Eu testei: Subir escadas por 1 semana!

Devido ao grande sucesso do desafio anterior com a nossa querida estagiária de RH, Victória Martins, sobre produzir menos lixo, resolvemos abusar um pouquinho mais da boa vontade da nossa pupila para trazermos mais conteúdos práticos e relevantes para você, caro leitor viciado em chá.  

“Mas vocês não têm outros estagiários que podem fazer desafios também?” 

Ah, temos sim. Mas já tiramos uma para cristo e queremos dar uma cara mais pessoal nesses testes. Além do fato de ser muito mais divertido.  

Mas dessa vez o desafio foi um pouco mais cansativo: pedimos para a nossa colaboradora deixar de usar o elevador por 1 semana e subir andares usando sempre as escadas.  

A parte interessante é que a nossa empresa fica no 11º andar e as aulas da nossa estagiária favorita ficam no 5º andar da faculdade. A casa em que mora fica no 3º, mas aí né, facinho demais. 

Eu testei: Subir escadas por 1 semana!

Mas vamos ao que interessa.  

Nossa aprendiz não é uma pessoa que faz muitos exercícios. Claro, fazendo estágio e faculdade, não sobra tempo nenhum pra isso. (Rola uma preguiça também, mas ela não quis admitir).  

Essa falta de exercícios fez com que o primeiro dia do desafio fosse uma tortura interminável. Acho que dá pra resumir essa epopeia inicial em muitos áudios de WhatsApp e até mesmo vídeos com vários xingamentos ofegantes. Por mim tudo bem.  

No segundo dia, Victória percebeu que subir escadas, além de tudo, era entediante. E qual a solução contemporânea para o tédio? Sim, o celular. Agora pense comigo… Qual a chance de dar certo subir escadas usando o celular? Eu digo: existem até canais no Youtube que sobem vídeos de jovens fazendo besteira por estarem olhando o celular enquanto andam.  

Enfim, não foi o que aconteceu com a nossa heroína. Mas antes ela subia correndo para acabar a tortura mais rápido. Já no terceiro dia, com o celular na cara, começou a subir as escadas muito mais devagar e fazendo mais esforço. E tropeçando algumas vezes também.  

Obviamente, tanto subir rápido quanto subir devagar olhando para o celular causaram cansaço na pequena Victória. Mudar hábitos é algo que exige esforço, seja físico ou mental. Mas vamos falar sobre outros pontos agora.  

Uma dificuldade que nossa estagiária nos reportou foi com relação as pessoas ao seu redor. Ao saberem que ela tinha trocado os elevadores por escadas, rolou um julgamento. E tudo bem, ninguém quer subir escadas. É chato mesmo. Mas era um desafio e nossa heroína precisava de apoio, pô.  

Mas de acordo com a nossa guerreirinha, que tem uma personalidade forte, ela conseguiu convencer alguns amigos a fazerem o mesmo, através de argumentos voltados para a saúde, que usar as escadas pelo menos de vez em quando evita doenças, melhora o condicionamento e ajuda até a mente. PONTO PRA ELA!  

Homens subindo escadas

Bom, passada a semana do desafio, os resultados foram bem melhores do que o esperado: a Vic percebeu que, com o passar do tempo, subia com mais facilidade e menos ofegante. Isso a motivou a continuar mesmo após o término do desafio, pois notou que esse exercício melhorava seu condicionamento. 

A partir daí foi podemos dizer que foi só alegria: melhorar o condicionamento fez com que ela se motivasse para criar outros hábitos que melhorassem ainda mais a sua saúde. Ela mesma diz: “Como não tenho tempo para fazer exercícios, resolvi mudar alguns hábitos que me trouxessem mais saúde, como reduzir o consumo de carne vermelha e comer mais legumes e vegetais.”  

Cachorro subindo escadas

Com essa nova rotina de subir e descer escadas vieram duas curiosidades:  

  • A genial descoberta de que era mais rápido subir pelas escadas em casa (3º andar) e na faculdade (5º andar). As duas pelo fato de que os elevadores demoram, principalmente na faculdade, local onde os jovens são selvagens;  
  • Ao contar a história do desafio para sua tia, ficou sabendo que essa mesma tia usava as escadas como treino para subir uma montanha (e subiu mesmo).  

Esses dois fatores estimularam nossa guerreirinha para ir além. As dores musculares que sentia no começo sumiram e os xingamentos (direcionados especialmente a mim) deram lugar a uma percepção de saúde e bem-estar.  

Por fim, Victória Martins, a estagiária de RH, resumiu sua aventura da seguinte maneira: “Agora eu sinto que consigo ficar mais tempo em pé e respiro melhor!”  

Sim, amigos. As vezes grandes esforços trazem vantagens que podem não ser tão significantes assim para alguns, tipo ficar em pé.  

Mas sempre que tenho a oportunidade reforço o quanto é importante criar hábitos saudáveis, por menores que sejam. E sabemos que, para a nossa querida e voluntariosa estagiária, esse foi só o primeiro passo para muitos outros hábitos saudáveis que transformarão a sua vida! Tipo tomar Desinchá todos os dias pela manhã. 🙂  

Assinatura Desinchá

Comente aqui

avatar