Quem tem medo de carboidratos?

Os carboidratos realmente merecem essa fama de lobo mau?

Imagine só: uma família italiana que almoça junta todo santo Domingo.

Pai, mãe, tios, primos, todos sentados à mesa, falando alto, gesticulando e se deliciando com grossas fatias de filão italiano com sardela. E você só observado… Até que a Nona sai da cozinha com uma travessa ENORME de fusilli ou lasagne que daria pra alimentar um batalhão. O perfume da massa e do autêntico molho de tomate caseiros fazem sua boca salivar e o estomago roncar. Aí na hora de se servir você acha num canto da mesa, uma salada de agrião com mozarela de búfala ignorada por todos. Você enche seu prato e em 10 minutos cruza os talheres falando estar satisfeita(o). A nona, indignada, pergunta se você não vai comer o macarrão que ela passou a manhã toda fazendo e você, sem graça, diz: “Desculpa, Nona, mas estou fazendo dieta e não posso comer carboidratos”. Todos param de comer e te olham. Pronto. Você acabou com toda a alegria do almoço de domingo da família. E assim vivem muitas pessoas que colocam nos carboidratos a culpa pelos quilos a mais sem ao menos entender como eles são importantes e se comportam em nosso organismo.

Muito dessa “demonização” dos carboidratos começou com dietas que propunham corta-los da alimentação, e foram seguidas por beldades famosas que garantiram obter resultados quase mágicos. Mas a verdade é que os pobres carboidratos são tão importantes quanto as proteínas, fibras, minerais e todos os nutrientes. Então, pra desmistificar um pouco esse macronutriente, vamos aos fatos:

O que ele faz? Carboidratos são formados por carbono, hidrogênio e oxigênio. Após metabolizado no organismo se transformam em glicose e são nossa principal fonte de energia.

Então se eu parar de comer pão e macarrão vou me livrar deles? Não. Eles estão presentes em diversos tipos de alimentos. Na verdade, existem vários tipos de carboidratos que podem ser encontrados em frutas, verduras, vegetais, grãos, sementes, tubérculos, hortaliças, etc. Ou seja, muito dificilmente você conseguirá se livrar completamente deles.

E quais os tipos de carboidratos?

– Monossacarídeos: São os mais simples e compostos por apenas uma molécula de açúcar. Fazem parte deles a glicose (existente no mel, farinhas e batata, por exemplo), frutose (o açúcar das frutas) e galactose (um dos componentes da lactose, encontrada no leite e produtos lácteos)

Quem tem medo de carboidratos?

– Dissacarídeos: São formados por duas moléculas de monossacarídeos. São encontrados na natureza e também podem surgir por manipulação. Os mais comuns são a sacarose (união da glicose com a frutose), lactose (glicose + galactose) e maltose (formada por duas moléculas de glicose – sim, cerveja engorda :/ )

Cerveja engorda

– Polissacarídeos: são compostos por amido. Estão presentes em cereais e grãos como o arroz, trigo, nozes, sementes, legumes e hortaliças

Macarrão

Agora complicou… todos os tipos de carboidratos se transformam em glicose e gordura? Sim, todos os carboidratos se transformam em glicose, mas essa glicose só vai se transformar em gordura se não for consumida pelo corpo. Ou seja, se você come muito carbo, vai ter um excesso de glicose. Aí sim a glicose que não foi aproveitada, vira gordura.

Ah, então carboidrato só engorda se for consumido em excesso? Isso mesmo! Não só carboidrato, mas tudo em excesso faz mal. Por isso é necessário ter uma dieta balanceada. Acontece que boa parte daquilo que é mais gostoso e mais prático de consumir tem carboidrato, por isso muitas vezes acabamos ingerindo mais do que deveríamos.

Mas qual tipo de carboidrato que eu devo evitar pra emagrecer?

Os carboidratos simples (mono e dissacarídeos) são rapidamente absorvidos pelo organismo e elevam o nível de glicose no sangue, causando picos de insulina (que é o hormônio que regula o açúcar sanguíneo). Quando o efeito da insulina passa, a tendência é que o organismo volte a sentir fome por causa da queda de glicose. Isso não significa que você deva ficar sem comer frutas, mas sim aquelas besteiras tão apetitosas como refrigerante, doces, etc. Também deve-se evitar ou controlar o arroz, macarrão, pães de farinha branca, leite e derivados.

Ok. Mas e esses polissacarídeos?

Como eles têm uma composição mais complexa, são digeridos de forma mais lenta e vão liberando os nutrientes aos poucos. Dessa forma eles deixam o organismo saciado por mais tempo sem causar em tsunami de glicose.

Então, resumindo, tudo deve ser consumido com bom senso. E se você está pensando em começar uma dieta ou reeducação alimentar, procure um médico e nutricionista. Só eles vão poder dizer qual é o melhor caminho para perder peso sem prejudicar sua saúde.

Assinatura Desinchá

Comente aqui

avatar