de sangue e com cheiro muito forte.  É comum também ter muita vontade de fazer xixi, mesmo tendo acabado de sair do banheiro, e ter dor no reto.

Xixi pegando fogo

Por que as mulheres têm mais infecção urinária que os homens? 

É uma questão de anatomia mesmo. A uretra mais curta fica próxima da vagina com o ânus, regiões cheias de bactérias. Essas bactérias são boas naquela região especificamente e quando migram para uretra ou até mesmo para os rins, causam infecção. 
 

E nos homens?  

Pela uretra ser mais longa e estar longe de áreas que contemplam outras bactérias, a infecção urinária deve ser sempre mais investigada, porque pode ser um sinal de outras condições mais graves. 
 

Quem me ajuda? 

Você pode consultar um urologista, ginecologista e clínico geral. O tratamento para essa infecção é bem simples e o alívio é rápido.  

 

Não quero ter infecção urinária! 

Então faça bastante xixi! Urinar com frequência lava a uretra e previne infecção urinária, portanto também não segure o xixi

Além disso, no caso das mulheres, é preciso ensiná-las desde pequenas a se limparem no banheiro direitinho. O certo é passar o papel da uretra em direção ao ânus, e não do ânus em direção à uretra, o que pode trazer bactérias das fezes para a uretra e causar uma infecção. 

É preciso também ter atenção em caso de diabetes e obesidade, porque alguns medicamentos podem interferir na imunidade e facilitar infecções. 

 

Quero fazer mais xixi 

 Tome bastante água, água de coco e outras bebidas diuréticas como um ~certo chá~ chamado Desinchá.  

Bom xixi! 

Cachorro fez xixi

 
 

Fonte: 

Diagnóstico das infecções do trato urinário 

Abordagem diagnóstica e terapêutica na infecção do trato urinário – Itu Assinatura Desinchá

Sou uma das pessoas que, depois de ler muito sobre o tema, resolveu parar de tomar leite. Mas sei que é um tema muito controverso. Pesquisando ainda mais a fundo sobre o tema, você percebe que o leite tem sim muitos prós e que alguns contras são exagerados demais. Será que tomar leite faz mal?

Herói ou vilão, ele possui diversos nutrientes que são bons para a nossa saúde, como o cálcio. O que não significa que ele não tenha outros elementos prejudiciais. Mas vamos aos fatos trazidos por pessoas especialistas no assunto para não deixar nenhuma dúvida. Ou pelo menos para diminuí-las.  

Por exemplo, nosso querido Dr. Drauzio Varella explica em seu blog que somos, sim, os únicos animais que consomem leite na fase adulta, mas por motivos que vão além da saúde: primeiramente, conseguimos domesticar o gado e, assim, conseguimos incorporar o leite em nossa dieta; outro ponto é o fato de que o leite é um produto caro, por isso não usamos para alimentarmos outros animais. Apenas alguns produtores utilizam o soro do leite para alimentar animais.  

Ele ainda destaca que o leite ajuda na prevenção da síndrome metabólica, na redução da pressão arterial, na prevenção do diabetes tipo 2 e, principalmente, da osteoporose, pois a bebida é uma das principais fontes de cálcio que existem.

Leite faz mal? Esclarecendo as polêmicas

CONTROVÉRSIAS SOBRE O LEITE E A OSTEOPOROSE 

Existe esse outro lado: pesquisadores da Universidade de Uppsala, na Suécia, contestaram a relevância da bebida na prevenção da osteoporose. Em uma pesquisa realizada com 60 mil mulheres e 45 mil homens e chegaram a seguinte conclusão: o alto consumo de leite (três ou mais copos diários) não só não se mostrou tão eficaz na proteção dos ossos como até aumentou o risco de fraturas. 

A principal hipótese dos pesquisadores é sobre a galactose: quando injetam essa substância em animais – que é formada a partir da quebra da lactose – , observa-se uma morte prematura causada por reações como a inflamação. 

Mas mesmo esses pesquisadores pedem para não sermos conclusivos ainda, por ser um estudo de observação e associação, e não de causa e efeito. Ou seja: não ocorreu o estudo diretamente em pessoas que consumiram a substância, ignorando, assim, o histórico dessas pessoas. Às vezes, as pessoas já têm fragilidade óssea e, por isso, consomem mais leite. Isso poderia dar a falsa ideia de que o alimento causou a fratura. Fora que as pessoas esquecem o que comem e não preenchem a pesquisa da maneira mais precisa.  

