Meu primeiro jejum intermitente de 24h. Olha como foi

Foi falar assim “Vou fazer um jejum intermitente de 24h”, e o resultado foi quase instantâneo: ao andar pela rua, no caminho de casa ao trabalho, minha atenção foi sequestrada por TO-DOS os restaurantes, padarias, botecos, e basicamente qualquer estabelecimento que vendesse COMIDA.

Em algum momento cheguei a pensar “Ahhhh, bem que eu poderia almoçar uma coisa bem gostosa hoje… Hmmm…”

Para em seguida “outra voz” responder: “Que mané comida gostosa, garota? Você está de jejum, lembra? Je-jum!”

 

Meu primeiro jejum de 24h. Olha como foi

 

E antes que me acusem de ser louca, masoquista, ou coisa pior, vou falar um pouquinho sobre por que o danado do jejum intermitente pode ser benéfico para nossos corpitxos (e porque eu estava nessa brisa):

 

  • O jejum intermitente ajuda nossas células a se recuperarem
    O jejum ativa a autofagia celular quando as células se livram de estruturas defeituosas -, o que tem um impacto na nossa longevidade e na qualidade do nosso envelhecimento.

 

  • Potencializa a queima de gordura
    Quando não estamos dando energia na forma de alimentos para o corpo, ele passa a usar as reservas de gordura para se manter funcionando (sem perda de massa muscular em adultos ativos).

 

  • Regula a produção de hormônios
    Os benefícios mostrados nesse estudo incluem: diminuição do risco de doenças cardiovasculares, diabetes (porque regula o açúcar no sangue), e um aumento na produção do hormônio do crescimento (responsável por proteger os músculos e o equilíbrio metabólico).

 

  • Melhora as funções cerebrais
    O jejum tem demonstrado que nos deixa mais alertas, com um foco maior nas atividades que estamos desempenhando.

 

  • Combate inflamações
    Um dos motivos pelos quais o jejum está associado a um envelhecimento com maior qualidade também tem a ver com o fato de ajudar a combater inflamações no corpo (um dos principais processos causadores de diversas doenças).

 

  • Acelera o metabolismo
    O jejum intermitente potencializa a queima de gordura e a termogênese, um dos processos pelos quais o corpo gera energia, e que serve para deixar o seu metabolismo mais acelerado.

 

Meu primeiro jejum intermitente de 24h. Olha como foi

 

Em resumo é isso…

Há um tempo, confesso que ficava com o pé atrás quanto ao jejum, mas aos poucos isso foi dando lugar à curiosidade.

No nosso processo de evolução, o comum era comer quando se tinha fome real (e às vezes nem dava pra comer imediatamente à sensação de fome)… Não tinha ninguém dizendo pra comer a cada 3 horas ou algo assim.

Eu já tinha passado por uma reeducação alimentar, consumindo comida de verdade, menos industrializados, e sem açúcar… E estava experimentando uma estratégia low carb.

Então já vinha sentindo menos fome de uma forma geral. Tinha até feito alguns jejuns intermitentes (até 16h).

Mas alguma coisa em passar 24h sem comer assustava minha mente imensamente.

 

Assustada

 

ELA (mais do que qualquer possível desconforto) foi quem mais me atrapalhou nesse processo. Era só dizer que “não”, e a minha mente queria “comer qualquer coisa, e AGORA”.

Essa foi uma grande lição do quão mimada minha mente pode ser.

O segundo jejum de 24h, por outro lado, foi BEM MAIS sossegado.

Uma das explicações para isso é a grelina – o chamado “hormônio da fome”. Quanto mais grelina você produz, mais você tem vontade de comer…  E quanto mais você come, mais grelina você produz.

O “pulo do gato” é: quando você muda seus padrões de alimentação e passa a comer menos, aos poucos o seu corpo se adapta e passa a sentir menos fome.

E você, já testou algum tipo de jejum? Como foi a sua experiência? Conta pra gente que vamos adorar saber.

E se você tem curiosidade e gostaria de testar se o jejum intermitente funciona para você, lembramos que é importante consultar seu médico ou nutricionista antes, ok?

Assinatura Desinchá

Comente aqui

avatar