O que é que eu vou fazer com essa tal Glutamina?

A maioria das pessoas que pratica esportes ou malham nas academias pode ser dividida em 3 grandes grupos: os que fazem pelo benefício da saúde, os que querem perder peso ou os que querem ficar definidos e musculosos. 

Para este último, são oferecidas diversas substâncias que ajudam a chegar no objetivo. Alguns são vendidos como suplementos em lojas do gênero e outros oferecidos no mercado negro, pois só podem ser prescritos por médicos e vendidos mediante apresentação de receita.  

Ultimamente, um dos suplementos mais procurados é a GLUTAMINA. Ela pode ser comprada em pó e normalmente é diluída em água e sucos, ou batida junto com vitamina de frutas – caso não goste de nenhuma dessas opções, é só usar a imaginação e fazer do seu jeito. 

O que é que eu vou fazer com essa tal Glutamina?

O que muita gente não sabe é que a GLUTAMINA é um aminoácido da classe dos não essenciais produzido pelo nosso corpo (ela também pode ser sintetizada a partir de outros aminoácidos, por isso a classificação “não essencial”). É encontrada em abundância no tecido muscular e funciona como um anabolizante natural, formando blocos de proteínas que atuam no transporte de nitrogênio para os músculos através da corrente sanguínea e, consequentemente, beneficia o ganho de massa magra. Além disso, existem diversos benefícios associados a ela: 

– Fortalece o sistema imunológico: ajuda na formação e ação correta dos anticorpos. Mesmo que os estudos sejam ainda pouco conclusivos, a glutamina e outros suplementos também proporcionam benefícios na prevenção de doenças e no tratamento de pacientes que apresentam sistema imunológico mais debilitado, como os em tratamento de câncer ou portadores do vírus HIV. 

– Evita o catabolismo: O catabolismo é um processo natural do metabolismo em que ocorre uma quebra de nutrientes e outras substâncias para obtenção de energia, o que acaba prejudicando o crescimento de novos tecidos, como os músculos. Se não houver uma reposição de substâncias ao tecido, ele não se recupera adequadamente e a massa muscular é afetada. 

– Melhora a saúde intestinal: Boa parte da defesa do organismo acontece em nosso aparelho intestinal, onde ocorre produção de anticorpos, que protegem todo o corpo. A glutamina é uma das principais fontes de energia para essas células, ajudando na defesa realizada por elas e melhorando a absorção de outros nutrientes adquiridos através da alimentação. 

 

Mas fique atento! Apesar dos benefícios, a suplementação só pode ser feita por indicação médica, pois como sempre falamos aqui, tudo deve ser utilizado na medida certa para a rotina e organismo de cada um. E se você já começou a se animar achando que vai ficar musculoso só tomando suplemento de GLUTAMINA, não só está errado como corre o risco de ter problemas de saúde. Sim! Existem contraindicações: por exemplo, quem tem problemas nos rins ou fígado pode ter seu quadro agravado. 

Agora, se você faz exercícios de alta intensidade, pode sim utilizar o suplemento (de acordo com a prescrição certa) para aliar no seu rendimento e resultados. Ele pode ser combinado com outros suplementos e quando ingerido no pré-treino, cerca de 30 minutos antes, pode ajudar a reduzir o cansaço e esforço físico exigido durante os exercícios. Dessa forma, você consegue malhar por mais tempo. No entanto é no pós-treino que ele é mais necessário, justamente para repor os níveis de energia e ajudar na fadiga muscular.  

 

Existem alguns tipos de suplementos que deixam os interessados em dúvida na hora de comprar. A diferença entre eles não é muita, mas é importante saber o que estamos consumindo:

– Glutamina e L-glutamina: são a mesma coisa. Essas duas nomenclaturas se referem à glutamina em sua forma livre, isto é, o aminoácido puro.   

– Glutamina peptídeo: é a junção de 2 ou mais aminoácidos, não sendo 100% glutamina. Em geral, ela está presente como complemento em outros produtos, como o whey protein ou BCAA

BCAAbranched-chain amino acid ou aminoácidos essenciais de cadeia ramificada. É um produto composto pelos aminoácidos leucina, isoleucina e valina. Os dois suplementos proporcionam benefícios à saúde, mas devem ser utilizados somente quando for realmente necessário. De modo geral, não há problema em tomar BCAA e glutamina ao mesmo tempo, pois o BCAA pode até mesmo melhorar a absorção da glutamina. 

 

Como qualquer componente, a GLUTAMINA também pode causar efeitos colaterais. Embora sejam necessários estudos mais aprofundados, já existem alguns que foram observados quando é feita uma ingestão acima de 40gr por dia: alteração de outros aminoácidos no organismo, como leucina, valina e isoleucina, sobrecarga dos rins, prisão de ventre, flatulência, alteração na absorção de aminoácidos pelo intestino, redução na síntese natural de glutamina feita pelo organismo, que pode se adaptar ao suplemento e reduzir a produção. 

Para você que não curte consumir produtos industrializados, a natureza oferece alimentos naturais com este aminoácido. Eles não são tão concentrados, mas certamente vão te ajudar. Se você preferir fazer compras no mercado e na feira ao invés de ir na loja de suplementos, coloque em seu carrinho: carnes, leite, arroz branco, ovos, soja, queijos, repolho, espinafre, quinoa, couve e salsa. 😊 

Assinatura Desinchá

Comente aqui

avatar