 

VERDADEIRO OU FALSO?

  • O leite deveria ser evitado na alimentação: falso

Existem, sim, muitas contradições. Porém, os especialistas, em sua maioria, afirmam que o leite só precisa ser cortado em caso de alergia. Ele continua sendo um alimento muito nutritivo, mesmo com as controvérsias.  

 

  • A ingestão de leite causa pedras nos rins: falso

O cálcio está sim relacionado ao cálculo renal. Mas reduzir a ingestão de cálcio não resolve o problema. Dizem, inclusive, que o cálcio ajuda a prevenir essas pedras. Portanto o ideal continua sendo reduzir o sal, o sódio e o álcool.  

 

  • Tomar leite depois dos exercícios físicos pode ser bom: verdade

Um estudo realizado pela Universidade do Canadá mostrou que mulheres que bebem dois copos grandes de leite por dia, depois de fazer musculação, ganham mais massa muscular e perdem mais gordura em comparação às mulheres que bebem energéticos. 

 

  • Intolerantes à lactose devem evitar todos os laticínios: falso.  

O grau de intolerância varia de pessoa para pessoa. Ou seja: ela pode ser mais ou menos agressiva. Muitas pessoas não podem consumir a bebida em excesso, mas não apresentam problemas com os seus variados.  

 

  • Bebida à base de soja é tão nutritiva quanto o leite: depende

Isso vai ficar por conta do quanto de nutrientes são adicionados nessa bebida de soja. Ela, sozinha, não é tão nutritiva assim.  

 

  • Pessoas com gastrite devem evitar tomar leite: verdade

Tudo depende da maneira que ele é ingerido, mas o leite, quando ingerido puro, aumenta a produção de suco gástrico. 

 

Então vamos lá. A maioria dos nossos posts passam essa indicação, mas cuidar da saúde é isso: o ideal é consultar um médico/nutricionista. O leite pode ser muito ruim para você, mas também pode contribuir muito.  

Assinatura Desinchá

Esse é mais um daqueles textos com palavras difíceis de pronunciar. Sabe aquelas que só de olhar a gente desiste de fazer o que quer que fosse? Mas calma! Você não precisa desistir de ler por esse motivo, afinal, meu trabalho é justamente facilitar as coisas para você. E é por isso que eu vim falar sobre algo difícil, porém de uma forma easy, easy. O assunto hoje é sobre o “Hormônio da felicidade”, ou melhor, os hormônios da felicidade. 

Você já ouviu falar nesse termo antes? Ele normalmente é usado para retratar a fórmula para ser feliz. 

Ao longo dos séculos, pesquisadores se dedicaram a estudar a felicidade como um processo biológico, para descobrir o que desencadeava nossos sentimentos no ponto de vista físico. 

Nesse contexto, descobriram que nós temos substâncias químicas no nosso corpo que são conhecidas como “quarteto da felicidade”. 

A pesquisadora Loretta Breuning, autora do livro “Habits of a happy brain, explica que “quando o seu cérebro emite uma dessas químicas, você se sente bem”. 

Esse quarteto da felicidade é dividido em: Dopamina, Oxitocina, Serotonina e Endorfina. Cada substância da felicidade tem um trabalho diferente no nosso cérebro. Quando liberadas, elas podem nos trazer aquela sensação gostosa de felicidade. 

Esses hormônios estão sempre ativos no nosso organismo. Se eles não estão em equilíbrio, nosso corpo pode reagir negativamente através da insônia, estresse, ganho de peso e mau humor. Também podem te desmotivar e fazer com que você não sinta vontade de cumprir suas tarefas e compromissos. E, em casos mais graves de baixa desses neurotransmissores, as pessoas podem até desenvolver depressão

É por isso mesmo que eu trouxe uma série de coisas que você pode fazer para ativar cada um desses neurotransmissores. Elevar seu bem-estar pessoal e permitir que a “química da felicidade” nos ajude a desenvolver o hábito de estarmos felizes. 

Criança feliz

 O assunto hoje é sobre o “Hormônio da felicidade”, ou melhor, os hormônios da felicidade. 

Você já ouviu falar nesse termo antes? Ele normalmente é usado para retratar a fórmula para ser feliz. 

