Colesterol: Mocinhos e vilões

O colesterol em altos níveis no organismo é um importante fator de risco para doenças cardíacas. A boa notícia é que você pode reduzir estes níveis e, com isso, os riscos, incorporando certos alimentos em sua dieta diária. A ingestão destes alimentos é o melhor caminho para uma dieta equilibrada para assim manter o seu coração saudável. 

Colesterol: Mocinhos e vilões

O colesterol é um componente essencial das células de nossos corpos, dando força e flexibilidade às membranas celulares. Todo o colesterol necessário para o funcionamento de nosso organismo é produzido pelo fígado, mas também podemos introduzir mais colesterol em nossos corpos através de alimentos de origem animal, por exemplo. Cerca de 25% do colesterol no seu corpo provém de fontes alimentícias, o resto é produzido pelo seu fígado. Quando você consome colesterol extra seu corpo compensa reduzindo a quantidade que faz naturalmente. O mesmo vale para o oposto: se a ingestão de colesterol em sua dieta é baixa, seu corpo aumenta a produção do mesmo para que haja sempre o suficiente desta substância vital em nosso organismo. Daí a importância de uma dieta balanceada. 

E a diferença entre o colesterol bom e o ruim? Como o colesterol não se mistura bem com o sangue ele é transportado por partículas chamadas lipoproteínas, dentre elas temos lipoproteínas de baixa densidade e alta densidade, de onde vem as siglas LDL e HDL (Low Density Lipoprotein e High Density Protein). O LDL é muitas vezes referido como “colesterol ruim” por estar associado com o acúmulo de placas nas artérias, já o HDL, conhecido como “bom colesterol”, ajuda a eliminar o excesso de colesterol do seu corpo. 

Embora o colesterol encontrado nos alimentos possa impactar ligeiramente os níveis da substância no organismo, este não é um problema para a maioria das pessoas. Na verdade, pesquisas indicam que dois terços da população mundial demonstraram pouco ou nenhum aumento nesses níveis depois de comer alimentos ricos em colesterol, mesmo ingerindo esses alimentos em grandes quantidades. Os níveis de colesterol estão intimamente ligados a outros fatores além da alimentação, como a prática de exercícios regularmente, tabagismo e obesidade. Mas é claro que nem todo alimento rico em colesterol é saudável e, para ajudar você, separamos alguns mocinhos e vilões. 

Comer menos alimentos processados e preparar mais refeições em casa é a primeira dica. Pessoas com esse hábito normalmente apresentam menos gordura corporal e, por consequência, reduzem os fatores de risco de doenças cardíacas, como níveis de colesterol LDL elevado. Mesmo cozinhando em casa devemos nos manter atentos ao tipo de preparo: os alimentos fritos contêm altos níveis dessa substância e devem ser evitados sempre que possível. Eles são carregados de calorias e podem conter gorduras trans, que aumentam o risco de doenças cardíacas e são prejudiciais à nossa saúde de muitas outas formas. 

Carnes processadas, como salsichas, devem ter seu consumo limitados. O consumo exagerado de carnes processadas aumenta consideravelmente os riscos de problemas no coração e até mesmo do surgimento de alguns tipos de câncer como o de cólon, por exemplo. 

Outro vilão, para a tristeza de muitos, são as sobremesas. Biscoitos, bolos, sorvete, tortas e outros doces são alimentos pouco saudáveis que tendem a ter altos níveis de colesterol, açúcares, gorduras e calorias. Tais alimentos podem afetar negativamente a saúde geral e levar ao ganho de peso e, ao longo do tempo, à obesidade, um fator que gera o aumento do colesterol em nosso organismo. Somado a isso, esses alimentos são muitas vezes desprovidos dos nutrientes que o corpo precisa para estar em equilíbrio, tais como vitaminas, minerais, proteínas e gorduras saudáveis. 

Do lado oposto ao dos vilões temos uma gama de alimentos que possuem colesterol e são saudáveis, até mesmo indispensáveis, para uma boa saúde. Frutas e vegetais são primordiais: uma dieta rica em fibras é grande aliada no controle dessa gordura. Amêndoas e outras nozes também são excelentes, ricas em L-arginina, um aminoácido que ajuda o corpo a produzir óxido nítrico, que auxilia a regular a pressão arterial. Pesquisas mostram que o consumo de uma porção diária de nozes está ligado a um risco 28% menor de incidência de doenças cardiovasculares. Os vegetais de forma geral fazem muito bem à nossa saúde, mas os verde escuros são particularmente benéficos. Vegetais de uma cor verde mais escura, como couve e espinafre, contêm luteína e outros carotenoides que estão ligados a um menor risco de doença cardíaca. 

E o ovo? É vilão ou herói? Além de ser rico em colesterol, os ovos são uma excelente fonte de proteínas e nutrientes benéficos como vitaminas do complexo B, selênio e vitamina A. Os ovos são um dos alimentos mais nutritivos que podemos consumir, mas as pessoas muitas vezes os evitam por medo de que eles causem um aumento nas taxas de colesterol. No entanto pesquisas mostram que os ovos não afetam negativamente os níveis de colesterol e que quando ingeridos na dieta diária podem levar ao aumento nos índices de colesterol bom, o HDL. As pesquisas também mostram que comer de um a três ovos por dia é perfeitamente seguro para pessoas saudáveis. 

Assinatura Desinchá

Comente aqui

avatar