Como funciona o Parto Humanizado

O parto não é um processo cirúrgico. Se isso é uma surpresa para você, é porque a arrogância de alguns profissionais da medicina foi longe demais.  A gente já sabe que a gravidez só é um romance para quem está de fora. Apesar de ser um fenômeno fascinante, as mudanças do corpo da mulher, suas alterações hormonais e as pressões e inconveniências da sociedade são um grande desconforto, como falamos aqui.  Ignorando toda essa complexidade, foi se tornando muito comum na comunidade médica fazer do médico o protagonista do parto, em vez da mulher. Foi pensando nisso que, a partir de 1980, iniciou-se um movimento dentro da própria comunidade médica para priorizar as tecnologias apropriadas ao parto, a qualidade de assistência à mulher e a desincorporação de tecnologias prejudiciais. E daí surgiu a proposta de parto humanizado. 

Como funciona o Parto Humanizado

O parto humanizado tem uma equipe médica 

Para a Organização Mundial da Saúde, a humanização do parto é um conjunto de práticas que promove o parto e o nascimento saudáveis e a prevenção da mortalidade materna e perinatal, incluindo o respeito ao processo fisiológico e à dinâmica de cada nascimento.   

O parto humanizado tem toda uma equipe especializada com o objetivo de garantir que as decisões da mulher sejam respeitadas e que o bebê venha ao mundo dentro de condições concordadas com o desejo da mãe. 

 

O parto não é uma cirurgia 

O parto é um processo natural que envolve toda a preparação do corpo para o nascimento. Estamos falando aqui das contrações, dilatação e da autoconfiança da mulher. No parto, a mãe precisa se sentir capaz de dar à luz, apoiada por uma equipe especializada, e o bebê precisa experienciar o nascimento em todas as instâncias. 

Médicos de plano de saúde costumam ser cesaristas. Portanto, saiba que o parto natural é um processo que acompanha a natureza da mulher, enquanto a cesárea é uma solução de cirurgia para o parto em casos em que a mãe ou bebê estão em risco.   

O parto humanizado não tem como premissa abolir as tecnologias, muito menos a anestesia em prol da mulher, mas se põe contra elas serem usadas indiscriminadamente, tornando o parto estritamente cirúrgico. 

 

A protagonista do parto é a mulher, não o médico 

Essa é a premissa básica do parto humanizado. É muito comum a cesárea ser imposta à mulher e seu corpo se tornar um objeto a ser aberto. É como se a performance do obstetra e sua equipe fossem o fator determinante para o nascimento do bebê, ignorando a complexidade da natureza e inteligência das circuitarias do corpo humano na hora do nascimento. 

Obviamente, existem casos em que a cesárea é a única opção para manter a saúde da mãe e do bebê, mas, em outros casos, é preciso analisar a sua real necessidade. A humanização entra aqui para munir a mãe com todas as informações de especialistas para guiá-la a tomar as melhores decisões. 

É importante saber que o Brasil é um dos países que mais faz cirurgia cesárea, são cerca de 55% ao ano, sendo que apenas 15% são casos em que há realmente a necessidade da cirurgia. E os outros 40%? Geraram um nascimento com as complicações de pós-operatório e muito lucro aos médicos. 

 

Os partos nos SUS são humanizados 

A HumanizaSUS foi lançada em 2003 pelo Ministério da Saúde com objetivo de enfrentar os desafios relacionados às prerrogativas sobre a qualidade e a dignidade no atendimento de saúde, combinando tecnologia com acolhimento e atuando tanto na realidade da mãe como dos trabalhadores do Sistema Único de Saúde.  

Sim, o parto humanizado também é sobre humanização da equipe médica. É bem-estar para todo o mundo. 

A Política Nacional da Humanização (PNH) conta também com projetos de humanização desde 2000 que viabiliza a prática concreta dos seus objetivos, como o Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento (PHPN), que atua na redução das altas taxas de mortalidade materna, perinatal e neonatal. O PHPN garante assistência de qualidade e acolhimento durante todo o processo parturitivo, garantindo o direito das mulheres de escolha.  

 

O parto humanizado é um processo caro 

Conversamos com quem passou por esse processo. A mãe da Marina, a publicitária Maria Ligia, gastou cerca de R$20.000,00 pelo pré-natal e parto humanizado. Ela teve o apoio de profissionais da Parto Sem Medo durante todo o momento e diz que a educação do pré-natal foi muito importante porque envolve bastante o pai. Pelo processo parturitivo ser uma situação solitária para a mulher, essa humanização faz com que o pai já se sinta pai, relevante e importante, e possa se envolver antes e no parto.  

“Eu escolhi fazer no hospital porque se algo desse errado, não ia precisar ir longe. Isso foi uma escolha da nossa família. O parto em si foi meu, do Fábio e da Marina”. 

Maria Ligia conta que começou o processo na banheira e depois foi para a cadeira de parto. Marina nasceu e já foi para o colo da mãe.  

“Marina ficou 2 segundos com a obstetra para ver se estava tudo bem e a recebi de volta para que tivesse contato com meu peito e para que a gente se olhasse. Pele na pele, olho no olho. Depois de um bom tempo a pediatra pegou ela do meu colo e fez as medições e outras análises mais simples.”  

 

A mulher pode sim escolher o melhor para si 

Aqui temos um recadinho da Maria Ligia para outras mulheres. 

“Se vocês tiverem dinheiro, invistam nisso. Se vocês tiverem acesso ao SUS, não desistam. Conversem com muitos médicos porque o parto humanizado é um processo muito importante para que se construa uma relação de confiança com você mesma. 

O parto natural sem anestesia não é pra todas, mas ele pode ser humanizado mesmo com anestesia. Inclusive, pode ser humanizado até se precisar de cesárea de emergência.  

Nós somos muito capazes, a natureza é muito inteligente, não tenham medo. O parto humanizado é bom para o corpo, para a mãe, para a relação da família e para o bebê.” 

Para conhecer mais sobre o parto humanizado, acompanhe o Parto Sem Medo e o Coletivo Nascer.  

 
Produtos Desinchá

POR LAÍZA NEGRÃO 
 

Fontes: 

O parto humanizado sob perspectivas da equipe multidisciplinar hospitalar e família
Como ocorre o trabalho de parto
Política Nacional de Humanização
Parto e Nascimento
Programa de Humanização de parto  

Comente aqui

avatar