Ao longo dos séculos, pesquisadores se dedicaram a estudar a felicidade como um processo biológico, para descobrir o que desencadeava nossos sentimentos no ponto de vista físico. 

Nesse contexto, descobriram que nós temos substâncias químicas no nosso corpo que são conhecidas como “quarteto da felicidade”. 

A pesquisadora Loretta Breuning, autora do livro “Habits of a happy brain, explica que “quando o seu cérebro emite uma dessas químicas, você se sente bem”. 

COMO ATIVAR A ENDORFINA 

A endorfina é uma substância natural (neuro-hormonais) produzida pelo cérebro (glândula hipófise). Sua denominação se origina das palavras endo (interno) e morfina (analgésico). Ela é o primeiro elemento da química da felicidade, e é considerada a morfina do nosso corpo, pois age como se fosse um anestésico natural. 

Segundo Breuning, a endorfina é uma “breve euforia que tem a capacidade de mascarar a dor física”. É por isso que consumir alimentos apimentados é uma das maneiras de liberar esse opiáceo natural (morfina natural), pois ele pode induzir uma sensação de felicidade e nos dar mais resistência a dores. 

Mas essa não é a única forma de obtermos uma “injeção” de endorfina. O processo de produção e liberação dela pela glândula hipófise acontece durante e depois de uma atividade física.    

Há pessoas (assim como eu) que não curtem muito fazer exercícios, mas gostam daquela sensação de bem-estar que sentem após fazê-los. Sendo assim, a liberação de endorfina faz com que nos sintamos bem.  

Mas a ativação delas depende muito do tipo de atividade que você está praticando. Como se trata de um mecanismo provocado pela adaptação do corpo ao exercício, ela vai sendo liberada gradualmente desde o início da atividade.  

Algumas pesquisas afirmam que os efeitos da endorfina podem ser sentidos até uma ou duas horas após a sua liberação. Outros estudos observaram aumento das dosagens desse hormônio da felicidade até 72 horas após o exercício. 

Alguns exercícios que são ótimos para liberar grandes quantidades de endorfinas são: 

  • Corrida: Você pode fazer em casa, na rua, no parque. Onde você quiser. É só escolher um bom par de tênis. 
  • Treino funcional 
  • Aulões em grupo 

E você pode encontrar aulas e exercícios deste tipo na nossa plataforma do Desinchá Academy, YAY! 

Trouxe para vocês uma lista de coisas diferentes que podemos fazer para liberarmos uma parte da nossa querida “química da felicidade”, vulgo: a endorfina. 

1- Comer chocolate 

Siiiim! Comer chocolate estimula a liberação de neurotransmissores relacionados com o bem-estar. Isso parece até música para nossos ouvidos, né?! Dito isso, deixemos claro que comer chocolate faz com que nos sintamos felizes e satisfeitos. 

Só não vá atacar uma barra inteira de chocolates antes de terminar de ler esse texto, hein?! 

Para você usufruir dos benefícios que nosso queridinho pode oferecer, você deve consumir um quadradinho por dia, e o ideal é que seja chocolate amargo com 70% de cacau no mínimo, pois tem menos gordura e açúcar na composição, reduzindo assim o impacto negativo. 

2- Rir com as pessoas 

Pois é, estar com os amigos e pessoas que você gosta pode garantir momentos de alegria e devemos tentar praticar isso com frequência. 

Segundo uma pesquisa realizada pela Universidade de Loma Linda, na Califórnia (EUA), a endorfina liberada pelo riso pode melhorar a circulação e a eficácia das defesas do nosso organismo, evitando doenças cardíacas, por exemplo. 

Nós falamos mais sobre os benefícios de sorrir no texto O que eu aprendi ao sorrir para estranhos no ônibus, e lá você pode ver quais vantagens (além de liberar endorfinas) o sorriso pode lhe trazer. 

3- Contato íntimo 

Isso mesmo, senhoras e senhores: o prazer sexual também libera endorfinas que estimulam a felicidade e, por isso, é importante manter um relacionamento amoroso em que o contato sexual seja regular e satisfatório. 

Para se aproveitar ao máximo do contato íntimo, o ideal é que você se sinta à vontade com a pessoa que tem relações, e que todo o envolvimento afetivo contribua para a satisfação do casal, ajudando a promover a felicidade e a fortalecer o relacionamento de ambos. 

