Vitamina D – A vitamina do sol

Não sei você, mas eu adoro ficar no sol. Seja na praia ou na piscina o dia todo pra pegar uma cor ou fazendo a “fotossíntese” na varanda do escritório sempre que é possível, mesmo que só por 5 minutinhos. Para muitos (inclusive pra mim) o astro rei é sinônimo de vida e renovação das energias, mas muita gente detesta ficar derretendo debaixo dele. Independente de gostar ou não, tomar sol é necessário para a saúde, pois ajuda na produção de Vitamina D.

Vitamina D – A vitamina do sol

Mas antes de aprofundar o tema, é preciso entender o que é vitamina D e para o que serve. Ela é um micronutriente essencial, solúvel em gordura, que fica armazenada em grande quantidade, principalmente no fígado. Essa vitamina tem duas variações:

– Vitamina D2: de origem vegetal, obtida através da ingestão de alimentos e também conhecida como ergocalciferol

– Vitamina D3: chamada de colecalficerol, é obtida pela exposição ao sol, após ser sintetizada pela pele. Também pode ser encontrada em praticamente todos os suplementos vitamínicos.

A vitamina D atua de tantas formas e é tão importante para o nosso corpo, que ainda não existem pesquisas sobre os níveis ideais para cada órgão e sistema. Normalmente ela é muito associada aos ossos, rins e intestino, pois sua ação mais clássica é a de regular o fornecimento de cálcio e fósforo para o organismo. Porém já foram observadas que níveis baixos dessa vitamina potencializam o surgimento de doenças crônicas como problemas cardiovasculares, tumores e enfermidades imunológicas e infecciosas.

Então já deu pra entender porque as capsulas e suplementos de vitamina D são sucesso de vendas, né! E isso também pode se tornar um problema sério. A superdosagem também pode causar danos graves à saúde, podendo, inclusive, levar a óbito. 😮

A falta de estudos dedicados e comprovados sobre os níveis corretos da vitamina faz com que muitos profissionais da área de saúde prescrevam doses altas a seus pacientes, então ele “conserta uma coisa e quebra outra”. Outro perigo é a facilidade e oferta do suplemento junto com a automedicação. Portanto, não saia comprando tudo o que alguém te recomendou (pode ser mãe, pai ou personal trainer!). No final você pode criar uma doença que não existia antes. Medicação ou suplementos, sejam quais forem, só com recomendação e/ou receita após realização dos exames necessários.

Mulher pegando sol

Ao invés de gastar uma fortuna comprando sabe-se lá o que (sim, muitos fabricantes colocam qualquer informação no rótulo só para ganhar seu suado dinheirinho), tome sol! Essa é a forma mais eficaz e segura de conseguir vitamina D. Isso porque os raios UV absorvidos pela pele causam uma reação que estimula a produção natural de vitamina D. E não precisa ficar muito tempo, alguns minutos por dia já é suficiente.

Em regiões do hemisfério norte onde os dias são mais curtos sempre ou em determinadas estações, ou que são muito frios (obrigando as pessoas a ficarem muito cobertas e dentro de lugares fechados), é normal que a população sofra com a deficiência de vitamina D, pois a exposição solar oferece cerca de 90% da quantidade de vitamina que precisamos. Porém, mesmo no Brasil, que é um País tropical e abençoado por Deus, estima-se que mais da metade das pessoas tenham níveis abaixo dos recomendados. Como a rotina da maioria faz com que fiquemos em escritórios e salas fechadas a maior parte do dia, isso afeta diretamente a produção do nutriente.

O restante é obtido através da comida, mas a não ser que você só coloque na boca alimentos com níveis mais altos de D2, não vai conseguir equilibrar as necessidades do organismo.

Antigamente, (no século XIX), era comum as mães darem óleo de fígado de bacalhau aos filhos. Ele era vendido como tônico e prometia curar uma imensa variedade de doenças. Num anuncio de 1890 do jornal O Estado de São Paulo, um fabricante descreve os benefícios do seu produto da seguinte forma: “Nenhum medicamento até hoje descoberto cura as moléstias de peito e vias respiratórias ou restabelece os débeis, os anêmicos e os escrofulosos (tuberculosos) com tanta rapidez”. E essa maravilha realmente mostrava bons resultados, mas até então, não se sabia o motivo. Anos mais tarde, por volta de 1920, estudos foram feitos e descobriram que os benefícios não vinham do bacalhau em si, mas do órgão em questão.

Então você pode escolher entre ficar um tempinho no sol ou tomar óleo de fígado de bacalhau. Não é uma escolha muito difícil, né!

Mas fique atento: sol em excesso também é prejudicial. Com tantos buracos na camada de ozônio, não existe mais a filtragem necessária e os raios solares chegam direto até nós. Use protetor solar diariamente, mesmo que seja pra ir daqui até ali.

Fontes:

https://saude.abril.com.br/blog/alimente-se-com-ciencia/nem-muito-nem-pouco-o-papel-da-vitamina-d/

https://vivabem.uol.com.br/noticias/redacao/2019/01/30/preciso-mesmo-suplementar-vitamina-d-entenda-tudo-sobre-ela.htm

https://saude.abril.com.br/bem-estar/conheca-os-poderes-da-vitamina-d-para-a-sua-saude/

https://drauziovarella.uol.com.br/drauzio/vitamina-d/

 

Assinatura Desinchá

Comente aqui

avatar