Transtornos alimentares: quando o “saudável” se torna problemático

 É difícil amar o nosso corpo – principalmente quando somos bombardeadxs a todo momento com imagens de um ideal super difícil de atingir. É mais comum do que a gente imagina, por uma preocupação com a aparência, ver pessoas sofrendo com transtornos alimentares. É a amiga que para de comer. O cara que não sai da academia e chega a tomar “bomba” para esculpir os músculos. Ou quem toma laxantes e até induz vômito. 

Transtornos alimentares: quando o “saudável” se torna problemático

Então falamos muito aqui na Desinchá sobre a importância de uma boa alimentação, de praticar exercícios físicos, e tals, mas o parágrafo anterior já deve ter te mostrado que tudo em excesso pode virar problemático. 
 
Esse assunto é sério, e já vi tantas pessoas ao meu redor sofrendo com algum tipo de distúrbio. Por isso resolvi aproveitar esse espaço aqui no blog para discutir sobre o assunto. Se você identificar algum doabaixo no seu comportamento (ou no de alguém que você gosta), recomendo procurar um especialista – seu médico ou seu psicólogo.
 

Transtornos alimentares

É difícil definir o que desencadeia cada um desses transtornos alimentares, e o tratamento costuma ser multidisciplinar. Médicos (nutrólogos, psiquiatras e clínicos gerais), nutricionistas, psicólogos, preparadores físicos e outros profissionais atuam em conjunto para recuperar a saúde (física e mental) dos pacientes. 
 
Mesmo assim, existe um fator social nisso tudo, para além do indivíduo. Por isso é tão importante a gente falar sobre o culto a padrões estéticos inalcançáveis. Pode parecer trabalho de formiguinha, mas se começarmos a trazer esses assuntos nas nossas bolhas, vamos desmistificando aos poucos as situações em que o “saudável” se torna problemático. 
 
Sem falar que, para quem sofre com algum desses transtornos alimentares, o apoio da família e dos amigos é importante DEMAIS. Negar que existe algo errado não é um bom caminho, muito embora a falta de comunicação nesses casos pareça o padrão. Alguns familiares chegam a sentir culpa, o que está bem longe de ser uma emoção justa (ou produtiva). Muitas vezes a família também precisa de cuidados, como terapia familiar. 
 
Independente qualquer coisa, esse é um exercício que todos podemos fazer. Precisamos olhar para dentro e não apenas para fora. Cuidar da aparência, mas ainda mais de como a gente se sente. Porque é difícil sim amar o nosso corpo, e talvez por isso mesmo esse seja um ato tão revolucionário. 
 



Se identificou com os sintomas listados aqui? Procure ajuda. 

Assinatura Desinchá

2
Comente aqui

avatar
1 Comentários
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Thayná RamosRenata Klein Zancan Recent comment authors
newest oldest
Renata Klein Zancan
Visitante
Renata Klein Zancan

Muito legal vocês abordarem este conteúdo. Sou Psicóloga e trabalho com transtornos alimentares e sei da importância que tem um tratamento interdisciplinar. Além disso, os transtornos alimentares, muitas vezes, são comórbidos com outros transtornos como de ansiedade, depressão, abuso de substâmcia. Assim, é muito importante procurar ajuda! E é super relevante abordar esse assunto. Parabéns pela iniciativa.

Thayná Ramos
Editor
Thayná Ramos

Obrigada Rê! Ficamos felizes que tenha gostado 💚