Você pode aproveitar e ler também nosso texto sobre O que acontece com o corpo depois do sexo. 

4- Seja grato 

Ter gratidão por pequenas coisas e pessoas ajuda a ativar a liberação das nossas endorfinas. 

Ser grato pelo seu trabalho, sua família, seus amigos, por ter um cachorro, uma casa, ser grato pelas coisas que você já conquistou. 

Crie o hábito de agradecer por pequenas coisas na sua vida. Que tal você listar 50 motivos para ser grato, e todos os dias agradecer por um item diferente? 

5- Cante e dance 

Cantar, dançar e assistir a filmes tristes liberam a endorfina para nosso sistema nervoso central. Ou seja, nos deixa com aquela sensação gostosa de bem-estar e felicidade também. 

Aproveite para testar suas habilidades vocais no chuveiro, ninguém é triste quando canta no banho. 

Você sabe como ativar o hormônio da felicidade?

COMO ATIVAR A SEROTONINA  

A serotonina é o nosso segundo hormônio da felicidade. Ela é conhecida por nos proporcionar prazer e conduzir impulsos nervosos de um neurônio a outro. 

Ela é produzida por meio de aminoácidos, como o triptofano, que podem ser encontrados em alguns alimentos como nozes, queijo e carne vermelha, e se localiza principalmente no sistema digestivo. 

A serotonina atinge desde nossas emoções até nossas habilidades motoras. Esse hormônio da felicidade pode regular o humor, sono, apetite, ritmo cardíaco, temperatura corporal, sensibilidade e funções intelectuais e, por isso, quando este hormônio se encontra numa baixa concentração, pode causar mau humor, dificuldade para dormir, ansiedade ou mesmo depressão

Já que uma das formas de aumentar a concentração de serotonina na corrente sanguínea é consumindo alimentos ricos em triptofano, te trouxe uma série de alimentos que registraram maior aumento do nível desse hormônio no organismo: 

  • Aveia: Você pode tomar com um iogurte pela manhã.
  • Chocolate com 70% de cacau ou mais: Mas só um pedacinho, hein?! 
  • Abacate: Nada melhor do que uma vitamina de abacate. 
  • Oleaginosas: nozes, castanhas, avelã, macadâmia, pistache… 
  • Ovo: Que tal optar pelo ovo cozido? 
  • Mel: Você pode usar como adoçante. 
  • Laticínios: Queijo branco é uma delícia! 
  • Peixes: Um peixinho grelhado é uma ótima proteína
  • Grão de bico: Já experimentou o bolinho de grão de bico? 
  • Brócolis: Brócolis com alho frito é uma combinação dos deuses! 
  • Couve-flor: Já provou arroz de couve-flor? 

Esse “hormônio da felicidade” é capaz de reduzir os maus hábitos que temos, e ajuda na nossa capacidade de decisão. 

 

COMO ATIVAR A OXITOCINA 

Nosso próximo hormônio da felicidade é a oxitocina. Ele é um hormônio produzido pelo hipotálamo, mais conhecido como hormônio do amor, pois costuma ser liberado quando estamos perto de pessoas que amamos. 

Segundo a endocrinologista Tatiana Cunha, “Quando isso acontece, os níveis de cortisol (hormônio do estresse) diminuem no organismo”. 

Segundo estudo publicado em 2011 pelo ginecologista e obstetra indiano Navneet Magon, “a ligação social é essencial para a sobrevivência da espécie (humanos e alguns animais), uma vez que favorece a reprodução, proteção contra predadores e mudanças ambientais, além de promover o desenvolvimento do cérebro.” 

Por isso, o obstetra considera que a oxitocina tem uma “posição de liderança” nesse “quarteto da felicidade”: “É um composto cerebral importante na construção da confiança, que é necessária para desenvolver maior resistência emocional nos relacionamentos.” 

Por isso, aqui vão algumas dicas de como aumentar os níveis desse hormônio da felicidade: 

1- Contato Físico 

A oxitocina é feita de um sistema de recompensas que é ativado e desativado quando estamos em relacionamentos amorosos. É por isso que as relações sexuais aumentam os níveis de oxitocina. Porém, nos homens, a maior resposta emocional é liberada quando têm um orgasmo com alguém com quem possuem um vínculo emocional. 

