Diabetes: Descubra o quanto antes!

A gente ouve falar em diabetes desde que nos entendemos por gente, seja dentro de casa por ter algum caso na família ou nos noticiários médicos, mas pra mim essa doença sempre foi muito confusa. Achava que isso era causado só em pessoas que consumiam muito açúcar e que já tinham atingido sua cota na vida . Mas este blog me deu a missão de trazer informações a vocês e me obrigou a desfazer as confusões mentais sobre o tema (obrigada, Desinchá). Então agora é hora de ensinar um pouco do que aprendi sobre essa doença que atinge entre 13 e 15 MILHÕES de pessoas somente no Brasil.   

Tudo começa no pâncreas. A gente desmerece essa glândula (exato, não é um órgão!) por não saber quão importante ela é para o organismo. Falando especificamente do nosso tema, ele é responsável por produzir insulina que, por sua vez, metaboliza a glicose (açúcar do sangue) para transformá-la em gordura, músculos, proteínas, etc. Porém, em algumas pessoas a insulina não é produzida ou a existente não absorve a glicose de forma correta. E assim é causada a diabetes.  

Existem alguns tipos: os dois mais comuns são o Tipo 1 e Tipo 2 e em qualquer um deles o sangue fica com excesso de açúcar, o que acarreta uma série de problemas que, em casos extremos, podem causar cegueira, amputação de membros, coma e até a morte. 

O diagnóstico inicial é feito de forma simples, com o aparelho medidor de glicose. Basta uma gota de sangue para saber se a glicemia está no nível normal. Os parâmetros usados – para medição em jejum de 8 horas – são: normal – inferior a 99 mg/dl; pré-diabetes – entre 100 e 125 mg/dl; diabetes – superior a 126 mg/dl em dois dias diferentes. 

Diabetes: Descubra o quanto antes!

Tipo 1 

Normalmente diagnosticado na infância ou adolescência, o Tipo 1 se caracteriza pela destruição autoimune das células produtoras de insulina (células beta). Ou seja, o próprio organismo produz anticorpos que exterminam as células beta.   

Os sintomas aparecem rapidamente, às vezes até em dias, e os mais característicos são: sede, xixi e fome excessivos, emagrecimento, cansaço e fraqueza. Assim que isso for notado, o tratamento deve iniciar imediatamente pois, caso demore, os sintomas podem evoluir para desidratação severa, sonolência, vômitos, dificuldades respiratórias e coma. Esse quadro mais grave é conhecido como Cetoacidose Diabética e necessita de internação para tratamento. 

  

Tipo 2 

Esse tipo é responsável por cerca de 90% dos casos de diabetes. Nesses pacientes, a insulina é produzida pelas células beta pancreáticas, mas elas não trabalham como deveriam e não absorvem a glicose corretamente. Para compensar esse mau funcionamento, o pâncreas produz ainda mais insulina para tentar manter a glicose em níveis normais. Quando isso não é mais possível, surge o diabetes. 

No tipo 2, os sintomas demoram mais para aparecer, até anos, mas eles chegam: sede, aumento da diurese, dores nas pernas, alterações visuais e outros. Por isso é tão importante fazer exames de rotina: se não tratada a tempo, também pode evoluir para um quadro grave de desidratação e coma. 

  

Diabetes Gestacional 

Na maioria das vezes ela é detectada no 3º trimestre da gravidez, através de um teste de sobrecarga de glicose. As grávidas que tiverem histórico de diabetes gestacional, aborto espontâneo, más formações fetais, hipertensão arterial, obesidade ou histórico familiar de diabetes não devem esperar para fazerem os exames, já que a chance de desenvolver a doença é maior. 

Para tratar qualquer tipo de diabetes é necessário acompanhamento de uma equipe multidisciplinar, que pode variar de acordo com as necessidades de cada paciente, mas o nutricionista e endocrinologista estarão sempre presentes. 

Para que o nível de glicose fique dentro do normal, mais uma vez, ter hábitos saudáveis é fundamental. A prática de atividades físicas e alimentação balanceada precisam ser levadas tão a sério quanto os horários dos remédios, que compreendem aplicação de insulina (principalmente para diabetes Tipo 1) e medicação via oral, normalmente utilizada para casos de Tipo 2 que, dependendo do princípio ativo, tem o papel de diminuir a resistência à insulina ou de estimular o pâncreas a produzir mais desse hormônio. 

O diabetes pode ser uma doença silenciosa e a visita regular ao médico, assim como atenção aos possíveis sintomas, são de extrema importância. Ela requer muito cuidado e seu tratamento deve ser seguido de forma séria e rigorosa, mas se o paciente fizer tudo direitinho, com certeza vai ter uma vida normal e saudável. 

Assinatura Desinchá

Comente aqui

avatar