2- Meditação 

A meditação tem a capacidade de relaxar nosso corpo e mente. Na cultura ocidental, a palavra meditação vem do latim meditatĭo, que originalmente significava um tipo de exercício intelectual.  

Neste sentido, a meditação é um instrumento valioso para o relaxamento, tanto do corpo quanto da mente. Portanto, não estando em uma situação de luta ou fuga, a oxitocina é liberada. 

3- Chorar 

O acúmulo de energia que provoca o aprisionamento de nossos sofrimentos faz com que o estresse se instaure em nossas vidas e que os problemas físicos comecem a aparecer. 

O choro é justamente a liberação desta energia. Lembre-se de como você se sentiu depois daquelas vezes em que não conseguia parar de chorar, tão relaxado como se tivesse feito uma hora de meditação. 

Abraçar também é uma forma simples de se conseguir um aumento da oxitocina. Dar ou receber um presente é um outro exemplo. 

Breuning, da Universidade da Califórnia, também aconselha construir relações de confiança, dando “pequenos passos” e “negociando expectativas” para que ambas as partes possam concretizar o vínculo emocional. 

 

COMO ATIVAR A DOPAMINA 

A dopamina é o hormônio do prazer responsável por ativar sensações positivas como motivação, luxúria, prazer, vício, euforia e concentração.  

John Salamone, professor de Psicologia na Universidade de Connecticut (EUA), fala sobre efeitos da dopamina no cérebro publicado em 2012 na revista Neuron: 

“Baixos níveis de dopamina fazem que pessoas e outros animais sejam menos propensos a trabalhar para um propósito”. 

Por isso, aqui vão alguns exemplos do que você pode fazer para ativar a sua dopamina: 

1- Faça exercícios 

O exercício aumenta os neurotransmissores múltiplos – a serotonina e as endorfinas recebem impulsos juntamente com a dopamina. 

O exercício não precisa ser árduo. Basta dar um passeio ou subir alguns degraus que você conseguirá uma boa sacudida na dopamina. 

2– Crie algo 

Assuma um hobby ou atividade em que você realmente crie algo tangível. 

Tente algo como artes, artesanato, desenho, fotografia, ou qualquer outra coisa que soe interessante para você. Isso fará com que esse seu “hormônio da felicidade” seja liberado. 

3- Aumente a tirosina 

A tirosina é considerada o elemento constitutivo da dopamina. Portanto, é importante que você obtenha o suficiente dessa proteína. Aqui vai uma lista de alimentos que vão te ajudar a aumentar a tirosina: 

  • Amêndoas 
  • Abacates 
  • Bananas 
  • Chocolate 
  • Café 
  • Ovos 
  • Chá verde 
  • Leite 
  • Melancia 
  • Iogurte 

4- Comemore conquistas diárias 

Nosso cérebro está em busca de prazer, ao mesmo tempo em que tenta fugir do desprazer. Quando você o ensina que algo é bom, através de seu comportamento, ele libera descargas do neurotransmissor dopamina. 
Quando esse neurotransmissor fica mais tempo agindo no cérebro, você fica mais entusiasmado, empolgado, motivado e focado! 

A melhor maneira de elevar a dopamina, portanto, é definir metas de curto prazo ou dividir objetivos de longo prazo em metas mais rápidas. E celebrar quando atingirmos ela. 

Então meu caro leitor, depois desse texto você deve entender a importância de termos os “hormônios da felicidade” ativos na nossa vida, afinal, eles são capazes de nos influenciar de diversas formas.  

Qual desses hormônios você precisa dar uma atenção maior? 

Assinatura Desinchá 

 

Bibliografia: 

https://www.bbc.com/portuguese/geral-39299792 

http://globoesporte.globo.com/blogs/especial-blog/leo-tubarao/post/o-que-e-endorfina-e-como-ela-funciona-no-seu-corpo.html 

https://www.tuasaude.com/endorfina/ 

https://www.boavontade.com/pt/saude/endorfina-liberada-durante-o-riso-melhora-eficacia-das-defesas-do-organismo 

https://www.ativosaude.com/saude/serotonina/ 

https://amenteemaravilhosa.com.br/7-formas-aumentar-oxitocina-corpo/ 

http://yogui.co/10-maneiras-de-aumentar-dopamina-em-seu-cerebro/